MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« Tailândia, Terra do Sorriso | Main | Tailândia: Bangkok - กรุงเทพมหานคร- Krung Thep Maha Nakhon »
Quarta-feira
Abr022008

Tailândia: Bangkok, puro êxtase asiático!

BANGKOK%201%20%20Blog%20001.jpg

Uma das inúmeras imagens espetaculares de Buda, este Buda sentado fica numa das quatro “capelas orientais” (Phra Chedis)

do templo Wat Phra Jerupon (mais conhecido como Wat Pho)

___________________________________________________

              HÁ um termo que exprime muito bem o que um viajante preparado pode experimentar ao explorar Bangkok: êxtase. Êxtase asiático, puro êxtase dos sentidos. 

              BANGKOK é mesmo como uma jaca:  assim como a fruta, ela deve ser "descascada".  Não, não se deixe iludir pela eventual primeira impressão externa da casca e do odor. As aparências, por vezes quase repugnantes, de certo que enganam:  o interior será sempre delicioso e exótico. 

              PARA serem descobertas todas as suas preciosidades, tanto Bangkok quanto a fruta precisam ser vistas por dentro.  É ali que estão todas as suas potencialidades.

             APENAS assim percebemos que sob aquela aparência feiosa e de cheiro forte encontra-se um interior de polpa macia e fina, de textura delicada, de requintado, apurado, exótico sabor.  Talvez por isso mesmo ambas sejam assim tão protegidas por uma casca tão grossa, espinhuda. 

493463-1463308-thumbnail.jpg 493463-1463318-thumbnail.jpg 493463-1463331-thumbnail.jpg

As frutas são fantásticas e impressionam pela qualidade e exotismo

               BANGKOK tem ruas com cheiros de várias tonalidades. Dos mais sutis aos mais acres.  Tem vendedores de rua que oferecem comida misteriosa, espetinhos com carnes estranhas, insetos nem tanto, macarrões esquisitos e refogados desconhecidos, fumegantes, borbulhantes.  Tem escapamentos soltando fumaça, tem humidade, tem calor. Tem o calor humano e do ambiente.   Tem um rio com água marrom, no qual boiam algas, algum lixo e embarcações que carregam os discretos "thais" (locais) e espalhafatosos "farangs" (estrangeiros). 

              NUMA das estações, ou piers, enquanto espero o meu barco, observo as pessoas saltarem nas docas e seguirem seus rumos.  Percebo que suas peles brilham mais do que seria normal. Imagino que deva ser fruto de uma natural combinação de suor, luz solar e da cor naturalmente bronzeada do povo tailandês.   Vejo também a água marrom do rio bater nos cascos das embarcações e o lixo seguindo seu rumo rio abaixo.  Mais atentamente observo que a pele dos "farangs"  brilha mais do que a dos tailandeses. Creio que seja o resultado da mistura química de suor com filtro solar, sob a mesma incidência de raios solares que teimam em penetrar numa atmosfera quase sempre cinzenta e poluída. 

               ESSE rio - que leva água, barcos, pessoas e outras coisas que boiam - é sem dúvida a melhor "avenida" de Bangkok.  Os barcos que nele navegam serão sempre a melhor opcão de transporte.  Seu nome é Chao Phraya. Para os locais, Rio dos Reis. E observá-lo ao fim do dia é algo inesquecível e marcante.

 

__________________________________

Bangkok é mesmo um êxtase. Vá a Bangkok . Ela roubará seu coração

Habilite o som de seu computador e ouça a “trilha sonora” deste capítulo:

A música  "Above the treetops"  é  baseada num coral de crianças vietnamitas

e numa canção folclórica asiática. O  Álbum é "Secret Story", do Pat Metheny Group. 

___________________________

Bangkok%2021%20Fev%202008%20Sexta%200514.JPG

              

Conhecendo Bangkok

Neste capítulo:

Os Bairros da Cidade, O Lay out de Bangkok, Os Transportes, O Clima, O Dinheiro, Os Shopping Malls,

O nome das ruas e os endereços, Como ir do Aeroporto à Cidade,

Navegando pelo Rio Chao Phraya, Os Klongs (Canais) de Bangkok,

A lendária Khao San Road, Hospedagem em Bangkok,

“Falando” tailandês, Quando ir (o clima),  O que vestir e usar, Trânsito de Bangkok – Um entrave ao turista

_____________________________________________

               A cidade tem a maior concentração de hotéis de luxo do sudeste asiático mas o visitante não encontrará dificuldade de hospedagem para qualquer orçamento. As opções são muitas para todas as categorias, dos mais luxuosos hotéis que se podem encontrar (e saiba que "luxo asiático" é uma categoria quase sempre superior à "luxo ocidental") aos centenas de hotéis econômicos para os mochileiros. Desde as margens do Rio Chao Phraya até a área da Khao San Road, passando pela região dos hotéis de cadeias internacionais e mais voltados para executivos, aos mais luxuosos hotéis-design.  Lugar para dormir em Bangkok definitivamente não é problema, seja lá qual for seu estilo, orçamento, orientação e gosto.  Aliás, para dormir e para comer, decididamente Bangkok é um êxtase e proporciona grande dificuldade para escolhas, tal a diversidade e a quantidade de meios de hospedagem e lugares para comer. Neste particular - a comida e comer -  tudo se repete como na hotelaria: há opcões para todos os níveis e gostos.  

               BANKOK é também segura. Os visitantes devem tomar cuidados naturais como em qualquer metrópole do mundo, especialmente com relação a batedores-de-carteiras e apenas nas regiões onde possa haver grande concentração de turistas. Nada mais do que isso.  Você pode andar com segurança e tranquilidade se tomar todas as precauções mais do que óbvias: cuidados com as bolsas (dê preferência a mochilas) e com batedores de carteiras, evitar jóias em excesso, enfim, prodecer discretamente e com naturalidade sem ostentar.

BANGKOK%201%20%20Blog%20004.jpg

O Rio Chao Phraya revela a verdadeira Bangkok, tanto em suas margens quanto em seus canais

_______________________

O Layout da Cidade

Situando-se no MAPA (atrações, shoppings e hotéis)

http://www.at-bangkok.com/map_google.html

               BANGKOK é dividida em 5 áreas geográficas urbanas principais: Riverside, Siam, Silom e Sukhumvit o “downtown” da cidade; Ratchadapisek e Ramkamhaeng, ao norte; Bangna Trad, ao sul, e a área do aeroporto, ao longo da Viphavadee Road.  Essas áreas, por sua vez, são divididas em outras menores.  Nos endereços abaixo você encontra três mapas diferentes da cidade e neles encontram-se as principais atrações e shoppings. São bastante úteis e fáceis de usar:

Mapas de Bangkok

http://www.bangkokbob.net/city_map.htm

http://bangkok.sawadee.com/map/

http://www.bangkok-maps.com/frameme.php?page=bangkoksilom.htm

 Para encontrar um endereço no Mapa em Bangkok

http://www.multimap.com/maps/#t=l&map=13.7308,100.52237|15|4&loc=TH:13.7308:100.521:14|%2010110%20Bangkok%20%20|Bangkok,%20Krung%20Thep%20Mahanakhon,%20Thailand,%20Krung%20Thep%20Mahanakhon

Mapa de Bangkok em alta resolução

http://www.bangkokbob.net/bangkok_map.htm

BANGKOK%201%20%20Blog%20046.JPG

Templo de Mármore

               SILOM, ao longo da Sathorn Road, constitui-se no Central Business District de Bangkok, onde ficam grandes corporações e embaixadas.  Lumpini Park  é uma grande área verde bastante agradável – o equivalente ao Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, ou ao Parque Ibirapuera, em São Paulo.  À noite a Silom vira uma área de mercados e bazares.  Na extremidade de Silom fica Patpong, a área dos inferninhos de shows eróticos, ou “red light district”.

