MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« África do Sul: Kruger Park - Fatos & Fotos na "Viagem & Turismo" | Main | Turquia: Istambul - Palácio Topkapi (Terceiro Capítulo) »
Quarta-feira
Out102007

Turquia: Istambul - O Bairro Eminönü e suas atrações

Mesquita Nova (Yeni Cami), o Bazar de Especiarias (Misir Çarsisi),

Ponte Galata, Mausoléu da Mãe do Sultão Mehmet IV

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20001.JPG

As luminárias, ou candelabros, antigamente iluminavam a óleo, hoje a luz elétrica

______________________________________________________________

Mesquita Nova (Yeni Cami)

NOVA? Nem tanto. Ela foi concluída em 1.663! E sua construção levou muito mais tempo do que todas as demais mesquitas de Istambul:  exatos 66 anos. A Mesquita Nova, ou Yeni Cami, fica no Bairro Eminönü, de frente para o Corno de Ouro, ...

  493463-1085739-thumbnail.jpg  493463-1085750-thumbnail.jpg  493463-1085754-thumbnail.jpg

A Ponte de Galata (vista da Torre de Galata), a Mesquita Nova por fora e por dentro

...para a Ponte Galata e com vista para a Torre Galata. Aliás, do alto desta torre, que conheceremos mais detalhadamente em outra matéria, de seu mirante tem-se uma bela e panorâmica vista de Eminönü, em primeiro plano, e para todo Sultanahmet.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20002.jpg

Em 1.663 a Mesquita Nova beirava o Corno de Ouro

Além da importância do bairro, por seu movimento, suas ligações com outros bairros de Istambul, seus transportes e a Mesquita Nova, o Bairro Eminönü tem como destaques a Mesquita Nova, o Bazar Egípcio, o Correio Central (Merkez Postanesi), a Mesauita Rüstem Pasha e as Estações Sirkeci e de Bogaz de ferry boats.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20038.JPG

O movimentado Porto de Eminonu, de onde partem os mais populares cruzeiros para o Bósforo

Esta mesquita está, portanto , localizada num dos pontos mais movimentados de Istambul, seja pelo volume do tráfego de pessoas e carros, seja pelo Porto dos ferryes de Eminönü, pelos bondes e pelas lojinhas e botecos sob a Ponte Galata. Na extremidade sul da Ponte Galata, nas proximidades de Sultanahmet, essa é uma das mesquitas mais vistosas de Istambul. Ela é de uma época em que as mulheres do harém dos sultões tinham algum poder de influência.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20037.JPG

Churrasco de peixe na margem do Corno de Ouro, em Eminonu

Oficialmente o nome da Mesquita Nova é Mesquita Valide Sultan , ou Mesquita da Rainha Mãe, Safiye, por ter sido feita por ordem da mãe do Sultão Mehmet III, em 1.597. O seu arquiteto, Davu Pacha iniciou a construção soba a ordem de Safye Sultan, a mãe de Mehmet III, esposa de Selim II.

493463-1085754-thumbnail.jpg

 493463-1085781-thumbnail.jpg   493463-1085783-thumbnail.jpg

O interior da Mesauita Nova em três momentos

A construção foi interrompida entre 1.605 e 1.661, por falta de recursos e pela morte de seu arquiteto. Exatamente por essa demora, sendo de período porterior ao estilo clássico da arquitetura otomana, ela apresenta características do estilo de período anterior.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20012.JPG

Detalhe da Fonte octogonal no pátio interno da Mesquita Nova

Após a morte do sultão , tendo automaticamente encerrado seu poder, a sua mesquita tornou-se inacabada. Após seis sultanatos e três gerações de sultões, a mãe do Sultão Mehmet IV, Turhan Hatice, retomou a construção, concluindo-a. O nome “nova” deve-se ao fato de que já existia uma outra mesquita com o nome “Rainha Mãe”. Os trabalhos de construção e ornamentação foram terminados sob o comando dos arquitetos Dalgiç Ahmet Çavus e Kasim Agha.

