MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« Tailândia: Ayuthaya - Bang Pa In, Palácio Real de Verão | Main | Tailândia: Bangkok. Passeios a pé »
Quarta-feira
Jun042008

Tailândia: Bangkok, "Walking Tour" em Rattanakosin Island

A Rattanakosin Island é a área ao redor de Sanam Luang, a grande área aberta defronte o Grand Palace, rodeada por casas, mansões que abrigam órgãos públicos como a Thammasat University, o National Museum, a Silpakorn University e os templos de Wat Arun e Wat Pho, além do santuário City Pillar.

BANGKOK%20A%20Blog%20Wat%20Arun%20%2001.jpg

Wat Arun

O primeiro lugar a ser visitado deve ser o National Museum que fica do lado oeste de Sanam Luang, o qual guias afirmam ser o maior do gênero do sudeste asiático.  Próximo ao museu fica o bonito prédio de uma das mais famosas universidades da Tailândia, a Thammasat University.  Caminhe pelo campus da universidade e chegue até a Tha Phrachan Road, entre na Maharat Road, onde à esquerda fica o Mahathat Temple, onde fica o importante Buddhist Meditation Centre.

BANGKOK%20A%20Blog%20Wat%20Arun%20%2002.jpg

Wat Arun

PRÓXIMO a esse templo fica outra universidade, a Silpakorn University, o mais importante centro do país para o estudo das artes plásticas. Virando à esquerda na Phra Lan Road chega-se à atração mais importante de Bangkok, o Grand Palace e o Wat Phra Kaeo , também conhecido como Templo do Buda de Esmeralda. É um lugar para passar boas horas vendo os detalhes e o conjunto, sem pressa. No Grand Palace tem-se um vislumbre da arte tailandesa e de sua explêndida, delicada arquitetura.

BANGKOK%20A%20Blog%20Grand%20palace%2009.jpg

Aphorn Phimok Prasat Pavilion e Rajkaranyasapha Hall (no interior do Grand Palace)

À esquerda do portão do Wat Phra Kaeo fica o pier Tha Chang. Fique sabendo: tha, em thai, signfica pier, e você verá esse termo antes de todas as estações de barcos do Rio Chao Phraya e em todos os mapas da cidade. Nele você pode pegar a embarcação para o Wat Rakhang, o famoso e antigo templo de Bangkok, que tem importância maior por sua arquitetura traditional. Junto à Tha Chang (lembre-se, estação, ou pier, Chang!) fica a Tha Ratchaworadit, o pier real e que tem uma arquitetura em etilo pavilhão, tipicamente tailandesa, usado apenas em cerimônias reais festivas e comemorativas.

BANGKOK%20A%20Blog%20Wat%20Phra%20Kaeo%20%2005.jpg

Wat Phra Kaeo

CAMINHANDO de volta algo em torno de cento e poucos metros veja outro pier, o Tha Tian, no qual pega-se a embarcação para o Wat Arun, também chamado de Tempo do Amanhecer, ou Templo da Alvorada. Este é um importante ponto de visitação turística, comd estaque para a ornamentação externa, toda em cacos multicoloridos de cerâmica, além da arquitetura em forma de pagode.

BANGKOK%20A%20Wat%20Pho%20Temple%20of%20the%20Reclining%20Buddha%20A.jpg

Wat Pho (Temple of the Reclining Buddha)

DO lado oposto à fileira de lojinhas ao redor do pier Tha Tian fica o Wat Pho, também conhecido como Wat Phra Chetuphon, outro famoso templo desta área e importante na cidade. Este é um dos mais emblemáticos tempolo de Bangkok, porque abriga o Buda Deitado, por este motivo mais reconhecido como Temple of reclining Buddha. É apertado e difícil de fotografar, mas interessantíssima e curiosa, além de belíssima, a imponente imagem do Buda deitado, especialmente os detalhes de seus pés.

BANGKOK%20A%20Wat%20Pho%20Temple%20of%20the%20Reclining%20Buddha%20B.JPG

Wat Pho (Temple of the Reclining Buddha)

TAMBÉM do lado oposto à Sanamchai Road, a avenida que passa ao lado e junto ao Wat Pho, fica o Saranrom Royal Garden, muito apropriado para um descanso sob as sombras das árvores e com um bonito lago e muita tranquilidade. Um lugar pra respirar um ar um pouco mais puro.

BANGKOK%20A%20Blog%20City%20Pillar%20Shrine%20%20Elephant%20Statue%2008.jpg 

City Pillar Shrine & Elephant Statue

CONTINUANDO a caminhada pela Sanamchai Road você passará pelo prédio do Ministry of Foreign Affairs and the Ministry of Defence (Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Defesa) com alguns canhões defronte o edifício. Seguindo um pouco mais adiante, anets de retornar a Sanam Luang, veja o City Pillar Shrine, o santuário (uma espécie de oratório , um minúsculo templo que se encontram por toda a cidade), um dos mais importantes arquitetonicamente falando, de Bangkok. Tem o desenho de pagode e muita gente presta alguns momentos de oração e reverência à divindade que é a Deusa protetora da cidade. Aqui termina este passeio a pé por este trecho da cidade.

MAPA da área Map: Rattanakosin Island 

http://www.thaiwaysmagazine.com/bangkok_map/bangkok_map_rattanakosin.html

Reader Comments (6)

O seu viagem é um viagem formoso para a vista e o espírito. A beleza oriental dos templos hipnotiza e a comtemplação do Buda Deitado deixa descansar a mente e o espírito. As fotos são maravillosas, belas. Parabéns!.
Tchau.

3:30 | Unregistered CommenterCarmen

Como bem disse a Carmen, hipnotiza mesmo. E arrepia! Esse Buda reclinado é inacreditável, mas o que impressiona mesmo é são essas construções tão coloridas e ornamentadas...e aparentemente muito bem conservadas. E são muitas!
O contraste com o céu azul deixa tudo mais maravilhoso...um abraço!

17:15 | Unregistered CommenterEmília

CARMEM, muito grato! EMÍLIA, igualmente! Aliás, Emília, não sei porque NÃo consigo comenatr no seu blog, tanto em casa quanto no trabalho. As mensagens não saem.

Oi Arnaldo!
Primeiro quero dizer que gostei muito do novo layout do blog! Está mais "macio" de se navegar, se vc me entende! Muito bom!
Segundo, adorei o comentário sobre como se preparar para conhecer Bangkok! Retire até a folha de papel descenessária foi ótimo( e geralmente, a gente vai acumulando diversos papéis desnecessários durante uma viagem! heheh)!
E esse Buda deitado pelo que eu saiba é um dos maiores desse tipo não é mesmo? Tb porque há diferenças entre os budas sentados e os de pé, não é?!Dai a importância desse templo!
Muito legal!

13:28 | Unregistered CommenterGuta

CLARO que entendo, GUTA, e foi de fato o objetivo, tornar mais "macio" (obrigado pelo adjetivo, é perfeito!) o antes "duro" FATOS & FOTOS de Viagens que, infelizmente, teve que perder algumas características como slide shows e música, filme e mais links.

GUTA, há budas sentados, deitados, de pé e caminhando. No Templo de Mármore vc pode ver todas as versões. Num dos próximos capítulos poderá ver budas em diversas posições de dievrsas origens.

Obrigado!

Que coisa estranha, Arnaldo...vou dar uma olhada por lá, ver se tem algum 'bichinho'.

20:57 | Unregistered CommenterEmília

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.