BANGKOK%201%20%20Blog%20048.jpg

Uma das estações finais de uma ds linhas do Sky Train

               TAMBÉM na área central de Bangkok fica a Siam Square, a região mais tipicamente tailandesa para compras da cidade. Pratunam, vizinha a Silom, tem vários shopping malls. Sukhumvit é uma área de grandes e modernos hotéis internacionais e também bairro da vida noturna. Riverside é a área da cidade que mais reúne atrações interessantes, quer por uma simples viagem de barco pelo rio, quer pelos hotéis mais caros e famosos da Tailândia, como o The Oriental.  A área de Sanam Luang, dentro da área de Riverside, é aquela onde está localizado a maior atração turística de Bangkok, o Grand Palace, entre outras, a chamada “Old City” ou Rattanakosin.

BANGKOK%201%20%20Blog%20008.jpg

O melhor meio de transporte público em Bangkok (as linhas de barcos) na melhor  "via pública" da cidade, o Rio Chao Phraya

               SUKHUMVIT: a Rua Sukhumvit é muito longa e num dado ponto vira Rua Ploenchit e depois, Rua Rama I. A Sukhumvit Road estende-se de Central Bangkok até os subúrbios, começando em Ploenchit Road e terminando para for a dos limites da Capital. Esse bairro é o centro comercial, com os principais shoppings e com bom número de hotéis. O Bairro de Silom, ao sul de Sukhumvit, fica perto de Thanon Silom e da Rua Sathorn. É o centro financeiro do país, durante o dia, de noite o lugar para sair e beber. Rattanakosin fica no trecho entre o rio e Sukhumvit, considerado a “Velha Bangkok”, e onde estão os wats mais famosos, o Yaowarat (ou Chinatown) e lugares ao longo do Rio Chao Phraya integram essa área.

BANGKOK%201%20%20Blog%20002.JPG

A delicadeza está também nos mínimos detalhes

               A "mecca" dos mochileiros, a Rua Khao San e o bairro de Banglamphu ficam na parte norte de Rattanakosin. Thonburi é o lado mais tranquilo do Rio Chao Phraya e tem muitos canais e algumas atrações. Phahonyothin é área próxima à Rua Phahonyothin e à Rua Viphavadi Rangsit e onde ficam o Mercado Chatuchak e o Aeroporto Don Muang. Ratchadaphisek é o bairro ao norte de Sukhumvit e próximo à Ratchadaphisek Rd (uma parte da qual chama-se Asoke) e que se estende da Rua Phetchaburi até Lat Phrao.

Bangkok%20MAPA%20Old%20City%20-%20Atraes%201.jpg

Mapa das principais atrações turísticas a ver em Bangkok, com os nomes dos pier

_____________________________________

O nome das ruas e os endereços

               OS endereços em Bangkok usam o sistema tailandês, que pode ser um pouco confuso para os não iniciados.  Avenidas largas, como Silom e Sukhumvit, por exemplo, chamam-se thanon (ถนน) e normalmente abreviam-se para Th, assim como Av. está para "Avenida".  E são mesmo equivalentes às nossas "Avenidas". Já as ruas transversais que se ramificam dessas avenidas são chamadas soi (ซอย). As Sois não têm nomes, mas números como identificação. Eles são ímpares de um lado das avenidas e pares de outro.  Desta maneira, um endereço como "25 Soi Sukhumvit 3" significa o "25o. edifício da 3a. Soi da Sukhumvit Road".  Ainda que os números das soi sejam sempre crescentes, frequentemente eles podem não crescerem uniformemente em ambos os lados da rua. Ou seja, 55 Soi pode ser em frente a 36 Soi, mas normalmente seria 56 Soi.  E também alguns sois mais importantes  podem ter também um nome, além do número. Um exemplo é a Soi 3, a qual tem também o nome de Soi Nana. Um endereço pode ser, por exemplo, 25 Soi Nana (ou 25 Soi 3).   Já as ruas novas, criadas entre sois já existentes, chamadas trok (ตรอก), e levam uma extensão (/x). Um exemplo é a "Soi Sukhumvit 7/1"  (ou 7/2, 9, 11, etc.).

BANGKOK%201%20%20Blog%20043.JPG    BANGKOK%201%20%20Blog%20014.jpg

Ônibus e Tuk-tuk. O primeiro, transporte público, o segundo, quase que exclusiamente turístico

               PARA tornar as coisas ainda mais compexas algumas sois - como a Soi Ekamai (Sukhumvit Soi 63) e a Soi Ari (Phahonyothin Soi 7) têm suas próprias sois.  Nestes casos, "Soi Ari 3", por exemplo, significa “3o. soi da Soi Ari”.  E você pode também ter endereços como "68/2 Soi Ekamai 4, Sukhumvit 63 Road", o que significa "2a. casa junto ao número 68 da 4a. soi de Ekamai, 63a. soi de Sukhumvit".   Em alguns sois os números das casas não estão numa simples ordem crescente, ou seja, podem "expandir-se" para o em torno.    Para desnortear ainda mais os turistas que não lêm thai, as versões (ou traduções) em caracteres do alfabeto romano não são muito consistentes, confiáveis. Uma rua pode constar no mapa ou nas placas de rua com o nome de Phahon Yothin, Pahon YothinPhahonyothin ou Phaholyothin.   

BANGKOK%201%20%20Blog%20012.JPG

               E como se isso não bastasse nem fosse confuso o suficiente, algumas ruas muito compridas tendem a mudar de nome ao longo dela mesma, como ocorre com a Sukhumvit, por exemplo, que chama-se Sukhumvit num trecho, Ploenchit depois que ela cruza a Thanon Witthayu (popularmente chamada de Wireless), depois passa a chamar-se Thanon PraRam Neung (também chamada de Rama I) depois de cruzar a Thanon Ratchadamri.   E se você virar à direita na Ratchadamri, notará que em poucas quadras ela passará a se chamar Thanon Ratchaprarop (ou New Phetburi, que também vira Phitsanulok quando se aproxima do rio). Entendeu? Bem, não precisa ser um expert pra compreender que toda rua pode mudar de nome repentinamente, o que confundirá o turista.

BANGKOK%201%20%20Blog%20003.jpg

Um detalhe da face do Buda Ditado, no belíssimo Wat Pho

               O que recomendo é seguir o mapa com um sentido lógico de direção, sem preocupar-se tanto com os nomes.  E ter em mente que há um sentido lógico nessas mudanças, uma vez que algumas ruas são muito longas e passam por mais de um bairro, o que não seria lá muito lógico ter uma grande rua como a Sukhumvit passando pelo bairro do mesmo nome e depois continuar com ele quando passa pelo bairro de Ploenchit. Ali a  Sukhumvit passa a chamar-se rua Ploenchit.  Assim, tenha em mente que as ruas principais tendem a levar os nomes dos bairros, ou mesmo das vizinhanças mais importantes, como no caso de Pratunam e Chatuchak, por exemplo, que são mercados populares importantes, não exatamente bairros.