493463-1085792-thumbnail.jpg  493463-1085798-thumbnail.jpg  493463-1085827-thumbnail.jpg

Três momentos da Mesquita Nova

Uma curiosidade acerca da construção desta mesquita é decorrente do fato de que durante sua construção o mar estava a apenas 3 metros de distância, o que exigiu sérios e inéditos conhecimentos técnicos de engenharia, o que também extendeu o prazo de sua construção em relação às demais mesquitas de Istambul, além de terremotos e incêndios que ocorreram durante a construção.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20014.JPG

A cúpola maior tem 36 metros de altura e 17,5 de diâmetro. Destacam-se, no seu interior, os vitrais coloridos e as portas e janelas com delicados trabalhos de marcheteria com incrustrações de madrepérola. Sobre as janelas estão versos do Corão. Os azulejos, todavia, não têm a qualidade e a beleza exuberante dos de outras mesquitas. O Camarote do Sultão é um dos destaques, ao lado da grande coluna amarela, no canto superior esquerdo, que tinha acesso dureto aos aposentos do sultão dentro da mesquita.

493463-1085841-thumbnail.jpg  493463-1085849-thumbnail.jpg  493463-1085855-thumbnail.jpg

O interior da Mesquita Nova em três detalhes

Imagina-se, todavia, que ela tenha o nome de Mesquita Nova por ter sido concluída depois de todas as outras grandes mesquitas ‘imperiais´, como a Fatih Camii (Mesquita do Conquistador, de 1.470), Selimiye Camii (de 1.522), Süleymaniye Camii (Mesquita do Sultão Süleyman, O Magnífico Magnificent, de 1.557), e da Mesquita do Sultão Ahmet , ou Ahmet Camii (mais conhecida como Mesquita Azul, de 1.616), ainda que as obras de construção da Mesquita Nova tenham sido iniciadas depois da Mesquita Azul.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20019.JPG

As belíssimas cúpolas, arcos, colunas e decoração em azulejos

Não há dúvidas de que inúmeros trabalhadores e artesãos que trabalharam na Mesquita Nova foram transferidos para o Hipódromo, em 1.606, para a construção da Mesquita Azul, em cujos trabalhos podem ser observadas suas ‘personalidades’ demonstradas nos trabalhos decorativos executados em ouro, mármore, pintura e azulejaria no interior desta mesquita. Os azulejos com motivos florais, de Iznik, são do século 19, época em que a sua qualidade estava em declínio, mas ainda assim impressionam pela beleza.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20020.JPG

A Nova Mesquita tem cinco portas de entrada, uma delas aberta para o pátio central interior. Em volta desta porta há um pórtico com 24 cúpolas suportadas por 20 colunas. No centro deste pátio fica uma bonita e elegante fonte de forma octogonal. A mesquita tem dois minaretes com três varandas cada, localizados de frente para o pátio, nos seus lados.

        493463-1085874-thumbnail.jpg     493463-1085879-thumbnail.jpg

Este bairro é também uma grande área comercial e tem sido assim por séculos, desde que os bizantinos passaram a comprar frutas, legumes e verduras a um milênio. Durante o período otomano foi lugar de uma colônia judia, a Colônia Karaite , que anos depois moveu-se para um lugar mais acima do Corno de Ouro, exatamente para dar lugar e espaço para a construção da Mesquita Nova.

        493463-1085888-thumbnail.jpg       493463-1085891-thumbnail.jpg

___________________________________________________________

Bazar de Especiarias (Misir Çarsisi)

Durante o período bizantino aqui havia um outro mercado onde genovezes e vemezianos vinham vender seus produtos. O atual Bazar das Especiarias também é conhecido como Bazar Egípcio, devido ao fato de que comercializava muitos produtos vindos do Egito, e sua principal fonte de recursos foi justamente dos impostos que incidiam e eram cobrados sobre as mercadorias provenientes daquele país.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20039.JPG

Difere bastante do Grand Bazzar nos produtos que comercializa, ainda que haja algumas similaridades. Popularmente é chamado de Bazar das especiarias devido aos seus principais produtos comercializados e às mercadorias mais valiosas na época. Era um importante centro comercial entre Europa e Oriente por estar situado no meio da rota produtor-consumidor.

