CONHEÇA O AUTOR

          

         Depois de estabelecer-se na Internet, desde 1999, escrevendo relatos de viagens em sites relacionados com o tema, e em 2006 ter fundado o blog Fatos & Fotos de Viagens - um dos pioneiros da blogosfera de viagens - Arnaldo foi convidado a colaborar com matérias na Revista Viagem & Turismo (Editora Abril). Agora, está preparando o lançamento de seu primeiro livro - "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia" - ingressando na literatura com um livro encantador que, segundo o autor, é o primeiro de uma série.

Assim o autor define esta sua nova fase:

             "Livro é coisa séria. O que o leitor encontrará em "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia" é diferente do que lê aqui no blog. Da narrativa ao estilo. Em vez de uma conversa baseada na informalidade, o livro mistura traços de coloquialidade e informalidade com uma escrita literária. Sobretudo com profundo respeito à arte de escrever. Passo a ser um escritor, o que nada mais é do que uma outra maneira de me expressar sobre viagens e de transmitir ao leitor minhas impressões. Segundo o poeta e ensaísta norte-americano Henry David Thoreau, "Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vida a partir da leitura de um livro". A partir deste meu primeiro livro escrito, considero ter ingressado numa nova, deliciosa fase em minha vida.

Gente que escreve e encanta, fala sobre o autor:

Haroldo Castro:

            "Arnaldo é um dos viajantes equilibrados e sensatos que se lança escritor, o que, num Brasil de pouca leitura e onde a Literatura de Viagem não chega a ocupar meia estante nas livrarias, conta histórias que servirão de grande subsídio para qualquer leitor, além de ajudar a romper os preconceitos de que a África só oferece guerras, doenças e fome. Infelizmente, a riqueza cultural e natural do continente é quase sempre tão abafadas por notícias negativas que considero este livro um raio de luz na região."

Jornalista, fotógrafo, autor de “Luzes da África”, indicado para o Prêmio Jabuti 2013 na categoria Reportagens

Ronize Aline:

            "Minha opinião sobre o autor está refletida na resenha que escrevi de seu livro "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia": ele escreve com o coração e demonstra respeito por tudo o que viu. Este livro, mais do que o relato de uma viagem à Etiópia, é uma viagem rumo a uma experiência de imersão e contemplação do outro. É como olhar para o diferente sem estranhamento ou indiferença."

Escritora, tradutora, jornalista, professora universitária e crítica literária do jornal O Globo, do Rio de Janeiro

Rachel Verano

             "Neste livro, Arnaldo tem o poder de nos transportar a um dos cantos mais fascinantes e ainda intocados do planeta. Mas de maneira ao mesmo tempo delicada e profunda, pessoal, criando intimidade com os personagens, deixando o leitor perceber cheiros, sabores e sentir as emoções de suas descobertas. Do peso do ar à alegria de dobrar a esquina, o autor consegue transmitir todo seu fascínio de estar diante de algo realmente novo."

 Jornalista passou pelas redações das revistas Viagem & Turismo, Veja, VejaSP, Glamour, TAM e Vamos/LATAM

Davi Carneiro

             "Há uma frase atribuída ao grande viajante do século 14, talvez o maior escritor-viajante de todos os tempos, Ibn Battuta: “Viajar, primeiro te deixa sem palavras, depois te transforma num contador de histórias.” Suspeito, caro leito, ser este o caso do Arnaldo, um autêntico viajante que vem se mostrando, cada vez mais, um talentoso contador de histórias. Conheço-o e o sigo desde 1996, através do seu blog, aquele que, na minha opinião, é um dos melhores de viagens da internet brasileira, tanto pela excelência fotográfica quanto pela qualidade dos textos. Com um currículo andarilho de respeito (mais de 60 países, entre eles Quirguistão, Miamar, Irã e Uzbesquistão), Arnaldo tem o mérito de ir na contramão da blogosfera profissional e monetizada: de maneira simples, autêntica e independente, preza, principalmente, a credibilidade e a confiança de seu leitor." 

 Escritor, jornalista e colaborador de diversas revistas nacionais e estrangeiras

COMENTÁRIOS
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« Washington, DC: Memorial da Segunda Guerra Mundial | Main | Washington, DC: a “Cidade Museu” - Os Museus Smithsonian »
Terça-feira
Jul172007

Washington, DC: A Casa Branca que era cinza

A Casa Branca, sede oficial do Poder Executivo do governo dos Estados Unidos da América e residência oficial do Presidente da República, talvez seja um dos maiores ícones de Washington - DC, um dos edifícios mais reconhecidos no mundo, que fica no número 1600 da Pennsylvania Avenue.