BANGKOK%201%20%20Blog%20010.jpg  BANGKOK%201%20%20Blog%20011.jpg

               A maior parte dos hotéis de 3, 4 e 5 estrelas de redes locais e internacionais, dos restaurantes refrigerados e dos shoppings ficam na área ao longo da Sukhumvit Road, uma espécie de hub turístico de negócios e lazer da cidade e onde os visitantes despendem a maior parte do tempo, tantp de dia quanto de noite, esta, particularmente ao redor de Soi Nana ('soi' = rua transversal) onde Nana Plaza é uma espécie de landmark.  Não, este não é o nome de um shoppig center, mas o red-light district de Bangkok.  Nana Plaza (oficialmente Nana Entertainment Plaza) fica em Sukhumvit Road Soi 4, defronte ao Nana Hotel. O nome “Nana” é proveniente da família proprietária da maior parte das casas do lugar e que tem influência na Tailândia.

BANGKOK%201%20%20Blog%20020.JPG

Um dos blíssimos budas dourados enfileirados do Wat Pho

              PODE ser o inferno ou o paraíso, dependendo do seu ponto-de-vista e do que procura. Mas deve ser visto. É uma área repleta de prédios de três andares que abrigam bares cujo sexo é o tema central, algo lúgubres e de onde se ouvem invariavelmente música eletrônica estilo psicum-papum-psicum-papum e garotas go-go nas portas oferecendo os serviços dos bares e, creio eu, delas próprias.

A área da Sukhumvit Road e da Silom Road

               Sukhumvit Road está para o turismo internacional de quatro e cinco estrelas assim  como a Khao San Road está para os albergues e turismo mochileiro, mas a importante e lonmga avenida e suas ruas transversais (sois) congregam o maior conjunto de hotéis da cidade, asism como restaurants, casas noturnas suspeitas e insuspeitas e shopping centers.Alguns dos destaques em termos de hotéis são da mesma rede (Starwood): Sheraton Grande e Westin Grand, já em termos de restaurante, no estilo thai tente o Baan Kanitha (Soi 23) e Lemon Grass (Soi 24), mas também outros de especialidades italiana, francesa e de frutos do mar.  À noite o mercado informal toma conta das calçadas vendendo de tudo, coisas que valem e não valem a pena.

BANGKOK%201%20%20Blog%20041.JPG

Monges no Grand Palace

          É fácil encontrar produtos como T-shirts por cerca de US$2,  gravatas de seda por  US$3,  meias por US$1, pinturas tailandesas por US$10. Os preços são baratos porque a qualidade equivale a eles.     Eu recomendo ficar na Sukhumvit Road em sua hospedagem em  Bangkok por ser conveniente, movimentada, ter bom comércio e restaurantes, transporte público e variadas e boas opções de hospedagem.     

BANGKOK%201%20%20Blog%20045.JPG

Detalhe de um dos sinos de uma fileira. Eles soam ao vento e preenchem o silêncio do pátio iterno do Templo de Mármore

            Como ir do Aeroporto à Cidade

               EU recomendo vivamente que chegando em Bangkok você opte por um traslado particular desde o aeroporto até seu hotel. Eles podem ser conseguidos antecipadamente pela Internet - modalidade em que se paga antecipadamente por cartão de crédito e com a qual terá alguém com seu nome numa placa assim que sair da área de alfândega para o saguão do aeroporto – ou na hora de chegada, virando à esquerda ou à direita para encontrar balcões de empresas de transportes, onde poderá contratar o transporte por limosines, carro de luxo, carros médioe e vans.  Não sem antes tentar desvencilhar-se de agressivos agenciadores de todos os tipos tentando conduzi-lo aos taxis, que custarão cerca de 900 Baht, em vez do normal, que seriam 400. Ignore-os.  O custo de um traslado privativo fica em torno dos 400 a 1.800 Baht por pessoa até a área central ou mesmo até Sukhumvit, dependendo do tipo de transporte, se em carro privativo ou em van e microônibus compartilhados com outros passageiros.   Se quiser ir de taxi vá procurar os metered taxis disponíveis no segundo andar. O custo ficará em torno de 400 e a viagem cerca de 40-60 minutes dependendo do trânsito.

BANGKOK%201%20%20Blog%20044.JPG

Detalhe de uma das janelas do Templo de Mármore

               HÁ também a opção mais econômica do transporte por ônibus, através do sistema chamado Airport Express Bus, que custa 150 Baht e sai de hora em hora até meia-noite, cobrindo 4 rotas: AE1: Suvarnabhumi-Silom,  AE2: Suvarnabhumi-Khao San Road, AE3: Suvarnabhumi-Sukhumvit e AE4: Suvarnahhumi-Victory Monument-Hua Lamphong (estação de trem). Os percursos são feitos entre 60 e 90 minutos.  Há também os ônibus públicos comuns, circulares, do sistema BMTA que custam entre 30 e 50 Baht.

Empresas de Transporte Privativo em Bangkok

http://www.airporttransfers.th1.org/our_fleets.html

http://www.thailandreservations.com/reservation/transfers.html

 http://www.viator.com/bangkok-tours/Transfers-and-Ground-Transport/d343-g15?pref=02&aid=g1680&gclid=CP6z6obd-JECFQgOkgodbWrypQ

 

As Bangkok Waterways

               BANGKOK tem no Rio Chao Phraya sua mais tradicional via de tráfego. Barcos de transporte particulares, públicos, de pessoas e coisas, exatamente como em Veneza, circulam dia e noite. O rio é o portão de entrada da cidade desde que a Thailândia era o Reino do Sião e o Rei Rama I, transferiu a capital do país de Thonburi, na margem oeste do rio, para Bangkok , na margem leste, e depois abriu uma série de canais que saiam do rio em forma de S.

493463-1465953-thumbnail.jpg 493463-1465957-thumbnail.jpg 493463-1465963-thumbnail.jpg

Um detalhe decorativo do Wat Traimit (Templo do Buda de Ouro), um Leão e porcelana chinesa e um leão de mármore italiano

               POR razões estratégicas os canais de Bangkok, chamados de klongs foram copiados dos da antiga capital do Sião, Ayutthaya, uma espécie de proteção contra invasões. Os canais são como ruas estreitas e vicinais. Uma ilha artificial entre eles e nas margens do Rio Chao Phraya abriga o Grand Palace, Wat Phra Kaeo (o do Buda de Esmeralda que é de jade) e o Wat Po. Essa ilha é conhecida por Rattanakosin e é considerado o centro histórico de Bangkok, o principal ponto turístico da cidade e por onde se deve começar um passeio turístico pela Capital da Tailândia.

               A história de Bangkok sempre esteve ligada ao Rio Chao Phraya e aos seus canais. A cidade tem até um daqueles apelidos que os marqueteiros inventam para promovê-la: “Veneza do Oriente”. De fato seu rio e canais são parte da vida da cidade e tão fundamentais quanto suas ruas e avenidas para os deslocamentos e transporte de pessoas, de monges a escolares, trabalhadores a turistas.

BANGKOK%201%20%20Blog%20028.JPG

Excessos rococolescos que surpreendem ela beleza e harmonia

               PARA o turista o rio e os canais – além de atração turística – são uma oportunidade de observar os contrastes entre o novo e o antigo de um ângulo bem mais amplo do que nas ruas. Pelo rio podem-se ver a maior parte dos templos budistas, casas de madeira típicas da Tailândia, edifícios residenciais e comerciais.

