CONHEÇA O AUTOR

 

         Depois de estabelecer-se na Internet - em 1999 - escrevendo relatos de viagens em sites relacionados com o tema, e em 2006 ter fundado o blog Fatos & Fotos de Viagens - um dos pioneiros da blogosfera de viagens - Arnaldo foi convidado a colaborar com matérias na Revista Viagem & Turismo, da Editora Abril e, agora, prepara o lançamento de seu primeiro livro - "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia" - ingressando, assim, na literatura de viagens com um livro encantador, segundo o autor, o primeiro de uma série de pelo menos quatro que já planeja produzir, dois deles em plena fase.

Assim o autor define esta sua nova fase:

             Livro é coisa séria. O que o leitor encontrará em "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia" é diferente do que lê aqui no blog. Da narrativa ao estilo. Em vez de apenas uma "conversa" com o leitor, baseada na informalidade, o livro mistura traços desta coloquialidade e informalidade com os de uma escrita literária. Sobretudo com profundo respeito à arte de escrever. Passo a ser um escritor, o que nada mais é do que uma outra maneira de me expressar sobre viagens e de transmitir ao leitor minhas impressões. Segundo o poeta e ensaísta norte-americano Henry David Thoreau, "Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vida a partir da leitura de um livro". A partir deste meu primeiro livro escrito, considero ter ingressado numa nova, deliciosa fase em minha vida. 

             Por bom tempo - antes de me decidir por publicar um livro - meu lado esquerdo do cérebro brigou com fúria contra o direito até certificar-se de que o leitor teria nos meus livro não os textos que escrevi no blog, porque, entre outros motivos, livro é coisa séria, e ninguém (ninguém de verdade!) merece ler posts de blogs reproduzidos em livros, especialmente textos efêmeros, perecíveis, descartáveis ou preocupados em agradarem "o mercado" e a blogosfera. Felizmente, ao que parece, posts continuarão restritos aos blogs e livros a serem livros. O tema da viagem parece ainda não ter-se banalizado na literatura universal, nem ter-se rendido às formas diversas da monetização.

           Minha ascensão na escrita de viagens com este trabalho literário não é exatamente uma novidade. Ainda que recentemente eu tenha notado a mente lampejar com a ideia: tornar-me um escritor de viagens. Todavia, ela sempre me rondou. Mesmo que a alguma distância. Não foram poucos os amigos, parentes e leitores do blog que há mais de dez anos recorrem à pergunta: “Por que não escrever um livro?”

Gente que escreve e encanta, fala sobre o autor:

Haroldo Castro:

            "Arnaldo é um dos viajantes equilibrados e sensatos que se lança escritor, o que, num Brasil de pouca leitura e onde a Literatura de Viagem não chega a ocupar meia estante nas livrarias, conta histórias que servirão de grande subsídio para qualquer leitor, além de ajudar a romper os preconceitos de que a África só oferece guerras, doenças e fome. Infelizmente, a riqueza cultural e natural do continente é quase sempre tão abafadas por notícias negativas que considero este livro um raio de luz na região."

Jornalista, fotógrafo, autor de “Luzes da África”, indicado para o Prêmio Jabuti na categoria Reportagens

Ronize Aline:

             "Minha opinião sobre o autor está refletida na resenha que escrevi de seu livro "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia": ele escreve com o coração e demonstra respeito por tudo o que viu. Este livro, mais do que o relato de uma viagem à Etiópia, é uma viagem rumo a uma experiência de imersão e contemplação do outro. É como olhar para o diferente sem estranhamento ou indiferença."

Escritora, tradutora, jornalista, professora universitária, crítica literária do jornal O Globo, do Rio de Janeiro

Rachel Verano

             "Neste livro, Arnaldo tem o poder de nos transportar a um dos cantos mais fascinantes e ainda intocados do planeta. Mas de maneira ao mesmo tempo delicada e profunda, pessoal, criando intimidade com os personagens, deixando o leitor perceber cheiros, sabores e sentir as emoções de suas descobertas. Do peso do ar à alegria de dobrar a esquina, o autor consegue transmitir todo seu fascínio de estar diante de algo realmente novo."

