MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« Portugal: Lisboa - Os Bairros Históricos | Main | Portugal: Lisboa »
Quarta-feira
Fev282007

Portugal: Lisboa - Conhecendo a cidade, de Elétrico ou a pé

Lisboa - Bondes elctricos 01.jpg           

Ambos! O eléctrico – o nosso bonde - é um ícone da cidade, além de extremamente divertido e curioso.

Para os cariocas na faixa dos 50 anos, viajar de bonde é retornar no tempo, voltar ao imaginário da cultura carioca. É tão tradicional contemporãneo em Lisboa quanto no Rio. E mais, são aqueles bondes antigos que ainda se vêm em Santa Tereza passando sobre os Arcos da Lapa, inclusive até na cor, amarelinhos que são. E em Lisboa esses aidna são chamados de “amarelos”. É claro que há bondes mais novos e modernos como em todas as cidades européias, mas eles mantiveram no centro velho de Lisboa aqueles mais antigos.

          

Lisboa - Bondes elctricos 02.jpgA Companhia Carris de Ferro de Lisboa é que explora os serviços de bondes desde 1872, ano de sua fundação e também da inauguração da primeira linha de eléctricos - entre Santa Apolônia e o aterro da Boavista, em Santos.

Lisboa - Bondes elctricos 03.jpgElétrico 28 – Bonde dos Turistas

Sobre bondes e turistas, o da linha 28, apelidado de “sobe-e-desce das sete colinas” por causa de seu percurso de ida e volta entre as áreas de Martin Moniz e Prazeres, já foi escrita crônica que diz:

           "Numa outra perspectiva da cidade, a da beira-rio, a linha 15 (Praça da Figueira-Belém-Algés) disputa com o 28 a mais-valia de uma visão específica da cidade. Comece ou termine a linha do 28 numa ponta ou na outra, os actuais sete quilómetros entre o Martim Moniz e os Prazeres são servidos por 38 paragens. No seu percurso, o 28 oferece vislumbres mais ou menos óbvios de umas dez igrejas, oito conventos que já não o são, seis jardins, o Parlamento e a residência oficial do primeiro-ministro, além de duas dezenas de palácios e palacetes. E, naturalmente, muitos edifícios cujo estado de conservação já conheceu melhores dias.

 Lisboa - Bondes elctricos 04.jpg    O bonde 28 durante todo o seu trajeto, passa pelo bairro Alto, Alfama e Graça. Mas um passeio a pé pela encosta de Alfama é também bastante recomendável. Da Baixa para cima, encontrará ruas típicas, vielas e os miradouros (mirantes) com vistas extraordinárias da Cidade Baixa.

           Lisboa - Bondes elctricos 05.jpg

Mas, atenção, cuidado especial com os batedores de carteira (punguistas). Fique esperto!

 

Planta, horário e paragens do elétrico 28

(Cia. Carris de Ferro de Lisboa)

http://www.carris.pt/horarios/e028_2.pdf

Lisboa - Bondes elctricos 06.jpg

Aluguel de Carro em Lisboa. Você precisa?

           É necessário? Para andar em Lisboa não é fundamental. O transporte urbano e os táxis são suficientes e abrangentes. Para andar no Centro Velho de Lisboa não é sequer necessário, ainda que possa ser confortável e proporcionar toda a liberdade, mas eu não deixaria de andar de metrô, bonde e ônibus, mesmo tendo alugado um carro.

           Lisboa e uma cidade fácil de circular e tem um sistema de transporte urbano barato e eficiente. Compre um Passe Metrô/Carris (elétricos) bondes e (autocarros) ônibus, elevadores) válido por cinco dias, por 13,50 euros.

Mapa da Rede do Metrô de Lisboa

http://www.metrolisboa.pt/Default.aspx?tabid=138

           Já para ir aos arredores de Lisboa, evidentemente que se encontram outros meios de transporte, como ônibus e trens, além de várias cias. de excursões de um dia muito bem organizadas e estruturadas, mas nada se compara a fazer esses percursos de carro.

           Portugal é um dos países mais baratos da Europa, mesmo na era pós-euro. Não se compara, em termos de custo, ao tempo em que não havia ainda integrado a Comunidade Européia, tampouco, posteriormente, adotado o Euro como moeda em substituição Escudo. Portugal encareceu muito, mas isso não foi privilégio apenas desse país, mas de toda a Europa. Se antes Portugal e Espanha eram países muito mais baratos do que França e Alemanha, por exemplo, hoje quase todos se equivalem, mas ainda há os sensivelmente mais baratos, ainda que todos estejam nivelados por cima.

           E as rodovias são muito boas e seguras, já as vicinais e secundárias requerem atenção e cuidados, porque não são tão bem cuidadas.

           Um Peugeot 206, por exemplo, custa algo em torno de 200 euros por semana.