               NO lado de Thonburi - local da primeira Capital da Tailândia – uma rede de canais, chamados de klongs, ainda conectam a cidade aos seus subúrbios, ainda não afetados pela modernidade. Uma viagem através desses canais constitui-se numa boa apresentação ao que é de fato a vida local, bastante diferente da que se vê na agitada e moderna Bangkok.

O Rio Chao Praya - Rio dos Reis

ENQUANTO alguns canais foram sumindo e sendo substituídos por ruas o Chao Praya continua a ser uma importantíssima via de transporte e que separa a antiga Capital, Thonburi, da moderna Bangkok. E algumas das atrações da cidade estão justamente nas margens deste rio.

APESAR de haver os taxis aquátios, ou ruer duan, o sistema da Chao Praya Express Boat Company é o melhor indicado para os turistas, por que opera uma linha turística que para nos 10 principais piers que dão acesso às atrações como o Grand Palace, o Wat Po e o Royal Barge Museum. Um passe diário custa 75 baht e barcos partem a cada 30 minutos do Sathorn Pier. Se você levar em conta que neste preço está incluído o consumo de água mineral e um guia turístico, é muito em conta, além de prático. Um dos piers, o Tha Sathorn, conecta-se ao Skytrain, assim, se você estiver hospedado longe do rio, este é o pier que você deve usar para desembarcar e retornar ao seu hotel pelo Skytrain.

BANGKOK%202%20Blog%20007.jpg

Um dos muitos cenários que o Rio Chao Phraya proporciona a partir de seu leito

COMPRE um Day River Pass para o Chao Phraya Tourist Boat, que custa 100 Baht. Com ele, das 9:30 às 15:00 h você usa os serviços da linha que incluem acesso a nove piers que dão acesso às principais atrações de Bangkok. Você pode usar indefinidamente durante esse horário por um dia, com direito a água mineral grátis! E você também ganha um pequeno guia impresso muito útil, não porque ele descreve resumidamente os lugares turísticos, mas porque os relaciona vinculando a cada um dos nove piers, desde o Central Pier até o Banglumpoo Pier, ao norte do Grand Palace. No próximo capítulo haverá explicações mais amplas e detalhadas do percurso deste que é chamado de "Barco Turístico", com informações de onde e como adquirir bilhetes, as atrações de cada pier e um time-table.

493463-1466006-thumbnail.jpg 493463-1466009-thumbnail.jpg 493463-1466026-thumbnail.jpg

As palafitas são comuns no rio e nos canais

 

Chao Phraya Express Boat

http://www.answers.com/topic/chao-phraya-express-boat

Khlong Saen Saep Express Boat

http://www.answers.com/topic/khlong-saen-saep-express-boat

Sathon-Klong Toei Express Boat

http://www.answers.com/topic/sathon-klong-toei-express-boat

 

Os Klongs (Canais) de Bangkok - Estilo "Veneza" de ser

BANGKOK%20%20KLONG%20%20Blog%203.jpg

CASO decida-se por trafegar pelos estreitos klongs para conhecer a outra face de Bangkok, verá um ritmo de vida que não muda há muitos anos, barcos vendendo verduras, mulheres vendendo arroz e macarrão em suas “cozinhas flutuantes”, pessoas nas sacadas de casas típicas de madeira com vasos de flores, gente lavando roupa nas águas dos canais, pescando e até crianças tomando banho, a vida seguindo. Os jacintos (*) que boiam nas águas dos canais são regularmente coletados pela população local, desidratados e processados para virarem artesanato. Lembra bastante a vida ribeirinha de comunidades nos estados brasileiros do Pará e Amazonas. Definitivamente um lugar diferente e que emrece uma visita de uma ou duas horas.

(*) ja.cin.to sm (gr hyákinthos) 1 Bot Gênero (Hyacinthus) da família das Liliáceas, constituído de ervas bulbosas e escaposas do Velho Mundo, com flores em racemos terminais, na maioria compactos, e corola campanuliforme, com tubo proeminente e limbo vistoso. 2 Bot Qualquer planta desse gênero, particularmente a espécie Hyacinthus orientalis, ornamental, cujas flores exalam perfume penetrante; jacinto-do-oriente. 3 Bot A flor dessas plantas. 4 Miner Zircão transparente, vermelho ou castanho, às vezes usado como pedra preciosa; também chamado jargão. J.-do-oriente: jacinto, acepção 2. Var: hiacinto. FONTE: Dicionário Michaellis

 

BANGKOK%20%20KLONG%20%20Blog%201.jpg BANGKOK%20%20KLONG%20%20Blog%206.jpg

ALUGUE um hang yao – barcos típicos e inconfundíveis da tailândia, muito coloridos e com uma proa bem alta e longa, acerte o preço antes da partida - que varia de 400 a 500 baht por hora. Vá ao pier Tha Chang perto do Grand Palace ou no pier do River City Shopping Complex. Lembre-se que o condutor é apenas um motorista de barco, não um guia turístico, com mínimo inglês, o suficiente para um entendimento bem básico, mas ele saberá onde levá-lo. Peça para explorar o Klong Bangkok Noi e o Klong Bangkok Yai e para passar no Royal Barges Museum, que contém explêndidos barcos decorado, como os royal barge, um tipo de barco-chata, único na Tailândia.

Fotos de um hang yao

http://www.flickr.com/photos/danburgmurmur/73091463/

http://www.flickr.com/photos/antinea/378936085/

Fotos de um royal barge

http://www.flickr.com/photos/johnjan99ca/2177827244/

SE você pretender algo mais organizado, incluindo pegarem você no seu hotel, há várias companhias que oferecem tours ao longo dos Thonburi klongs. Os passeios padrão saem às 08:30 e vão até meio dia e operam em torno do floating market em Thonburi. É mais barato, mas mais cheio e mais turístico. Por um pouco mais você pode alugar um barco privativo com ou guia, parando onde quiser. Os mais comuns são os Tour de meio dia pelos canais de Thonburi, Wat Arun e o Royal Barges Museum, diariamente de 8:30 às 11:30 ou 14:00 às 17:30h.

OS canais, ou klongs, continuam em direção à área de maior crescimento da cidade. Mercados chineses e indianos foram sendo instalados ao longo deles. A Chinatown de Bangkok é cheia de comércio e efervescente. A rua principal de Chinatown, Charoen Krung Road (algumas vezes chamada de New Road) serpenteia ao redor do rio. No final de Chinatown, fica a Hua Lamphong Railway Station, o principal terminal ferroviário para quem pretende viajar pela Tailândia de tem a partir de Bangkok. O bairro onde fica a estação chama-se Pathum Wan. A estação é convenientemente integrada ao metrô. É um prédio bonito, estilo italiano renascentista, com o teto decorado em madeira e grandes janelas de vidro, inaugurado em 1.916 e que levou seis anos sendo contruído. Durante a Segunda Guerra Mundial os aliados tentaram bombardear a estação mas erraram a mira e detonaram um hotel vizinho. Há 14 plataformas e 26 guichês e dois grandes displays elétricos que informam as aprtidas e chegadas. Aproximadamente 60.000 parrageiros por dia passam pela estação.