493463-1085935-thumbnail.jpg  493463-1085942-thumbnail.jpg  493463-1085774-thumbnail.jpg

De frente para a Ponte Galata, esse é um lugar de visita obrigatória e muito agradável. Também pelo fato de estar num bairro onde há diversos outros lugares a serem visitados a pé.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20038a.JPG

O Bazar foi contruído com o objetivo de gerar fundos para as obras assistenciais que toda mesquita dispões, neste caso integrando o compexo da Mesquita Nova. Foi inaugurado em 1.660 com aproximadamente 80 lojas. Sua planta tem a forma de um ‘L’ invertido e é coberto por cúpolas. Tem seis portões de entrada em diferentes direções e, ainda que bem menor que o Grand Bazzar, é possível perder a orientação em seu interior.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20040.JPG

Fundamentalmente são vendidos especiarias, ervas curativas, alimentos como carnes secas (pastirma), queijos, doces típicos, geléias, mel, afrodisíacos, vários tipos de nozes, esponjas de banho naturais, essências e perfumes. Do lado de fora, não deixe de dar uma olhada nas lojas de flores e de rações e produtos de todos os tipos para animais domésticos, uma infinidade de artigos e acessórios como coleiras, aquários, gaiolas.

        493463-1085995-thumbnail.jpg      493463-1086001-thumbnail.jpg

Eu gostei mais da atmosfera do Bazar das Especiarias do que a do Grand Bazzar. Achei mais autêntico, exótico, oriental, asism como seu entorno, muito mais interessante. Como em todo bazar, deve-se ter a consciência de que o que determina uma boa compra são o regateio dos preços e a atenção à qualidade do produto. Igualmente interessantes são os produtos alimentícios vendidos nas lojas que ficam coladas às paredes externas do Bazar, onde podemos apreciar a exposição curiosa de produtos de carne, frango, peixe.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20053.jpg

___________________________________________________________

Ponte Galata e arredores

A partir do Século XIX as áreas residenciais de Istambul expandiram-se para o norte do Corno de Ouro, tornando-se necessária a ligação entre os dois lados do Corno de Ouro. Até Leonardo da Vinci havia feito um projeto de ponte por encomenda de um sultão.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20060.JPG

Por ele trafegavam embarcações que se dirigiam ao porto, de grande importância para o comércio da cidade. Como não havia tecnologia adequada à construção de pontes com essas dimensões e que pudesse possibilitar o trênsito por cima e por baixo, apenas no século 19 foi construída a Ponte Galata, que liga o Bairro Eminönü ao Bairro Galata.

493463-1086012-thumbnail.jpg 493463-1086020-thumbnail.jpg 493463-1086024-thumbnail.jpg

Quando o Palácio Topkapi foi abandonado pela dinastia, que transferiu-se para o Palácio Dolmabahçe, a construção de uma ponte tornou-se inevitável, imprescindível. A primeira ponte sobre o Corno de Ouro ligava Unkapani a Azapkapi. Depois uma outra ponte foi necessária para ligar o Centro da Cidade a Galata, do outro lado do Corno de Ouro, e a Ponte Galata foi então concluída em 1.845.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20065.JPG

A idéia de construí-la foi de Bezm-I-Alem, Valide Sutã, ou Rainha-Mãe, razão pela qual o nome oficial da Ponte Galata é Ponte de Valide Sultan, ou Ponte Nova, construída em frente à Mesquita Nova. Esta foi a primeira ponte de madeira, restaurada em 1.863 e 1.875, depois substituída pela ponte atual, em ferro, construída pela firma alemã Thysen, em 1.992, e sua parte central eleva-se para a passagem de embarcações de grande porte. Sobre ela circulam pessoas, carros e bondes. A ponte original, de madeira, foi desmontada e remontada em outro lugar, ao sul do Museu Rahmi Koç.

Istambu%20BLOG%20Eminonu%20%20070.JPG

O Corno de Ouro é considerado o maior porto natural do mundo, um rio-mar que corre até o Estreito de Bósforo e durante centenas de anos a cidade dependeu de barcacças e navios que circulavam por ele e descarregavam mercadorias nos armazéns de sua margem. Hoje as grandes embarcações aportam no Estreito de Bósforo ou no Mar de Mármara.

