MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« Dubai: “Falando” árabe | Main | Dubai: Sheikh Saeed al-Maktoum House »
Segunda-feira
Ago272007

Dubai: Madinat Jumeirah - Operação plástica nas 1001 Noites 

DUBAI%20Madinat%20Jumeirah%2001.jpg

Jumeirah é um bairro em Bur Dubai, lado da cidade que se extende por dez quilômetros, de Satwa até Umm Suqeim. Traduzindo literalmente, jumeirah significa `brasa ardente`. Tudo a ver!

Clique nas fotos abaixo para vê-las em tamanho maior

493463-998415-thumbnail.jpg 493463-998418-thumbnail.jpg 493463-998420-thumbnail.jpg

Nos primórdios, Jumeirah era uma vila de pescadores. Hoje uma área residencial altamente valoriazada e desejada. A Jumeira Beach Road e a AI Wasl Road são as avenidas principais, sendo a Jumeira Beach Road uma larga via com shopping malls e grandes lojas, mesquitas, parques aquáticos...

DUBAI%20Madinat%20Jumeirah%2005.jpg

... salões de beleza lojas de flores e de automóveis, restaurantes e cafés, além da famosa Jumeira Mosque, localizada bem no começo da Beach Road, a maior e mais bonita mesquita da cidade.

 Clique nas fotos abaixo para vê-las em tamanho maior

        493463-998425-thumbnail.jpg         493463-998428-thumbnail.jpg

Entre a AI Wasl Road e a Sheikh Zayed Road há um parque de 51hectares, um oásis denominado Safa Park, especialmente usado nos feriados para atividades familiares e esportivas ao ar livre, com diversas auqdras de tênis, churrasqueiras, pistas de jogging e áreas cobertas com uma fonte central.

DUBAI%20Madinat%20Jumeirah%2008.jpg

Neste bairro ficam o complexo Madnat Jumeirah, o Burj al Arab, o Souk Madinat com seus canais “venezianos” em estilo “las veguiano”, fake, mas admito, deliciosamente atraente, um oásis para se comer, passear, comprar e, finalmente, hospedar.

Clique nas fotos abaixo para vê-las em tamanho maior

         493463-998434-thumbnail.jpg         493463-998439-thumbnail.jpg

O Souk Madinat é basicamente a reconstituição de um mercado original de Dubai, o Old Souk, que fica em Deira, perfeitamente reproduzido em sua arquitetura, ornamentação e conceito.

DUBAI%20Madinat%20Jumeirah%2011.jpg

É como se tivessem feito uma cirurgia plástica, um face lift, um retrofit no antigo souk. É lindo, gostoso, mas os puristas dirão que não é real. Não é, de fato, mas é cópia do autêntico na terra deles. Tem um forte "Disneyland-feeling" o Souk Madinat, mas é um boa visita estando em Dubai.

Clique nas fotos abaixo para vê-las em tamanho maior

493463-998453-thumbnail.jpg 493463-998456-thumbnail.jpg 493463-998473-thumbnail.jpg

Para alcançar os vários restaurantes ao longo do canal artificial ou mesmo passear pelo complexo hoteleiro, é possível fazer um passeio de abra (os tradicionais táxi aquáticos do Dubai Creek). É claro que a sensação de navegar num abra verdadeiro no Dubai Creek, ligando Deira a Burj Dubai.

DUBAI%20Madinat%20Jumeirah%2016.jpg

Eu recomendo uma visita à noite, quando todo o complexo tem um outro impacto visual, bastante diferente de quando está com sol. As luzes e reflexos destacam certos detalhes arquitetônicos daquilo que tenta reproduzir um pouco da herança cultural árabe, meio exótica, meio mística.

         493463-998483-thumbnail.jpg        493463-998486-thumbnail.jpg

Podem até considerar o Souq Madinat Jumeirah para compras uma “tourist trap”, já que tudo que lá se econtra à venda – de souvenirs a pashminas indianas, de cerâmicas a artesanato - é bem mais caro do que nos souqs de Deira, tais como o Gold e o Spice Souk, o Textile Souk ou na Karama Shopping Strip, mas é muitio refrescante e com ótimos restaurantes asiáticos, italianos, indianos e de fast food.