A composição mais tradicional que chega a essa estação é a Eastern & Oriental Express, um trem de luxo que liga a Tailândia a Cingapura e à Malasia.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20001.JPG

Eastern & Oriental Express

http://www.orient-express.com/web/eoe/eoe_a2a_home.jsp

http://www.atiworld.com/E&O.htm

DO outro lado de Chinatown e na margem do rio fica Bangrak, bairro diplomático com edifícios construídos em estilo europeu que abrigam embaixadas e o The Oriental Hotel, um dos ícones da hotelaria de Bangkok, entre os seus mais luxuosos. As principais avenidas de Bangrak chamam-se Suriwong Road, Silom Road e Sathorn Road, bastante conhecidas na cidade e que originam-se na Charoen Krung e correm paralelas até a Rama IV Road. É um bairro elegante, como quase todos os bairros diplomáticos no mundo, com as embaixadas de todo o mundo, hotéis elegantes, modernos e grandes edifícios comerciais, restaurantes e pubs, além da noite de Patpong e seu mercado famoso.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20002.JPG

DE volta a Rattanakosin, seguindo rio acima em direção norte na outra direção de Chinatown, alcança-se Banglamphu, onde ficam o National Museum, o Wat Suthat, o Giant Swing – uma estrutura religiosa defrontre ao Wat Suthat - e o Wat Klong Phu Khao Thong. O ponto de destaque neste bairro é o grande Monumento à Democracia (Democracy Monument) que tem uma rotatória ao seu redor que lembra a de tráfego igualmente intenso do Arco do Triunfo em Paris ou a Praça de Cibeles em Madri e marca a interseção entre a Ratchadamnoen Klong Road com a Dinso Road.

TODAVIA a rua Banglamphu ao logo dos anos foi deixando de ser uma das mais famosas de Bangkok, perdendo essa característica para a Khao San Road, uma rua pequena que se transformou no paraíso do turismo backpacker.

_________________________________

A lendária Khao San Road

PARA os mochileiros a conhecidíssima Khao San Road é o lugar. Esta rua está cheia de hotéis econômicos que em inlgês lá são chamados de guesthouses e igualmente restaurantes baratos e uma decente noite. Para quem quer economizar, é um bom lugar, mas não pra ficar apeas nele, porque Bangkok turística e mesmo em termos de diversão não é na KSR.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20010.jpg  BANGKOK%20A%20%20Blog%20008.jpg

ALÉM disso como é um lugar extremamente dirigido aos turistas, você verá mais tailandeses querendo lhe vender alguma coisa do que em qualquer outro lugar. Pode até merecer uma visita especialmente depois de conhecer o Grand Palace, mas ela tem mais fama do que é realmente um ponto atraente.

A Khao San Road tem até página na Internet:

http://www.khaosanroad.com/

Guia para a Khao San Road - Patpong - Soi Cowboy e Nana Plaza

http://www.hangoverguide.com/thailand/bangkok/khao-san-road.php

___________________________________________

Hospedagem em Bangkok

Mapas dos Hotéis, por área

http://www.into-asia.com/bangkok/maps/

Bangkok é uma das capitais com mais hotéis de luxo do mundo mas também de todas as categorias. Só que com uma diferença: todas elas por uma fração do preço que se paga na Europa e Estados Unidos, o que vale também para a comida.

HÁ uma excelente e variada oferta de hospedagem em Bangkok para todos os níveis e orçamentos e felizmente não há dificuldades em encontarmos hospedagem seja lá qual for o padrao que se procure. Pelos padrõe sinternacionais os preços das diárias em Bangkok são bem baratas, seja uma cama numa guesthouse ou uma suíte no The Oriental Hotel, reconhecido como um dos melhores hotéis do mundo.

O orçamento do viajante é que vai determinar o bairro ou local onde ele se hospedará. A Banglamphu (Khao San Road) tem quartos na faixa dos 100 a 300 B. Nesta faixa de preços ficam quartos pequenos sem banheiro, com direito ao uso de banheiro coletivo. Esta é, portanto a área do backpacker (ou mochileiro) e há uma abundante oferta de hospedagem.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20003.JPG

UMA opção de hospedagem também econômica mas não comparada à Khao San Road está na área da Siam Square. A Sukhumvit road é outra área cheia de hotéis e a área mais turística de Bangkok, com uma grande variedade de hotéis com preços em torno dos 700 aos 2000. Os Top hotéis da cidade ficam localizados na área às margens do rio, onde ficam os hotéis Oriental, Peninsula, Shangri-La e Royal Orchid Sheraton, mas também ao redor da Siam Square.

ALÉM do preço outra questão iportante a considerar é o que o visitante mais pretende fazer na cidade. Bangkok tem a reputação de ser uma cidade muito poluída e de trânsito congestionado, o que de certa forma define quanto tempo vc. Perderá no trânsito e respirará ar poluído para se deslocar na cidade.

NESTE particular, ficar perto do Skytrain é uma boa para chegar mais facilmente a Silom, Siam Square e Sukhumvit, áreas que além de tudo são boas para shopping e vida noturna, mas limitadas em termos de atração turísticas. Algumas das principais, como vimos, ficam distantes de estações do skytrain e mesmo de suas duas linhas. Atrações como o Grand Palace, Wat Pho e Wat Arun ficam no bairro de Ko Rattanakosin – onde dependendo do tráfego – pode custar até uma hora pra chegar de Sukhumvit ou Silom.

EM Bangkok a terminologia hoteleira segue o padrão ocidental: um single room é um quarto com uma cama dupla, um double room é um quarto com duas camas, o que significa que é perfeitamente normal um casal dormir num single room. Os preços em geral são os mesmos num single ocupado por duas pessoas sem café da manhã, mas um pouco mais caros num double. As tarifas são acrescidas de 7% de taxa. Nas hpspedagens mais baratas essa taxa já está incluída no preço.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20004.JPG

____________________________________

Os Shopping Malls de Bangkok

http://www.bangkokbob.net/malls.htm#Siam%20Paragon

A cidade está cheia de shopping malls e pode ser considerada uma ótima cidade para compras.

Do lendário Mah Boon Krong (MBK) (http://www.mbk-center.com/en/index.asp)

ao the sofisticado The Emporium (http://www.emporiumthailand.com/main.html),

passando pelos modernos Siam Discovery (http://www.siampiwat.com/php/siam_discovery/index.php)

e Siam Paragon (http://www.siamparagon.co.th/v3/index2.html)

e terminando no maior complexo de compras e diversão do sudeste da Ásia,

o CentralWorld (http://www.centralworld.co.th/tourist/),

com 500 lojas, 50 restaurantes, 21 cinemas, boliche e centro de diversões infantis - Bangkok tem opções para todos os gostos e orçamentos, estilos e padrões, centros comerciais que têm lojas e butiques locais e de marca internacional, tanto européias quanto americanas. Nas lojas de rua são recomendáveis comprar apenas produtos locais, tecidos, sedas, artesanato, cerâmica, souvenirs, roupas locais, pois a maioria dos produtos de marcas internacionais são falsos.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20005.JPG

___________________________________________________________________

“Falando” tailandês - ภาษาไทย ( phasa thai , "a língua da liberdade")

SEGUNDO a Wikipédia o tailandês faz parte do grupo das línguas tai, pertencente à família linguística Tai-kadai. As línguas tai tiveram origem no sul da China, e alguns linguistas propuseram ligações às famílias linguísticas mon-khmer, malaio-ponésia. É uma língua tonal e analítica. A combinação da tonalidade com uma ortografia complexa, marcadores relacionais e uma fonologia diferente pode fazer com que o tailandês seja uma língua de difícil aprendizagem para os ocidentais. Os tailandeses são muito orgulhosos da sua língua e a consideram patrimônio artístico e cultural, símbolo da soberania e da independência do país. Dada a influência da antiga língua chinesa, a ailandesa consiste fundamentalmente em palavras monossilábicas. Com 44 consoantes, 32 vocais e 5 sotaques, é uma segunda língua nada fácil de se aprender.