493463-1086047-thumbnail.jpg 493463-1086054-thumbnail.jpg 493463-1086062-thumbnail.jpg

_____________________________________________________

Mausoléu da Mãe do Sultão Mehmet IV

Os Mausoléus imperiais feitos junto às mesquitas são bem comuns. Neles eram sepultados os membros da família imperial. É possível visitá-los obedecendo aos mesmos procedimentos relacionados às visitas às mesquitas, ou seja, entre outros, descalçar os sapatos e cobrir o decote e as pernas.

Istambul%20Mausolus%20BLOG%2003.jpg

Para identificar os túmulos , lembre-se de que os de homens têm turbantes. Os das mulheres não os têm, e as que tinham filhos, são representados por uma flor para cada filho. Os das crianças são mais óbvios de serem reconhecidos.

493463-1086071-thumbnail.jpg 493463-1086106-thumbnail.jpg 493463-1086111-thumbnail.jpg

Reader Comments (8)

Bem-Vindo Arnaldo!

Ficamos muito felizes em saber que o sumiço foi por causa de uma viagem. Lá vem outras ótimas dicas!!!

Uma abraço
19:04 | Unregistered CommenterRodrigo
RODRIGO, muito grato pela mensagem e pela preocupação com o "sumiço". Espero que sejam ótimas as matérias sobre o Cruzeiro, ao menos vou caprichar nesse sentido. Grande abraço.
Arnaldo,
Muito interessante o seu blog! Gostei muito das fotos!
Em Milão visitou a Última Ceia do Leonardo da Vinci?
Vou voltar para ver melhor!
Margarida
Margarida, infelizmente nunca consegui ver o Cenáculo Vinciano, em Milão. Tem que reservar com emses de antecedência....

Obrigado pela visita.
Arnaldo

Os bilhetes para ir ver a última ceia de Leonardo DaVinci compram-se facilmente na internet(com algumas semanas de antecedência...)no site do Cenacolo Vinciano...depois é só estar á porta um pouco antes da hora marcada para levantar os bilhetes...acredite que vale a pena!!
Outra coisa que não deve perder é um concerto no La Scala!!O teatro não é muito imponente por fora mas é lindíssimo por dentro!!Além do mais é uma sensação unica assistir a um espectáculo no mais famoso teatro Europeu...onde foram estreadas muitas obras dos mais conceituados compositores clássicos!!
Eu gostei muito de Milão,quanto a mim uma das cidades onde se aprecia mais o verdadeiro espirito da Dolce Vita italiana...
15:51 | Unregistered CommenterMargarida
Arnaldo: continua o mesmo padrão de sempre, com textos interessantissimos e fotos maravilhosas; Agora estamos aguardando o cruzeiro!
21:11 | Unregistered CommenterErnesto
ERNESTO, bem-vindo da Califórnia! Bem, vc. conhece bem Istambul e sempre é mais gostoso rever algo que conhecemos, assim num blog, certo?

Obrigado pela força e reconhecimento, presença constante. obrigado.


Sobre o cruzeiro, será um conjunto de matérias abordando o assunto em termos gerais, não apenas o que fiz agora recentemente, mas orientanto genéricamente o tema, de modo a ajudar aquelas pessoas que nunca fizeram um cruzeiro marítimo a os compreenderem melhor.


mas também escreverei especificamente sobre o Costa Atlântica e sobre a Costa Crociere e abordarei igualmente as cidades que conheci. Mas isso deve acontecer só lá pra dezembro.


Oi Arnaldo,

Obrigado por suas palavras de carinho no meu blog. dorei saber que somos da mesma tribo! Estou na Bolivia agora para uma reuniao de trabalho, mas aproveitei para visitar uma comunidade indigena que eu conheci em 1977, exatamente 30 anos atrás. Interessantes ver as principais mudanças.


Quando chegar em Campinas (minha nova residencia depois de 19 anos nos USA), a gente se fala.

Abraços, Haroldo



PS: Já fez seu Teste de Viajologia em www.viajologia.com.br?

www.travelology.net

www.haroldocastro.com

www.viajologia.globolog.com.br


PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.