DUBAI%20Madinat%20Jumeirah%2020.jpg

Os hotéis do complexo - Mina A' Salam, Al Qasr e Dar Al Masyaf – são novinhos. O primeiro deles foi aberto em 2003, o Mina A' Salam , que tem 292 apartamentos e suítes e é uma espécie de boutique hotel no autêntico estilo “old Arabia”, construído ao longo de uma espécie de porto nos canais construídos ao redor de todo o complexo, e com todos os apartamentos com vista para o azul do mar bem em frente.

 

DUBAI%20Madinat%20Jumeirah%2021.jpg

É um hotel cujo mar é o tema e seu nome significa Porto da Paz. Tem três soberbos restaurantes e cinco bares, varandas privativas em todos os partamentos e terraços em alguns deles.

         493463-998501-thumbnail.jpg        493463-998503-thumbnail.jpg

O Al Qasr é o “palácio” do complexo de Madinat Jumeirah, em estilo grandioso. São 283 apartamentos e são as mais luxuosas acomodações do complexo. Há unidades com 60 metros quadrados, chamadas de “houses”, com jardins e terraços privativos, todas acessíveis pelo canal.

DUBAI%20Madinat%20Jumeirah%2024.jpg

O Dar Al Masyaf tem quartos e suítes em estilo de casas de verão árabes, com jardins privativos.

 493463-998509-thumbnail.jpg 493463-998512-thumbnail.jpg 493463-998514-thumbnail.jpg

Relação das Lojas e Restaurantes do Madnat Jumeirah

http://www.madinatjumeirah.com/i/downloads/retailers.PDF

Souq Madinat Jumeirah

http://www.madinatjumeirah.com/shopping/

Mapa do Complexo (em PDF)

http://www.madinatjumeirah.com/i/downloads/Madinat_Map.pdf

Resorts do complexo: Mina A' Salam, Al Qasr, Dar Al Masyaf

http://www.madinatjumeirah.com/the_resort/

DUBAI%20Madinat%20Jumeirah%2032.jpg

Reader Comments (27)

Arnaldo, teve oportunidade de alguma refeição mais exótica lá?
11:13 | Unregistered CommenterArthur
Não, Arthur, definitivamente fui extremamente comportado na alimentação. Por falta de oportunidade e cansaço mesmo. Nenhum ânimo pra sair de noite mais arrumado (depois de um dia estafante "turismando" sob 48 graus). Nem mesmo no Madnat Jumeirah, onde há restaurantes menos convencionais do que italianos (indianos e tailandeses, por exemplo) me animei. Especialmente por dois motivos: eu como de tudo, mas minha mulher não, além de vegetariana, tem uma alimentação extremamente restrita, por opção. Assim, em geral, só em restaurantes mais ocidentais (italianos e franceses, por exemplo) me aventuro. O lugar mais bacana que comi em Dubai foi num reataurante italiano meio americanizado mas muito gostoso lá mesmo no Madnat Jumeirah. O mais inusutado foi num BOTECO (sem tirar nem pôr!) no Souq do Ouro, em Deira, a parte mais antiga e tradicional da cidade, mais aprecida com o Cairo. Eram três horas e as lojas todas do souq fecharam para a sesta (reabririam à cinco da tarde e ficariam abertas até oito da noite). Eu estava faminto e nada havia aberto. Entramos eu e minha mulher numa ruela estreita e no único lugar pra comer que avistamos e foi...DELICIOSO! Comemos sanduíchs inacreditáveis, inclusive um vegetariano que minha mulher jamais se esquecerá.A fome é tudo!
Oh! Arnaldo ¡Qué fotografías más espléndidas!.

El sol siempre ayuda a potenciar los colores. Arnaldo su cámara fotográfica debe ser estupenda, pero su mirada es mejor.
12:31 | Unregistered CommenterCarmen
Olá, Carmen. Bem-vinda!, de volta à Espanha e ao Fatos & Fotos de Viagens!

Sim, com sol tudo se torna mais fácil e os resultados fotográficos ficam bem melhores, independentemente do fotógrafo ou do equipamento.

Fotografia é - fundamentalmente - registro de luz. Consequentemente, quanto MENOS luz, mais difícil fica registrá-la fotograficamente.

Em algumas fotos usei um filtro polarizador circular, que basicamente é um filtro que se pode girar e mudar o ângulo de incidência dos raios solares (e da luz) na lente e reduz ou acentua reflexos, destaca ou atenua cores e nuvens, acentua contrastes, entre outros efeitos.