UMA das primeiras coisas que o visitante perceberá é que as pessoas são hospitaleiras e simpáticas, algo natural ao povo, já que faz parte da cultura Thai. Ainda que a grande parte dos turistas nãop fale tailandês e os tailandeses do povo não falem inglês, muitas coisas podem ser “ditas” com sinais, mímicas, inglês e thaienglish (o equivalente ao nosso portunhol ou inglês macarrônico). E muitas coisas podem ser facilitadas com um sorriso ou risadinhas.

O Thai faz parte de um conjunto de línguas thai que se falam no Laos, na China, na Birmânia e naturalmente na Tailândia. No conjunto são faladas por mais de 50 milhões (em 1983) de pessoas. O thai-kang ou siamês de Banguecoque é a língua oficial da Tailândia. Há várias razões pelas quais o thai é uma língua difícil, na escrita e principalmente na pronúncia e em regras sociais que se reflectem na língua. A invenção da escrita tailandesa é atribuída ao rei Ramkamhaeng de Sukhotai em 1283. Esta escrita está baseada na escrita Khmer, por sua vez ligada à escrita indiana. Sucessivamente adaptaram-se vocábulos de origem Khmer enquanto que as palavras de duas ou mais sílabas atribuem-se à influência do Sancrito e do Pali. O tailandês atual é, portanto, o resultado de séculos de desenvolvimento e maturidade e fala-se em todo o reino.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20027.jpg

ENTÃO, Sawasdee é a palavra mais comum e a mais usada, a forma usual de cumprimento, o “olá” de todo mundo. Mas nada é simples de dizer em tailandês: o “sawasdee” não é dito simplesmente assim, "suávasdí". Como vimos, o tailandês é uma lingua complicada e mesmo no simples “oi” tem regras como as mulehres dizerem sawasdee kha ("suavasdí káa") e os homens sawasdee khrab ("suavasdi cûp") . Nada é simples em tailandês: Khorb koon kha, o obrigado, tamabém não é simples: o khorp koon ka, deve ser dito pelas mulheres e os homens dirão khorb koon khrap. "Ka" é feminino e “khrap", masculino. Todavia, Felizmente muitos anúncios, sinais e placas de rua são escritos em thai e em inglês, especialmente as mais necessárias, como as das estações do Sky Train. Tentar aprender algumas palavras básicas é sempre politicamente correto, além de simpático e útil, mas cuidado, porque essa é uma lingua tonal e uma pequena variação de sotaque e entonação pode mudar completamente o sentido da palavra. Por ser uma lingua tonal, não se fala com entonações ocidentais, porque elas mudam o sentido da palavra.

Tailandês para Viajantes (sons e tradução para o inglês)

(pa-sa-thai sum-rub-nuk-thong-tiew)

http://www.travlang.com/languages/cgi-bin/langchoice.cgi

Algumas palavras úteis

Sim = chai

Não = mai-chai

Obrigado = khop-khun

Muito obrigado = khop-khun-mark

Por nada = mai-pen-rai

Por favor = ga-ru-na

Desculpe/Com licença = kaw-tote/kor-a-nu-yart

Olá = sa-wat-dee

Tchau = lar-korn

Até já = narn/yao-narn

Bom dia = sa-was-dee-torn-chao

Boa tarde = sa-was-dee-torn-bai

Boa noite = sa-was-dee-torn-khum

Boa noite (para dormir) = ra-tree-sa-was

________________________________________

O que vestir, o que usar

               HÁ uma curiosa tendência de turistas americanos e europeus se vestirem de maneira curiosa e inadequada em viagem a países e cidades exóticas. Em Bangkok é mais ou menos como no Rio de Janeiro, invariavelmente vêm-se turistas vestidos como se fossem para o circo. No Rio de Janeiro usam camisas floridas, chapéus de caçadores,shorts, sandálias com meias até a canela.  O Rio de Janeiro é uma cidade alegre, divertida, sugere roupas confortáveis e adequadas ao clima, sem grandes protocolos e formaldiades, mas ninguém anda pela cidade de camisa florida, chapéu de palha e sandália com meia!

               BANGKOK também nÃo escapa dessa características e também não é uma cidade que aprecie roupas, digamos, “alegres”.  Exceto pelos bangkokians adolescentes influenciados pelo ocidente, os locais vestem-se discretamente, tanto quando a estampas e cores, quanto à exposição do corpo. São conservadores.  Turistas que se vestem alegremente demais parecerão palhaços perante os tailandeses.  Vestir-se casualmente é o mais adequado.  Vestuário extravagante, berrante, espalhafatoso não se deve usar nem pra ir ao circo, quanto mais para ir a Bangkok, E roupas que revelem o corpo devem ser reservada apenas para a praia. Especialmente para as mulheres, não devem mostrar os ombros e usar vestidos ou saias curtas. Shorts jamais.  Para ambos os sexos. Nem mesmo bermuda é adequado para visitar os templos e sequer é permitida a entrada no Grand Palace com roupas curtas, tanto homens quanto mulheres. As roupas mais adequadas são calças jeans, calças de trekking (daquelas de fecho eclair que pode virar bermuda), calças de sarja  e bermudas apenas que vão abaixo dos joelhos. Camisetas de malha e manga, camisas polo de malha e camisas de algodão de mangas curtas ou compridas.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20026.jpg

___________________________________________

O transporte público é bom

O Trânsito de Bangkok – Um entrave ao turista

A maior parte dos desafios da cidade pode ser resumida num único problema: o trânsito. O visitante é dominado completamente pelo tráfego enlouquecedor e por seu consequente barulho irritante e poluição do ar. Uma razão para a notória situação do trânsito é o pouco espaço viário em relação ao tamanho da cidade. Em resumo: faltam ruas, sobram veículos. Isso numa cidade de 10 milhões de habitantes, a lém de muitas ruas serem sem saída, bloqueadas em determinados trechos ou em zig-zag. E como os tailandeses sobrevivem a esse caos no trânsito sem se estressarem tanto, pelo menos não na mesma proporção dos turistas ocidentais? O budismo, dirão eles mesmos, é a razão desta serenidade! E como a moral budista é baseada nos princípios de preservação da vida e a moderação, o treinamento mental foca na disciplina moral (sila), na concentração meditativa (samadhi) e na sabedoria (prajña).

"Procure o Nirvana. Mesmo que você não o encontre."