Washington%20DC%20Casa%20Branca%201.jpg

Vista aérea da Casa Branca (tomada do Washington Monument, o obelisco)

Além de escritório e residência dos presidentes, a Casa Branca é uma referência de governo que figura até no verso da nota de 20 dólares norte-americanos.  A propriedade pertence ao National Park Service, o órgão federal que administra todos os parques nacionais e monumentos da América. Sob esse ponto de vista a casa é oficialmente denomidada  President's Park".

Washington%20DC%20Casa%20Branca%202.jpg

A Casa Branca que era cinza.

O que poucos sabem é que a residência oficial do presidente dos Estados Unidos, a famosíssima "Casa Branca" era originalmente cinza.  Ela só foi pintada de branco depois de ter sido queimada pelos ingleses na guerra de 1814, quando até então era naquela cor. O nome "Casa Branca" foi, a partir daí, dado pelo presidente Theodore Roosevelt.

Theodore%20Roosevelt.jpg

Theodore Roosevelt

A Casa Branca basicamente tem em seu interior os seguintes compartimentos: 132 salas, 35 banheiros, 6 depósitos, 412 portas, 147 janelas, 28 lareiras, 8 escadas, 3 elevadores, 5 chefs decosinha em tempo integral, uma quadra de tênis, uma pista de boliche, um cinema, uma pista de corrida e uma piscina. E recebe 5.000 visitantes por dia!

Washington%20DC%20Casa%20Branca%204.jpg

A Casa Branca foi construída depois da criação do Distrito de Columbia por um Ato do Congresso em dezembro de 1790. O presidente George Washington ajudou a escolher o local juntamente com o arquiteto urbanista Pierre L'Enfant, que já vimos antes, planejou e desenhou a cidade.

Washington%20DC%20Casa%20Branca%203.JPG

A Casa Branca com o Marine One, o helicóptero presidencial

O arquiteto da Casa Branca foi escolhido numa competição que recebeu nove propostas concorrentes. O arquiteto James Hoban, um irlandês, recebeu a honra especial de colocar a pedra fundamental em 13 de Outubro de 1792. A construção foi completada em 1 de Novembro de 1800, depois de 8 anos de construção, na qual foram gastos, em valores atuais, cerca de US$ 2,4 milhões.

Washington%20DC%20Casa%20Branca%205.jpg

A Casa Branca vista da Laffayette Square

Faça um tour fotográfico pelo interior da Casa Branca

White House "Winter Holiday" Tour

Fotografias de UrbanVagos

http://www.flickr.com/photos/urbanvagos/sets/1560178/show/

Foram o Presidente George Washington e o então Secretário de Estado Thomas Jefferson, em 1792, que abriram a competição entre arquitetos que desenhariam os dois mais famosos edifícios de todo o país: a Casa Branca e o Capitólio. Dizem que o próprio Jefferson competiu sob um pseudônimo, tendo perdido ambos.

George%20Washington.jpg

Para o desenho da Casa Branca o arquiteto Hoban inspirou-se nas vilas anglo-irlandesas Leinster House, em Dublin. Ainda que o Presidente Washington tenha mandado construir a Casa Branca, nunca a habitou. O Presidente John Adams, eleito em 1796, osegundo presidente americano, foi o primeiro a morar na casa oficial. Abigail Adams, esposa do Presidente Adams, conformou-se em viver na inacabada casa.

John%20Adams.jpg

John Adams

A esposa de John Adams, primeiro presidente americano a se instalar na Casa Branca, não encontrando sequer um varal para arejar os trajes da família, os pendurou em pleno Salão Leste, sendo o primeiro ato que tornou a casa algo menos presidencial e mais residencial, o que motivou as inúmeras modificações posteriores.

Limousine%20presidencial.jpg

Limousine presidencial - blindagem à prova de morteiro

O Presidente Thomas Jefferson, depois de mudar para a casa em 1801, também não se impresionou nem gostou dela por achá-la grande demais. Thomas Jefferson fez mudanças estruturais sob desenhos do arquiteto Benjamin Henry Latrobe, como a adição de alguns pavilhões e terraçosem ambos oslados do edifício.

Washington%20DC%20casa%20branca.JPG

A Casa Branca vista do National Mall

Com James Madison, o Presidente de 1809 a 1817, houve uma tentativa de incêndio pelos britânicos na Casa Branca, na Guerra de 1812. Ainda que o fogo não tenha consumido todo edifício por causa de uma providencial tempestade de verão, os estragos foram grandes. Após o incêndio, Madison trouxe o arquiteto Hoban de volta para restaurar a mansão, o que levou três anos. Foi durante essa restauração que o edifício foi pintado de branco e, mais tarde, adicionados os pórticos das alas norte e sul.

