MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« Teatro alla Scala - Milão | Main | Barcelona: um passeio pelo Bairro Gótico »
Sábado
Out282006

MILÃO

               Milão não é exatamente uma cidade atraente turisticamente. E não se trata apenas de opinião pessoal. Os próprios italianos costumam dizer que a segunda maior cidade do país, além de capital da moda, se situa lá atrás em termos de atrativos.

Blog 002.jpg

Galeria Vittorio Emanuele II              

               Eles têm Roma, Veneza, Florença, A Costa Amalfitana, Como, Pisa e dezenas de outras cidades e regiões com muito mais atrativos turísticos. Milão, ainda que históricamente seja uma cidade importante, e do  pnto de vista do turismo de negócios seja o primeiro da Itália, para o turismo mundial é quase um lugar de passagem. Talvez por isso boa parte dos vôos internacionais tenham sido transferidos de Roma para Milão.  É assim com a Alitalia, para quem sai do Brasil.

Blog 003.jpg

               Galeria Vittorio Emanuele II

               Em latim seu nome era “Mediolanum” (que significa "terra do meio"), isso lá na época de sua fundação pelos romanos, dois séculos antes de Cristo, época em que era Rota da Seda, do Oriente.

Blog 005.jpg

               Acho mesmo que esta é uma daquelas cidades que costumo classificar como “está-visto”, ou seja, é importante conhecê-la, mas difícil ter desejo efetivo de voltar a ela como destino turístico. Além do mais Milão é cara demais para o que ela tem a oferecer turisticamente.

Blog 006.jpg

               Pior do que Roma para escolher hotel, as opções são invariavelmente ou caríssimas ou ruins. Impossível econtrar uma pechincha sem que seja uma espelunca. Resumindo, são caros e ruins, ou caríssimos e bons.

Blog 007.jpg

               A última vez que estive em Milão foi em agosto de 2006, por absoluta conveniência: por uma questão de vantagens e de conveniência, praticidade, elegi a Alitalia como a cia. aérea para viagens à Europa, já há algum tempo.

Blog 009.jpg

               A Itália é um dos países europeus mais próximos da Europa Central, da Ásia, a um pulo da Grécia, de Malta, da Tunísia e por que não dizer, do Marrocos. Para viajar de Milão a Dubai (Emirados), a Cingapura, Bangkok e a outros países da Ásia, a Alitalia é uma ótima opcão.

Blog 011.jpg

               Além da situação geográfica italiana ser adequada, o programa de milhagens da Alitalia se diferencia um pouco das demais cias. aéreas e torna-se mais vantajosa.

Alitalia 001.jpg

               Evidentemente que em se tratando do mundo da aviação comercial ninguém melhor do que o Rodrigo Purisch - cujo excelente blog AQUELA PASSAGEM - dedica-se exatamente ao tema viagens aéreas, mas com tal profundidade que torna-se objeto de consulta permanente para quem quer esmiuçar o assunto.

1127049.jpg

               Voltando à Alitalia, uma vez inscrito no Mille Miglia você já comece a ganhar milhas assim que voar. Até aí, tudo igual às demais. Todavia, dependendo da frequência você passa a receber bônus de 25% e de 50% e a fazer parte dos exclusivos Club Ulisse e Freccia Alata. E aí é que começam as vantagens efetivas: com apenas 25.000 milhas acumuladas no período de 1 ano (de 1º de janeiro a 31 de dezembro), voando com a Alitalia ou com as companhias do SkyTeam, você automaticamente passará a fazer parte do Club Ulisse Alitalia.

Blog 012.jpg

                              A inscrição neste Club é válida por 1 ano, e será renovada automaticamente após o associado ter acumulado as milhas necessárias.

               Confira as vantagens da Mille Milgia Alitalia:

               Do Club Ulisse: · Prioridade em lista de espera para reservas e no momento do check-in · Check-in no balcão da classe executiva, mesmo se seu bilhete estiver classe econômica · Acesso às Salas VIP da Alitalia · Prioridade no momento de embarcar na aeronave · Prioridade na retirada da bagagem · 25% de milhas a mais em cada trecho voado com Alitalia ou com as companhias do SkyTeam. · Prioridade em lista de espera e check-in · Check-in no balcão da classe executiva, mesmo se seu bilhete estiver classe econômica · Prioridade no momento de embarcar na aeronave · Prioridade na retirada da bagagem · 10 Kg de excesso de bagagem gratuito em uma mala extra.