TUDO conspira contra a fluidêz do tráfego, do excesso de carros, motos, triciclos, bicicletas, caminhonetas, ônibus, caminhões e tuk-tuks até...elefantes! Sim, ainda que para o bem dos paquidermes eles estejam sendo reduzidos em Bangkok, aindá é possível vê-los trabalhando ou...mendingando! Dizem que os efefantes têm excelente memória. Eu digo também que um turista jamais esquece um elefante em Bangkok. Enquanto que no trabalho pesado os elefantes estão sendo gradualmente substituídos por máquinas em Bangkok, a mendicância em efetantes tem se tornado cada vez mais comum, uma cena relativamente corriqueira em algumas ruas da cidade, o que se constitui numa imagem extremamente curiosa e exótica à primeira vista, triste e ruim, na verdade, já que se podem notar marcas de correntes nos tornozelos, presas de marfim cortadas e outros sinais de abuso que – ainda cque contra as leis tailandesas – têm crescido. É curioso, mas é triste.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20015.JPG

________________

Os Taxis

Começando pelos táxis, eles são muitos e circulam por toda a cidade e a qualquer a hora. Diferentemente da grande maioria das capitais de outros países, não existe uma cor única específica para os táxis de Bangkok. Elas variam conforme as empresas, mas distinguem-se porque têm no teto um letreiro luminoso com as palavras “Taxi”, “Taxi thai” ou “Taxi meter”. Apenas estes últimos têm taxímetro, asism, se pegar qualquer outro, negocie antecipadamente o preço da corrida.

Sempre que possível use os táxis de cor verde e amarelo (lembre-se do Brasil!) pois estes são conduzidos pelos seus donos, o que costuma significar que são mais cuidadosos e experientes que os taxistas que pagam diárias para taxis de emrpesas. Não é costume dar gorjeta, apenas arredondar o valor.

BANGKOK%20B%20Blog%20%20TAXI.jpg

O custo dos táxis com taxímetro em Bangkok começa em 35 baht para os três primeiros quilômetros e aproximadamente 5 baht por km rodado. Como na maioria do resto do mundo, quando parado ou no trênsito a contagem passa a ser por tempo.

_____________________________________

O Trem de superfície (BTS Sky Train)

Detalhes de cada estação

http://www.into-asia.com/bangkok/skytrain/silom.php

Mapa das linhas

http://bangkok.sawadee.com/skytrain.htm

BTS Skytrain - Rotas e Tickets

AS rotas do Skytrain podem parecer inúteis ou inadequadas à primeira vista, mas elas fazem bastante sentido, ainda mais levando em conta as dificuldades de implantação de tal sostema de trens elevados numa cidade já formada e antiga. Fazem muito sentido e é sem dúvidas o mais prático e útil sistema de transportes de Bangkok, especialmente quando conjugado com o sitema de navegação fluvial do Rio Chao Praya.

QUANDO o Skytrain foi inaugurado há seis anos transformou-se instantaneamente num símbolo da futurística Bangkok, e de fato transformou a paisagem da área moderna da Capital e hoje relembra cenas de um antigo filme de ficção, uma visão talvez utópica de futuro. Para nós ocidentais é muito barato pagar algo em torno de 25 centavos de dólar por uma viagem, mas para os tailandeses é caro, mais caro do que uma passagem de ônibus, o que não faz do Skytrain um meio de transporte sempre lotado como os metrôs de ciadades como Nova York e Paris, por exemplo. Além disso não abrange linearmente toda a cidade, é um transporte mais turístico, portanto é bem comum em algumas viagens encontrarmos mais ocidentais do que locais. O bom é que tanto o Skytrain e o Metrô são eficientes, limpos e seguros, além de baratos. Novamente eu reforço que uma conjugação de Skytrain com o sistema de barcos do Chao Phraya é a maneira mais prática de transportar-se por longas distâncias em Bangkok.

AS duas linhas encontram-se em Siam Square, onde os trens trafegam em dois níveis sobre a rua, ponto onde fica o shopping mall preferido dos locais e dos visitantes.  A linha mais curta conecta Silom com Ploen Chit e vai até o Rio Chao Praya. A linha maior liga Mo Chit a Sukhumvit. A maior parte das atrações de Bangkok podem ser exploradas basicamente pelo sistema do Skytrain, especialmente quando conjugadas com o sistema fluvial do Rio Chao Praya.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20007.JPG

TICKETS: todas as estações dispõem de máquinas de venda automática de bilhetes e são fáceis de usar, com menu em inglês. Para comprar um bilhete uma determinada zona deve ser selecionada (a qual é mostrada num mapa adjacente) e o valor exato deve ser inserido. Mas há sempre um guchê onde pode comprar bilhetes unitários e múltiplos para desde um dia até um ano. O de um dia custa 120 Baht.  Sim, é isso mesmo! Cerca de 4 dólares por dia para viagens ilimitadas! Uma viagem da Estação Asok (Sukhumvit) até a Estação Saphan Taksin (aceso ao Rio) leva cerca de 16 minutos.

HÁ um BTS Tourist Information Center onde turistas podem obter informações  que funcionam diariamente das 8.00 às 20:00 nas estações Siam, Nana e Saphan Taksin.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20019.JPG

As estações do Sky Train ficam nas áreas comerciais de Sukhumvit e Silom. É um meio de transporte rápido e seguro, especialmente para quem está hospedado nessas duas áreas. Há duas linhas do sky train: Sukhumvit line (que corre da estação Nut à estação Mo Chit) e Silom line (da estação Saphan Taksin à estação National Stadium). O sky train custa de 10 a 40 baht. Touristas podem comprar um passe de 30 dias com um limite de 10 viagens por dia por 250 baht ou o day ticket, por 100 baht, com viagens ilimitadas. Os BTS Tourist Information Centers abrem diariamente de 8.00 às 20.00 nas seguintes estações onde você pode adquirir tais passes: Siam, Nana e Saphan Taksin.

A principal desvantagem do sistema é sua relativa limitação geográfica, ou seja, não vai ao aeroporto, à estação de trens, à Grand Palace ou à Khao San Road. O metrô, por sua vez, cobre uma área mais central de Bangkok, mas ainda que haja as estações de integração entre o Sky Train e o Metrô nas estações Asoke e Sala Daeng, os bilhetes de um não valem para o outro.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20029.jpg

__________________________________

O Metrô (BMCL Subway)

O BMCL Subway é outra maneira confortável, rápida e segura de transporte da cidade. A linha Chalerm Ratcha Mongkhon começa na estação Hua Lum Phong, a maior estação de trens de Bangkok, e percorre um total de 18 estações, cujas principais são: The Queen Sirikit's International Convention and Exhibition Center, Silom, Suan Lumpini, Asoke, Ratchada, Ladprao e Pahonyotin road. As estações Asoke e Silom conectam-se ao BTS Sky Train. O BMCL Subway custa entre 10 e 15 baht (por viagem) e funciona diariamente de 6.00 à meia-noite.

Os Ônibus

Há muitos ônibus em Bangkok que ligam diversos lugares ao preço de 3,5 baht para ônibus abertos. Ônibus refrigerados – de cor azul – custam de 8 a 16 baht. As linhas Euro II (laranjas), refrigerados, custam entre 10 e 20 baht. Microônibus com ar condicionado custam a tarifa única de 20 baht para todas as rotas. É fácil conseguir o mapa das linhas dos ônibus (buses route map) em livrarias e alguns hotéis.

BANGKOK%20B%20Blog%20%20BARCOS.jpg

Os Barcos

Há vários tipos de barcos, identificados pela cor das bandeiras. Os Boat service do Chao Phraya River conectam Bangkok com a província de Nonthaburi, começando no Tha Nam Non Pier em terminandono Saphan Taksin Pier (Sathorn). Os barcos (sem bandeira) param em qualquer pier, ao custo mínimo de 8 baht por viagem.

