CONHEÇA O AUTOR

          

         Depois de estabelecer-se na Internet desde 1999 escrevendo relatos de viagens em sites relacionados com o tema, em 2006 ter fundado o blog Fatos & Fotos de Viagens - um dos pioneiros da blogosfera de viagens - foi convidado a colaborar com matérias na Revista Viagem & Turismo (Editora Abril). Agora, Arnaldo prepara o lançamento de seu primeiro livro - "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia" - ingressando na literatura com um livro encantador que, segundo o autor, é o primeiro de uma série.

Assim o autor define esta sua nova fase:

             "Livro é coisa séria. O que o leitor encontrará em "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia" é diferente do que lê aqui neste blog. Da narrativa ao estilo. Em vez de uma conversa baseada na informalidade, o livro mistura traços de coloquialidade e informalidade com uma escrita literária. Sobretudo com profundo respeito à arte de escrever. Passo a ser um escritor, mas é apenas uma outra maneira de me expressar sobre viagens, transmitir sem fantasias o mundo que vejo, isto é, como ele é, não como o imagino. A leitura revelará, todavia, aqui e ali, discrepâncias entre minhas expectativas e a realidade confirmada no destino. Segundo o poeta e ensaísta norte-americano Henry David Thoreau, "Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vida a partir da leitura de um livro". Então, a partir deste meu primeiro, considero ter ingressado numa nova, deliciosa fase da minha vida.

Gente que escreve e encanta, fala sobre o autor:

Haroldo Castro:

            "Arnaldo Trindade Affonso é um dos viajantes equilibrados e sensatos que se lança escritor, o que, num Brasil de pouca leitura e onde a Literatura de Viagem não chega a ocupar meia estante nas livrarias, conta histórias que servirão de grande subsídio para qualquer leitor, além de ajudar a romper os preconceitos de que a África só oferece guerras, doenças e fome. Infelizmente, a riqueza cultural e natural do continente é quase sempre tão abafadas por notícias negativas que considero este livro um raio de luz na região."

Jornalista, fotógrafo, autor de “Luzes da África”, indicado para o Prêmio Jabuti 2013 na categoria Reportagens

Ronize Aline:

            "Minha opinião sobre o autor está refletida na resenha que escrevi de seu livro "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia": ele escreve com o coração e demonstra respeito por tudo o que viu. Este livro, mais do que o relato de uma viagem à Etiópia, é uma viagem rumo a uma experiência de imersão e contemplação do outro. É como olhar para o diferente sem estranhamento ou indiferença."

Escritora, tradutora, jornalista, professora universitária e crítica literária do jornal O Globo, do Rio de Janeiro

Rachel Verano

             "Neste livro, Arnaldo tem o poder de nos transportar a um dos cantos mais fascinantes e ainda intocados do planeta. Mas de maneira ao mesmo tempo delicada e profunda, pessoal, criando intimidade com os personagens, deixando o leitor perceber cheiros, sabores e sentir as emoções de suas descobertas. Do peso do ar à alegria de dobrar a esquina, o autor consegue transmitir todo seu fascínio de estar diante de algo realmente novo."

 Jornalista passou pelas redações das revistas Viagem & Turismo, Veja, VejaSP, Glamour, TAM e Vamos/LATAM

Davi Carneiro

             "Há uma frase atribuída ao grande viajante do século 14, talvez o maior escritor-viajante de todos os tempos, Ibn Battuta: “Viajar, primeiro te deixa sem palavras, depois te transforma num contador de histórias.” Suspeito, caro leito, ser este o caso do Arnaldo, um autêntico viajante que vem se mostrando, cada vez mais, um talentoso contador de histórias. Conheço-o e o sigo desde 1996, através do seu blog, aquele que, na minha opinião, é um dos melhores de viagens da internet brasileira, tanto pela excelência fotográfica quanto pela qualidade dos textos. Com um currículo andarilho de respeito (mais de 60 países, entre eles Quirguistão, Miamar, Irã e Uzbesquistão), Arnaldo tem o mérito de ir na contramão da blogosfera profissional e monetizada: de maneira simples, autêntica e independente, preza, principalmente, a credibilidade e a confiança de seu leitor." 