Washington%20DC%20Marine%20One.JPG

O helicóptero Marine One levantando vôo dos jardins da Casa Branca

Expansões e alterações também foram felitas pelo Presidente Theodore Roosevelt, que declarou a casa insegura para ser habitada por um presidente. Ele executou obras de remodelação neste sentido e alterou o ático do terceiro andar em quartos e salas habitáveis e adicionou o a um Executive Office e a East Gallery, separando a área de trabalho do presidente, da área familiar. Em 1909, o arquiteto Nathan C. Wyeth extendeu a asa de escritórios adicionando oque hoje é conhecido como Salão Oval da Casa Branca.

Penn%20AVE%20perto%20da%20W%20House.jpg

O endereço oficial da Casa Branca

Ainda que informalmente usado algumas vezes, foi o Presidente Theodore Roosevelt que oficializou o nome da residência oficial dos presidentes dos Estados Unidos como White House.

Penn%20AVE%20em%20frente%20W%20House%202.jpg

A bonita Penn Avenue, em frente à casa Branca

Finalmente, a maior renovação ocorreu durante o período do Presidente Harry Truman, que decidiu novamente que o edifício era inseguro e substituiu alguns detalhes de fachada, como painéis e janelas, adicionando um balcão (sacada) ao Pórtico Sul. De todo modo, as modificações semrpe foram feitas de maneira cuidadosa, preservando um dos símbolos máximos do povo americano e sua presidência. A White House, é um símbolo arquitetônico que significa a residência presidencial e o exemplo dos ideiais norte-americanos de liberdade e justiça.

_NIK4635.jpg

Quanto mais perto da Casa Branca, maior a segurança

A White House fica na 1600 Pennsylvania Ave., NW.  Os tours organizados são limitados a grupos de 10 pessoas e são reservados com antecedência de cerca de um mês. Os self-guided tours infelizmente não são mais possíveis sem marcação com muita antecedência, portanto será impossível pensar em visitar a cidade e conhecer a Casa Branca por dentro.

Washington%20DC%20segurana.jpg

Até mesmo cães policiais farejadores de explosivos fazem a segurança das imediações

 

Reader Comments (7)

Arnaldo,
vi seu comentario no VnV. Sem bem porque voce não está no clima... Não quero mais polemizar no blog do Ricardo. Acho que aluguei muito o espaço ontem, mas visto que a militância petista é tão atuante, acho que é necessário que os demais também atuem. Entrei aqui para deixar o link para o protesto da Rede Record. Dá uma olhada lá:
http://www.rederecord.com.br/home.asp

Abraço,
Lena

11:29 | Unregistered CommenterLena

Você sabe informar como eu faço para agendar os tours guiados pela Casa Branca? Dá para fazer isso pela internet?

13:36 | Unregistered CommenterLeandro

SEI informar:

"O medo de atentados, o excesso de turistas e a posse de Barack Obama transformam em aventura a visita à Casa Branca. Os quarteirões próximos ao local mais vigiado e observado do mundo estão bloqueados. A polícia se mostra presente de forma ostensiva. Ultrapassar barreiras, mesmo que seja a pé e acompanhado de crianças, valerá uma bronca."

"E é bom saber que o passeio precisa ser reservado com bastante antecedência. Tours guiados só estão disponíveis a partir de junho. Se você não achar as explicações tão imprescindíveis assim, a autorização para a entrada pode sair em 30 dias. As visitas ocorrem de terça a sexta-feira, das 7h30 a 12h30."

FONTE: Wilson Baldini Jr. - O Estado de S.Paulo

SITE da Casa Branca: www.whitehouse.gov;
tel.: (00--1-202) 456-7041.
A entrada é gratuita

15:08 | Unregistered CommenterArnaldo

Conhecer a casa branca é um sonho, e apertar a mão do presidente da maior potência mundial torna-se algo sem precedente emocional para qualquer ser humano. Se eu conseguisse um contato com o presidente teria algumas perguntas a fazer pois se existe alguem que tem um grande conhecimento sobre o futuro real da humanidade é este homem.E que o mestre Jesus o abençoe e lhe de o equilibro necessário para bem encaminhar o futuro da humanidade.

Uma Belíssima MANÇÃO....DÍGNA DA PESSOA QUE A OCUPA. PARABÉNS...

OI ADOREI GOSTARIA DE CONHESSE O PRESIDENTE

15:58 | Unregistered CommenterBÁRBARA

Casa Branca muito bonita e luxuosa. Parabéns cidadãos Norte Americano.

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.