Estradas de Portugal

(consulte condições, pedágio, etc)

http://www.estradasdeportugal.pt/site/v3/

Aluguel de Carro em Portugal

(consulte preços e condições)

http://www.cars-for-less-car-rent.com/

http://www.holidayscar.com/

http://www.strawberry-autos.com/portugal/index.html

Avis
http://www.avis.com.pt/


 Europcar
http://www.europcar.com/worldwidelocations/index.jsp?locale=EN

Cias locais de circuitos turísticos (City Tours)
 
Citirama
http://circuitos.cityrama.pt/index.html

Gray Line Tours
http://www.grayline.com/Grayline/destinations/europe/portugal.go?mode=activities&cd=CT&cat=City+Tours

Reader Comments (12)

Você chegou a andar de táxi? Da última vez que estive em Lisboa, na virada de 2002 para 2003, achei mais em conta do que em São Paulo.

E por mais que o idioma tenha tomado caminhos diferentes por aqui, a gente encontra semelhanças nos momentos mais inesperados. A companhia municipal de trasnportes de Porto Alegre se chama... Companhia Carris!
Sim, Riq, andei, e bastante. Não gastava mais do que 5 euros por corrida. Os taxis ainda são os Mercedes antigos e fundionam legal. Trechos maiores chegam até 7/8 Euros. é muito prático andar de taxi em Lisboa e o bonde fica sendo mesmo uma atração turística. Eu não sabia que a cia de POA chamava-se carris, mas se formos pesquisar deveremos encontrar algo relacionado com a portuguesa...
Arnaldo, certamente vc vai fazer um ou mais voos
com a South African e vai se lembrar de mim quando
embarcar.
Se o equipamento dispor de assentos 2a2 não hesite
em reservar;alguns tem só 4 unidades 2a2 ao fundo
e quanto mais no fundo da aeronave melhor
A razão é que a maioria dos passageiros possui uma
circunferencia bem superior ao tamanho do assento
o que torna a viagem uma tortura, sem falar no fato
de que a maioria dos voos tem lotação completa
O melhor assento 2a2 é um que possui uma caixa
para deposito na janela, o que aumenta consideravelmente o espaço.
Confere em www.airtimetable.com.
10:11 | Unregistered Commentersylvia
Sylvia, eu sempre escolhos os lugares ANTES, tenho esse saudável "vício". Entro nos sites das cias. aéreas e vejo a configuração do equipamento, entro no seatguru.com, enfim, procuro sempre me precaver com antecedência para evitar viagens incômodas. mas, BEM lembrado! Agradeço a dicona! A configuração do equipamento da SAA é 2-4-2. Sempre escolho a de 2, pra mim e minha mulher. Se não houver essa config., procuro ficar na fileira do meio, na corredor e ao lado, assim é menos incômodo. Vou ver no link do site que me mandou...
Ah! Aqui sim, excelente visão de Lisboa e correctíssimas informações sobre a cidade e o país. Mas Lisboa também tem os seus "podres" e não são assim tão poucos, muitos deles pouco visiveis para os turistas. Embora a marginalidade seja muito inferior em relação por exemplo ao Rio de Janeiro, existem certas zonas periféricas e mesmo dentro da cidade muito críticas e a tendência é para ir aumentando gradualmente. Se por um lado a abertura das fronteiras com o Tratado de Maastricht veio facilitar a circulação dentro da União Europeia, por outro veio facilitar a proliferação de alguma criminalidade que até então o país não estava habituado.
Saudações!
19:17 | Unregistered Commenterroadrunner
Obsessivos, isto é o que nós somos!
Eu tb faço tudo com MUITA antecedencia.
Por esta razão é que a Tap nos despachou para a primeira classe.
Reservei os assentos em Maio e a viagem foi em Novembro;eles mudaram o equipamento e os assentos
cairam.
Chegamos 3 horas antes do embarque, apresentei
meu cartão de membro vitoria a atendente olhou a papelada e disse : vou tentar o milagre das rosas, e ficou me contando a historia enquanto falava ao telefone;entregou os cartões de embarque e só ai
que caiu a ficha , que 3A,3B eram na primeirissima
classe.
Tenho que agradeçer a Varig, que já estava mal no inicio de 2005 o que me levou a transferir tudo para
a Tap.
21:20 | Unregistered Commentersylvia
Parabéns pelas fotos. Achei ótimas. Ah, gostei também da dica do seatguru.com Bacana. Não conhecia.
Arnaldo

Estamos aguaradando o proximo capitulo.... Mas, como sempre um texto de alto nível para quem já foi, para quem quer ir, e para quem pretende voltar....
21:27 | Unregistered CommenterErnesto
Ah,e e´claro, belas fotos....
21:27 | Unregistered CommenterErnesto
Obrigado a todos pelo apoio e comentários. Agradeço sinceramente. Isso dá desejo de caprichar cada vez mais.
9:40 | Unregistered CommenterArnaldo
Eu já pressentia que ia ficar morrendo de vontade de voltar a Lisboa... Pois dito e feito!
16:07 | Unregistered CommenterCarla

Todas as suas descrições e fotos são maravilhosos nos faz reviver os lugares inequecíveis de cada viagem pela Europa ,em particular Portugal -Lisboa.

23:19 | Unregistered Commenterneusa m

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.