 Jornalista das revistas Viagem & Turismo, Veja, VejaSP, Glamour, TAM e Vamos/LATAM

Davi Carneiro

             "Há uma frase atribuída ao grande viajante do século 14, talvez o maior escritor-viajante de todos os tempos, Ibn Battuta: “Viajar, primeiro te deixa sem palavras, depois te transforma num contador de histórias.” Suspeito, caro leito, ser este o caso do Arnaldo, um autêntico viajante que vem se mostrando, cada vez mais, um talentoso contador de histórias. Conheço-o e o sigo desde 1996, através do seu blog, aquele que, na minha opinião, é um dos melhores de viagens da internet brasileira, tanto pela excelência fotográfica quanto pela qualidade dos textos. Com um currículo andarilho de respeito (mais de 60 países, entre eles Quirguistão, Miamar, Irã e Uzbesquistão), Arnaldo tem o mérito de ir na contramão da blogosfera profissional e monetizada: de maneira simples, autêntica e independente, preza, principalmente, a credibilidade e a confiança de seu leitor." 

 Escritor, jornalista e colaborador de diversas revistas nacionais e estrangeiras

 


COMENTÁRIOS
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« Tailândia: Ayuthaya - Bang Pa In, Palácio Real de Verão | Main | Tailândia: Bangkok. Passeios a pé »
Quarta-feira
Jun042008

Tailândia: Bangkok, "Walking Tour" em Rattanakosin Island

A Rattanakosin Island é a área ao redor de Sanam Luang, a grande área aberta defronte o Grand Palace, rodeada por casas, mansões que abrigam órgãos públicos como a Thammasat University, o National Museum, a Silpakorn University e os templos de Wat Arun e Wat Pho, além do santuário City Pillar.

BANGKOK%20A%20Blog%20Wat%20Arun%20%2001.jpg

Wat Arun

O primeiro lugar a ser visitado deve ser o National Museum que fica do lado oeste de Sanam Luang, o qual guias afirmam ser o maior do gênero do sudeste asiático.  Próximo ao museu fica o bonito prédio de uma das mais famosas universidades da Tailândia, a Thammasat University.  Caminhe pelo campus da universidade e chegue até a Tha Phrachan Road, entre na Maharat Road, onde à esquerda fica o Mahathat Temple, onde fica o importante Buddhist Meditation Centre.

BANGKOK%20A%20Blog%20Wat%20Arun%20%2002.jpg

Wat Arun

PRÓXIMO a esse templo fica outra universidade, a Silpakorn University, o mais importante centro do país para o estudo das artes plásticas. Virando à esquerda na Phra Lan Road chega-se à atração mais importante de Bangkok, o Grand Palace e o Wat Phra Kaeo , também conhecido como Templo do Buda de Esmeralda. É um lugar para passar boas horas vendo os detalhes e o conjunto, sem pressa. No Grand Palace tem-se um vislumbre da arte tailandesa e de sua explêndida, delicada arquitetura.

BANGKOK%20A%20Blog%20Grand%20palace%2009.jpg

Aphorn Phimok Prasat Pavilion e Rajkaranyasapha Hall (no interior do Grand Palace)

À esquerda do portão do Wat Phra Kaeo fica o pier Tha Chang. Fique sabendo: tha, em thai, signfica pier, e você verá esse termo antes de todas as estações de barcos do Rio Chao Phraya e em todos os mapas da cidade. Nele você pode pegar a embarcação para o Wat Rakhang, o famoso e antigo templo de Bangkok, que tem importância maior por sua arquitetura traditional. Junto à Tha Chang (lembre-se, estação, ou pier, Chang!) fica a Tha Ratchaworadit, o pier real e que tem uma arquitetura em etilo pavilhão, tipicamente tailandesa, usado apenas em cerimônias reais festivas e comemorativas.

BANGKOK%20A%20Blog%20Wat%20Phra%20Kaeo%20%2005.jpg

Wat Phra Kaeo

CAMINHANDO de volta algo em torno de cento e poucos metros veja outro pier, o Tha Tian, no qual pega-se a embarcação para o Wat Arun, também chamado de Tempo do Amanhecer, ou Templo da Alvorada. Este é um importante ponto de visitação turística, comd estaque para a ornamentação externa, toda em cacos multicoloridos de cerâmica, além da arquitetura em forma de pagode.