 Escritor, jornalista e colaborador de diversas revistas nacionais e estrangeiras

COMENTÁRIOS
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« Marrocos: Rabat, a Capital | Main | Viajando de TREM pela EUROPA »
Sábado
Abr012006

Marrakech, cidade vermelha

Fantástica, surpreendente, um ícone, a mais emblemática do Marrocos, encantada, encantadora, atraente, exótica...

aaa marrakech 7.jpg

 Fundada no século XI, Marrakech fascina por tudo: pelas cores, pelos sabores, odores, pelo povo, exotismo, sons, contrastes, arquitetura, palmeiras, cultura e o branco da neve lá no pico das montanhas do Alto Atlas, no final do horizonte da cidade.

 XI, Marrakech fascina por tudo: pelas cores, pelos sabores, odores, pelo povo, exotismo, sons, contrastes, arquitetura, palmeiras, cultura e o branco da neve lá no pico das montanhas do Alto Atlas, no final do horizonte da cidade.

Nunca recuse uma oferta de Chá de Menta!

Enquanto você se embrenha pela Medina e pelos seus souks, é possível que ao entrar numa loja ou cubículo de artesanato um local lhe ofereça um “thé à la menthe” acompanhado de uma oferta de um produto. É um gesto comercial mas gentil. É muito doce, mas não se deve recusar.

aa marrakech a koutoubia.jpg

O coração da Cidade é a Place Djemaa el-Fna (ver capítulo sobre ela mais abaixo) e os souks sua atração mais evidente, entre os melhores do Marrocos, não tão exótico quanto o de Fez, todavia mais variado.

A cidade é dominada visualmente pela torre da mesquita de Koutoubia, que deve ser explorada ao seu redor, passando-se pela Boulevard Mohamed V., depois de atravessar uma das muralhas da medina por uma de suas portas, como a Bab Knob.

aa medersa ben yusseff.jpg

Também valem uma visita a mesquita de Koubba Ba'Adiyn e o Palais Dar Si Said (museu de arte marroquina), o Hotel La Mamounia , os Jardins Marjorelle, os Jardins de Menara, as Tumbas Saadianas, o Palácio El Bahia, os arrdores da Mesquita Koutobia.

aaa muulmana.jpg

As ruas da cidade, com suas construções invariavelmente rosas, podem ser tão estreitas que não cabem carros ou tão largas quanto os boulevares das mais famosas capitais européias. Encantadora e com muitíssima personalidade.

aa marrakech charrete.jpg

As hordas de turistas (entre os quais me incluo, porque já visitei o Marrocos duas vezes) não descaracterizaram a cidade e contribuem para que a cidade preserve seus monumentos.

 

 

 

Nas ruas, dezenas de charretes puxadas por cavalos meio-sangue, magrelos e altos, (legítimos pangarés árabes), servem como táxis, mas levam principalmente turistas. 

 

aaa marrakech 5.jpg

Na Praça Djemaa el Fna há, de dia, é uma desordem só: passam motonetas, burros, bicicletas, charretes, carrinhos de mão, todo tido de veículo de tração animal e humana atravessam a praça indiscriminadamente em qualquer direção, sobretudo sobre nós, incautos turistas desatentos e deslumbrados.

aa marrakech a souk.jpg

E TUDO pode ser visto dos terraços dos cafés ao redor da praça.

Além disso, é uma constante interpelação de vendedores a cada segundo, numa camelotagem aqui entre nós desagradável e irritante. São os aguadeiros, homens vestidos com roupas folclóricas hiper-coloridas e estranhas, com um enorme chapéu vermelho com uns penduricalhos vendendo água! Isso mesmo, água, e ainda por cima numas tijelinhas de latão que todo mundo bebe na mesma.