Blog 013.jpg

               Do Club Freccia Alata: 50% de milhas a mais em cada trecho voado com Alitalia ou com as companhias do SkyTeam. · 20 kg de excesso de bagagem gratuito em uma mala extra Assim, minha viagem às Ilhas Maltesas (Malta e Gozo), com Itália (Milão e Como), e Espanha (Barcelona), em Ago/2006, foi pela Alitalia, voando Rio – SP - Milão –Valletta, Valletta – Milão – Barcelona, Barcelona – Milão e Milão – SP – Rio, em agosto de 2006.

               A propósito do excelente blog do Rodrigo Purisch, o  AQUELA PASSAGEM ,  ele me escreveu um comentário que, devido à sua importância, acerca do tema "milhagem" e  Alitalia, recomendo a leitura do que ele esrceveu aqui em baixo, num dos comentários.

 

Reader Comments (4)

Ola Arnaldo. Como foi viajar para a Europa no mes de agosto? Eu sempre ouco que e' terrivel viajar durante esse mes porque e' o mes de ferias dos europeus e tudo e' mais caro e congestionado. O que voce achou?
Nil
Lindas fotos! Belo texto! (E linda tipologia, também...) Estive em Milão só na minha primeira viagem de mochileiro, em 85, e nem tentei gostar da cidade... estava tão cansado (eram 4 meses, e eu já estava a caminho da Espanha, onde pegaria o avião de volta do Brasil), que só me lembro mesmo da Galeria Vittorio Emanuelle. Mas te confesso que tenho vontade de voltar e descobrir se pelo menos o lado contemporâneo da cidade vale a pena... E quanto às dicas de Dubai que você pediu: a única parte daquele artigo que eu conferi com meus próprios olhos foi a do aeroporto; estive lá em 96, numa conexão da Emirates entre Colombo, no Sri Lanka, e Malê, nas Maldivas. O resto foi pesquisado em dez fontes diferentes! Como esse foi o destino escolhido para viagem de compras, a ênfase ficou com o Dubai Festival que acontece agora em janeiro. Mas todos os guias mandam fazer os passeios no deserto, sim. Você sabia que tem Time Out de Dubai? (Os sheiks fazem tudo direitinho. Montaram uma editora em sociedade com a Time Out pro emirado ter até um guia descolado...)
Arnaldo,
Você está com tudo!!! O blog mantém as lindas fotos e ótimo conteúdo, além de merecer uma visita com comentário elogioso do ubíquo Sr Ricardo Freire!!! Este negócio de milhagem é um problema e uma solução ao mesmo tempo. Você acaba escolhendo o primeiro programa de milhagem sem se preocupar muito com ele, muitas vezes motivado pela cia em que você comprou a passagem ou pela associação da mesma com alguma cia com atuação no Brasil. Depois que se conquista algumas milhas, raramente você tem a coragem de mudar de programa de milhagem, principalmente se conseguiu um status elite no seu programa. Daí para frente a aliança a qual seu programa de fidelidade é associado passa ser sempre a primeira opção. Posso falar que depois que consegui cartão prata, tudo que queria era ser ouro para acessar algumas benesses como sala vip e check in na executiva. Parece bobagem, mas em viagens longas estas bobeirinhas fazem uma grande diferença. Sou associado da Star Alliance (Primeiro Varig e agora United) e acabei fazendo laços afetivos com a United (meio por falta de opção) e com a Singapore Airlines (opção). Acredito que algo parecido pode ter acontecido com você e a Alitalia. Mas aos que não leram meu comentário no guestbook, o futuro da Alitália ainda é incerto, pois é uma cia estatal com um sindicato forte, vivendo um período de continuas perdas financeiras (meio Varig). Espera-se uma definição (reestruturação, injeção de capital pelo estado italianao ou venda para Airfrance/KLM) no início de 2007

Obrigado pela citação, mais uma vez e espero corresponder a expectativa.

Ps1: Arnaldo, não sei porque, mas Dubai apresenta-se pra mim como um lugar onde se é convidado a visitar e não como um lugar amistoso aos não portadores de petrodólares. Essa sua viagem vai ser muito esclarecedora (o Burj Al Arab e os condominios de ilhas me instigam). Arquitetura não vai faltar.

Ps2: A Emirates está anunciando vôo de São Paulo pra Dubai no segundo semestre de 2007 e a Qatar para Doha no correr de 2007.
0:41 | Unregistered CommenterRodrigo

UM DIA SE DEUS QUE E O NOSSO PAI QUISER E ELE QUER,
VOU VISITAR VARIOS LUGARES LINDOS COMO ESSES QUE ACA-
BEI DE OLHAR E CONTEMPLAR QUE O HOMEM TAMBEM SABE FAZER
COISA MARAVILHOSAMENTE LINDAS COMO ESSAS CIDADES EUROPEIAS.

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.