BANGKOK%20A%20Wat%20Pho%20Temple%20of%20the%20Reclining%20Buddha%20A.jpg

Wat Pho (Temple of the Reclining Buddha)

DO lado oposto à fileira de lojinhas ao redor do pier Tha Tian fica o Wat Pho, também conhecido como Wat Phra Chetuphon, outro famoso templo desta área e importante na cidade. Este é um dos mais emblemáticos tempolo de Bangkok, porque abriga o Buda Deitado, por este motivo mais reconhecido como Temple of reclining Buddha. É apertado e difícil de fotografar, mas interessantíssima e curiosa, além de belíssima, a imponente imagem do Buda deitado, especialmente os detalhes de seus pés.

BANGKOK%20A%20Wat%20Pho%20Temple%20of%20the%20Reclining%20Buddha%20B.JPG

Wat Pho (Temple of the Reclining Buddha)

TAMBÉM do lado oposto à Sanamchai Road, a avenida que passa ao lado e junto ao Wat Pho, fica o Saranrom Royal Garden, muito apropriado para um descanso sob as sombras das árvores e com um bonito lago e muita tranquilidade. Um lugar pra respirar um ar um pouco mais puro.

BANGKOK%20A%20Blog%20City%20Pillar%20Shrine%20%20Elephant%20Statue%2008.jpg 

City Pillar Shrine & Elephant Statue

CONTINUANDO a caminhada pela Sanamchai Road você passará pelo prédio do Ministry of Foreign Affairs and the Ministry of Defence (Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Defesa) com alguns canhões defronte o edifício. Seguindo um pouco mais adiante, anets de retornar a Sanam Luang, veja o City Pillar Shrine, o santuário (uma espécie de oratório , um minúsculo templo que se encontram por toda a cidade), um dos mais importantes arquitetonicamente falando, de Bangkok. Tem o desenho de pagode e muita gente presta alguns momentos de oração e reverência à divindade que é a Deusa protetora da cidade. Aqui termina este passeio a pé por este trecho da cidade.

MAPA da área Map: Rattanakosin Island 

http://www.thaiwaysmagazine.com/bangkok_map/bangkok_map_rattanakosin.html

Reader Comments (6)

O seu viagem é um viagem formoso para a vista e o espírito. A beleza oriental dos templos hipnotiza e a comtemplação do Buda Deitado deixa descansar a mente e o espírito. As fotos são maravillosas, belas. Parabéns!.
Tchau.

3:30 | Unregistered CommenterCarmen

Como bem disse a Carmen, hipnotiza mesmo. E arrepia! Esse Buda reclinado é inacreditável, mas o que impressiona mesmo é são essas construções tão coloridas e ornamentadas...e aparentemente muito bem conservadas. E são muitas!
O contraste com o céu azul deixa tudo mais maravilhoso...um abraço!

17:15 | Unregistered CommenterEmília

CARMEM, muito grato! EMÍLIA, igualmente! Aliás, Emília, não sei porque NÃo consigo comenatr no seu blog, tanto em casa quanto no trabalho. As mensagens não saem.

Oi Arnaldo!
Primeiro quero dizer que gostei muito do novo layout do blog! Está mais "macio" de se navegar, se vc me entende! Muito bom!
Segundo, adorei o comentário sobre como se preparar para conhecer Bangkok! Retire até a folha de papel descenessária foi ótimo( e geralmente, a gente vai acumulando diversos papéis desnecessários durante uma viagem! heheh)!
E esse Buda deitado pelo que eu saiba é um dos maiores desse tipo não é mesmo? Tb porque há diferenças entre os budas sentados e os de pé, não é?!Dai a importância desse templo!
Muito legal!

13:28 | Unregistered CommenterGuta

CLARO que entendo, GUTA, e foi de fato o objetivo, tornar mais "macio" (obrigado pelo adjetivo, é perfeito!) o antes "duro" FATOS & FOTOS de Viagens que, infelizmente, teve que perder algumas características como slide shows e música, filme e mais links.

GUTA, há budas sentados, deitados, de pé e caminhando. No Templo de Mármore vc pode ver todas as versões. Num dos próximos capítulos poderá ver budas em diversas posições de dievrsas origens.

Obrigado!

Que coisa estranha, Arnaldo...vou dar uma olhada por lá, ver se tem algum 'bichinho'.

20:57 | Unregistered CommenterEmília

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.