Eu não faço pós-processamento nas minhas fotos, a não ser um ou outro ajuste de contraste, crop (corte) e correção de aberração de lentes grande angulares. Essas correções evitam aquelas fotos em que os prédios parecem estar caindo, tombando, inclinados. Quanto mais angulares (abertas) as lentes, mais distorção haverá. Assim, uma ligeira correção através de um desses programas domésticos ou profissionais de computador, trazem a realidade do que o olho humano (esse sim, perfeito!) viu e a câmera registrou.

A câmera fotográfica, o conjunto de lentes, o domínio mesmo que parcial do equipamento e alguma técnica ajudam MUITO. Mas, na minha opinião, o que vale mesmo, no fundo, é o "olhar" do fotógrafo, seu gosto pela fotografia.
Arnaldo, passei para dizer que essas fotos deixam qualquer um com vontade de ir conferir de perto! E blogar "ao vivo" que experiencia heim! Um abraço.
12:59 | Unregistered CommenterPatsy
Obrigado, PATSY, pela visita e pelo comentário. Volte sempre! Eu já voltei também.
Arnaldo,

Posso estar enganado, mas parece que essa viagem te deixou muito empolgado, talvez uma das melhores realizadas recentemente.

Se não foi para você, com certeza foi para nós que viajamos a reboque.
13:40 | Unregistered CommenterRodrigo
BINGO, Rodrigo!
Faltou um passeio pelo deserto. Afinal com tanto calor na cidade ... :-)
20:10 | Unregistered CommenterIzabel
Eu ia falar o que o Rodrigo ja falou... Mas, para sermos modestos, acho que o prazer de compartilhar a viagem com nós os seus amigos virtuais torna ela ainda mais rica e interessante, certo?
0:01 | Unregistered CommenterErnesto
CERTO, certíssimo, Ernesto. Há TRÊS coisas deliciosas, no MEU entendimento, em relação a viagens: 1- PLANEJAR. É quase tão bom quanto FAZER a viagem; 2- VIAJAR. E curtir aquilo que pesquisamos e planejamos, surpreendendo-nos, mesmo com todo o planejamento; 3- COMPARTILHAR. Fotografar, escrever e publicar é delicioso. Melhor aidna é etr a visita e os comentários elogiando tudo!
IZABEL, o passeio pelo deserto será a próxima matéria. Aguarde!
Ai, Arnaldo, você está dando uma vontade boa na gente!
Arnaldo, você chegou a ir naquele complexo de ski indoor que sempre sai na televisão? Sempre achei o máximo do absurdo ski no deserto ;-)
Sim, o Ski Dubai é dentro do shopping "Mall of Emirates" e dá pra se ver pelo vidro, sem ter que entrar. Ao pousarmos no aeroporto de Dubai já dá pra ser ver a estrutura...

Mais tarde eu escreverei algo a respeito.
Arnaldo,

Su blog es mucho mejor que cualquier guía, actualmente, publicada sobre Dubai.
La persona que quiera conocer bien el país, sólo tiene que consultar su página Fatos & Fotos de Viagens y podrá viajar sin ningún contratiempo por las calles de Dubai.

Sólo por curiosidad...¿Cuántas fotografías hizo en total, en Dubai?.
Ate logo.
8:20 | Unregistered CommenterCarmen
Carmen, GRACIAS por tu visita!

Normalmente faço cerca de 1000 fotos por viagem, podendo chegar até a mais que isso. A GRANDE vantagem das digitais é exatamente esta: não custa nada sair fotografando. Antes de viajar eu organizo um arquivo no meu computador com o destino, as cidades e as respectivas datas. Saio fotografando sem culpas por "gastar" espaço e de noite passo tudo para o computador. Quando retorno, faço uma seleção criteriosa de todas as fotos, crio um "Álbum" daquela viagem, faço correções e algum pós-processamento e, finalmente elimino, jogo fora as ruins. Isos dá em média 500 fotos por viagem. Mas a minha mulher TAMBÉM adora fotografar e acaba que a soma total chega a 800 a 1500 fotos popr viagem. Mantenho no computador apenas a última viagem e a seleção final, pra ir usando no blog e tudo mais que faço com as fotos. Também publico no Flickr (um álbum virtual) para poder ilustrar melhor o blog e compratilahr com vocês, com amigos e com a família. Finalmente, depois de algum tempo, retiro-as do meu computador e as armazeno num HD (Hard Drive).