Os Rapid boat (os de bandeira laranja) custam 10 baht a viagem. Os * Express boat (bandeira amarela) param apenas em piers mais movimentados. Os Express boat custam 15 baht a viagem. Depois do horário do rush, são os mais usados pelos turistas. Os barcos com bandeira azul são os mais rápidos porque param apenas em 3 piers, ThaNamNon Pier, Siriraj Pier e SaphanTaksin Pier (Sathorn). E custam de 25 a 35 baht. Os barcos fundionam diariamente de 6.00 às 18.40 h.

* Express boats route ( http://www.into-asia.com/bangkok/boats/route.php)

Os Taxi-Motocicleta

Se tiver coragem de pegar um e estiver só, nas horas de rush tente um motorcycle taxi. Não há taxímetro, portanto, combine antes o preço, que começa a partir de 5 baht.

 

BANGKOK%20Blog%20Dinheiro%20Tailands%2005.jpg

_________________________

Quando ir (o clima)

AINDA que a Tailândia tenha 3 estações do ano distintas - quente, chuvosa e fria - Bangkok tende a ter apenas duas: a quente e a chuvosa. Frio mesmo só faz no máximo uma semana na cidade, em janeiro. O calor começa do meio de janeiro até maio, quando a temperatura alcança os 40 graus Celsius e a humidade relativa do ar se aproxima dos 100% . Já a estação das chuvas começa em junho, o que significa que pode chover ao menos uma vez por dia, mas é comum que em alguns dias a chuva persista por horas seguidas, com força e intensidade que lembram as famosas chuvas de verão tropicais, com raios e trovões. O “frio” começa em outubro, mas é conhecido apenas por ser a época da seca e de temperaturas mais amenas.

BANGKOK%20A%20%20Blog%20018.jpg

A Tailândia tem duas regiões climáticas: uma, a savana tropical, no norte do país, e a das florestas tropicais. Três estações vão do forte calor - de Março a Maio - aos chuvosos dias de Junho até Setembro e os frios de Outubro a Fevereiro. A humidade é constante em todas as estações, todavia é especialmente alta durante os meses mais quentes. A estação mais fria tem dias mais frescos e agradáveis no sul, mas no norte, especialmente nas colinas de Chiang Mai, o frio pode ser bem acentuado. A alta temporada é justamente esta, a dos dias com temperaturas mais amenas, com o consequente encarecimento dos preços.

Mês

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez

Ano

Média Máxima °C

32.0

32.7

33.7

34.9

34.0

33.1

32.7

32.5

32.3

32.0

31.6

31.3

32.7

Média Mínima °C

21.0

23.3

24.9

26.1

25.6

25.4

25.0

24.9

24.6

24.3

23.1

20.8

24.1

Chuvas

Centímetros

1

2

3

7

19

15

15

18

32

23

5

1

145

Feriados

ANO Novo (Jan. 1); Ano Novo Chinês (variável, em Jan.); Magha Puja (na terceira Lua Cheia do ano); Chakri Day (Abr. 6); Songkran (Abr. 13-15); Dia da Coroação (Mai 5); Visakha Puja (Maio); Dia da Rainha (Ago. 12); Aniversário do Rei (Dez. 5). Em geral o comércio, bancos e repartições públicas fecham nesses dias.

 

Tomadas e Eletricidade

220V/50 Hz –tipos A (pino chato, tipo americana) e C (pino redondo, tipo brasileira)

Figura da tomada tipo A: http://www.kropla.com/!ab.htm

Figura da tomada tipo C: http://www.kropla.com/!c.htm

__________________________________

Reader Comments (12)

Seus textos são razoados, maravillosos e muito cativantes. Um caudal da informação elaborada com muito carinho.

Como é possível que você disponha de uma informação ta meticulosam, com um conhecimento profundo e variado de um país tan distante a Brasil como é Tailandia?.

Bravo por seus textos e parabéns por as fotos!!!. Eu gosto do seu blog!!!
Tchau
12:26 | Unregistered CommenterCarmen
Estamos viajando com você Arnaldo!
Um grande abraço
17:20 | Unregistered CommenterRodrigo
Oi Arnaldo...

Fantástica viagem, obrigado por compartilhar estes momentos conosco!
11:28 | Unregistered CommenterErnesto
Impressionante o detalhamento e a quantidade de informações, Arnaldo! Mas que cidade complicada para se deslocar...acho que até eu, que sempre me achei com uma boa orientação espacial, acho que me confundiria toda com os 'thanon' e 'soi' (risos)
Quanto às fotos, como sempre um relax para os olhos...as fotos dos Budas estão maravilhosas e gostei bastante também daquela figurinha venerável na foto acima da parte sobre os táxis. E as flores nos espelhos d'água, então? Esse é realmente um povo que se importa com a beleza (por mais paradoxal que parece isso, considerando Bangkok...)
11:48 | Unregistered CommenterEmília

Olá Parceiro,

Estou entrando em contato novamente para tratar da Parceria Comercial mencionada via e-mail em 31/03/08.
Continuamos interessados no site.

Aguardo um retorno para iniciarmos a negociação.


Grata e à disposição,

Karen Oliveira
------------------------------
karen@hotwords.com.br
www.hotwords.com.br
------------------------------
Phone: 11 3178 2509
To adorando sua viagem pela Tailandia e contigo revivendo os momentos que passei. Se ainda estiver em Bankgok nao deixe de comer no restaurante "Cabbages and Comdoms" - minha experiencia foi fantastica. To te seguindo...um abraço e boa viagem
17:11 | Unregistered CommenterRegina
Nossa... quantos detalhes... muito bom!

Estamos planejando uma viagem para o sudeste asiático e esse relato é essecial.

Adoro seu blog!
0:42 | Unregistered CommenterMirella
Arnaldo, eu literalmente viajo com vocês a cada foto que você publica aqui... Ai, que saudades dos meus dias de ÊXTASE em Bangkok!!!
Arnaldo,
Não me canso de ler seu blog. Sempre descobro um detalhe que me passou desapercibido. Um verdadeiro prazer ler e olhar o post. (é verdade os táxis tem espírito brasileiro)
Tchau
4:00 | Unregistered CommenterCarmen
Oi Arnaldo,

Eu leio seu blog e adorei que tenha chegado no meu.

Fique a vontade de perguntar qualquer coisa... você vai amar Petra, é tão lindo!!! Pena que eu fiquei muito pouco...

Abraços,
Mirella

Blog: http://mikix.com
Viagens: http://www.viajecomigo.com
Pictures / Fotos: http://www.flickr.com/photos/85295010@N00
7:46 | Unregistered CommenterMirella

Viajo próxima semana para Austrália e pretendo ir ao sudeste asiático. Depois que vi suas informações resolvi que irei a Bangkok, mesmo com os problemas civis que estão acontecendo por lá. Adorei! Parabens pela riquesa das informações.
Lais

18:46 | Unregistered CommenterLais

Arnaldo ja agradeci os posts da India e Jordania. Acabei de ler os da Tailandia,onde vamos antes da India. Estive em Bangkok ha quase 30 anos,uma das melhores experiencias de vida e muito mudou desde entao. Seus posts sao espetaculares, precisos, um presente. Obrigada.

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.