O povo Marroquino, especialmente o de Marrakech, é encantador. A gente tem que relevar um pouco a inistência de vendedores que abordam os turistas, até mesmo as mulheres que querem fazer tatuagens de hena (quase à força!). Passear por Marrakech, não apenas por seu Souk e pela Djema el Fnaa, mas por sua Medina, é uma experiência das mais agradáveis do ponto de vista do "relacionamento" humano.

 

 

aaa marrakech 014.jpg

São os vendedores de suco de laranja em barracas, meninos vendendo adagas, garotos que tentam assustar a gente com “serpentes” de madeira (daquelas articuladas qua de vez em quando se vêm por aqui no Rio de Janeiro em camelôs que insistem em assustar os transeuntes e que eu sou doido pra pisar numa delas...), contadores de histórias e muitos, muitos turistas, encantadores de serpentes, batucadas, tambores, flautas (pífanos) hiptnotizantes, sol, calor...

aaa marrakech 015.jpg

“Postais por Escrito” e “Viaje na Viagem”, de Roberto Freire

(leia um dos trechos sobre as Medinas )

O que nenhum guia conta é que, do lado de fora da medina (a Marrakech "marroquina"), existe uma Marrakech francesa, de avenidas largas e arborizadas, habitadas por hotéis, prediozinhos e casas cor-de-rosa -- quase tudo estritamente art-déco.

 

 

É muito engraçado encontrar essa cidade déco num lugar que vocé esperava ter a mesma cenografia de um baile de carnaval (tema: "Uma noite no Marrocos"). Mas acredite: se em vez desse pessoal de camisolão dirigindo charretes de turistas você visse americanos sem camisa andando de patins in-line, dava para jurar que aqui era algum bairro escondido de Miami Beach.

aaa marrakech 010.jpg

No entanto, a medina -- o coração murado de toda cidade árabe -- encerra a marroquinidade em estado bruto. Por mais que Marrakech tenha se tornado um artigo para consumo turístico, sua medina continua de verdade -- ou seja, mais para Rocinha do que para Epcot Center.

aaa marrakech 016 estao.jpg

A praça principal, Jamaâ-el-Jafna, em frente à entrada do souk, é um sambódromo permanente, com trupes de saltimbancos, encantadores de serpentes e barracas vendendo de suco de laranja a sopa de miolos. A praça está sempre cheia, e o público é predominantemente nativo; a turistada assiste tudo do camarote da Brahma, perdão, dos terraços dos cafés em volta do "picadeiro".

Quando você se afasta um pouquinho da praça, desaparecem as lojas de artesanato e você vira, finalmente, voyeur da vida real -- das mercearias, dos açougues; das lojinhas que consertam TVs preto-e-branco tão antigas que parecem ser anteriores à própria invenção da TV, das portas das casas que se abrem e por 3 segundos se mostram para você.

Perder-se nas ruelas labirínticas da medina (e é virtualmente impossível não se perder) é como participar ao vivo de um documentário da BBC. Mas como a maioria dos turistas se hospeda em hotéis hollywoodianos, os dias em Marrakech são comandados por uma espécie de controle remoto: de Hollywood à BBC, e então de volta a Hollywood.

Reader Comments (3)

Oi, você se lembra quais eram os significados de cada cor dos mosaicos? Azul= Fez, Preto = África, Vermelho= Marrakech, e o amarelo, verde e branco? Me ajude! Abraço e muito o brigada
Nao lembrava, obrigado por me fazer recordar e por sua visita, comentarios e elogios. Vou tentar pesquisar e se conseguir colocarei aqui.

Volte sempre

achei interessante as fotos,todavia entendo que poderiam ter nos mostrado um pouco mais.o que temos sobre seu país é ainda bem pouco.
ione láo
ed.infantil.arte e literatura
uniom@hotmail.com
blog com fotos comentadas.obrigada.

11:39 | Unregistered Commenterione láo

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.