Abraço!
Arnaldo,por acaso entrei no google para ver preço de hotel em Dubai,pois vou em dezembro passar quatro dias e depois jakarta.Adorei suas informações,voce é melhor que a revista VIAGEM.As suas informações foram valiosas.abraços
1:13 | Unregistered Commenterloudinha

Olá Arnaldo.
Preciso te contar que os clientes que eu atendo como guia de turismo, vindos do Brasil, estão amando tudo porém o fato de Dubai ser excelente para ceneção de outros destinos acaba fazendo com que a permanência seja de no máximo cinco dias e é a maior correria. Impossível curtir Dubai em menos de 10 dias. Eles alegam que todos informam que para conhecer Dubai bastam 5 dias e o que acaba cooperado para esta permanência pequena é o visto de 96 horas que é mais simples. Gostaria muito de deixar registrado aos futuros turistas que 10 dias é o mínimo para se conseguir curtir sem correria. E olha que moro aqui já fazem dois anos! Estão sempre inovando. Esta terra não para e para ter uma noção: minha casa tem dois anos e meio e vai ser demolida para dar lugar a um mega projeto!
Um grande abraço. Solange -
Email- Solangebarros@globo.com ( meu contato)

Bom dia,
estou indo para Dubai agora no carnaval e sua matéria está maravilhosa.
Gostaria de saber se é melhor visitar o Madinat Jumeirah ou o Burj Dubai. E o chá da tarde do burj al arab vale a pena ou tem outro melhor?
Obrigada
Daniela

DANIELA, ambos valem a pena uma visita. Não deixe de ir aos dois. Não sei desse chá da tarde, mas se for no Burj, certamente será bom.

10:54 | Unregistered CommenterArnaldo

Arnaldo já visitei varias vezes suas dicas, porque eu e meu marido adoramos viajar, mas realmente essas de Dubai são descrições que nos fazem parecer que estamos lá.
Parabéns mesmo por essa facilidade que vc tem de nos transportar até os destinos por vc visitados. Por favor me diga o que vc acha melhor fazer em 4 dias em Dubai? Vc acha que o passeio 4X4 vale a pena?
Obrigada Selma

SELMA, obrigado. Sim, o passeio de jipões 4X$ é uma das atrações mais top de Dubai. Vale a pena sim.
Eu publiquei uma matéria exatamente sobre esse passeio. Clicando no título desta matéria (ou de qualquer outra) abrirá uma janelinha superior, abaixo do banner do blog, com uma setinha pradireita e outra pra squerda, om os respectivos nomes das matérias seguinte e anterior. Vá clicando até encontrar o título dela, "Off road arábico".

14:17 | Unregistered CommenterArnaldo

Além de maravilhosas suas matérias vc é muito prestativo e rápido...perfeito!!!!
Qdo voltar farei comentários sobre a viagem. Ah e pra não perder o costume de perguntar vcs já foram até Maldivas? porque nossa viagem vai ser até lá e Hong Kong
que por sinaltem poucas coisas boas como as suas dicas.
Abraços e muito obrigada Selma

Arnaldo, já li todos os seus posts sobre Dubai e cada vez estou mais indecisa qto à melhor região para me hospedar. Ficarei somente 4 dias. Tinha pensando em ficar em Jumeirah Beach. Mas às vezes acho que em Deira ou Bur Dubai estaria melhor localizada... O que vc sugere?
Abraços,
Laura

23:19 | Unregistered CommenterLaura

Laura, eu acho que esta é uma questão pessoal e de disponibilidade financeira, assim como também de gosto por hospedar-se em maior ou menor conforto. A localização em Dubai é uma questão complexa, pois seja em qual lugar ficar, estará distante de tudo o que tem para visitar. Por exemplo, se ficar em Jumeirah estará bem junto ao mar e aos resorts de luxo e ao Madinat Jumeirah, todavia longe de Bur Dubai e Deira.

O que eu sugiro vc a fazer é tentar conciliar o lugar onde ficará com aquilo que pretende fazer, e imaginar os deslocamentos. Se tiver dúvidas ainda assim, sugiro ficar no meio.

Ola, Arnaldo

Parábens pelo Blog!!!!

Comecei a consultar o seu blog devido a minha viagem que vou fazer para Tailandia em maio de 2013 e na volta ficarei mais 10 dias em Dubai, cidade que ja visitei em 2012 e que adorei tanto...estou voltando e não pude deixar de aproveitar a suas dicas juntos com as minhas que ja tenho!!!!
Danilo Rezende

Abraços

18:11 | Unregistered CommenterDanilo

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.