MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« Ouro Preto, MG: O Barroco mineiro e a Inconfidência de Minas | Main | Itália: Verona, muito além da varanda »
Quarta-feira
Ago132008

Espanha: Palma de Maiorca - História e cultura com vista pro mar

__________________________________________________________________________________

 

La Ciutat - História e modernidade fundem-se com o azul profundo do Mediterrâneo

 

  

 

               Que dia de sol era aquele!  Da varanda de nossa cabine no navio Costa Mágica tínhamos uma vista privilegiada da Marina de Palma de Maiorca.           

 

 

           Como se não bastasse, vía-se a Catedral La Seu, o Castelo Bellver e a Baía de Palma.  O céu estava limpo, transparente. Não havia nuvens. Ainda era tão cedo e eu já tão ansioso por descer e explorar Palma.

 

 

 

           Dizem que não há mais lugares que surpreendem no mundo. Se for mesmo verdade, Maiorca é uma exceção. E a cidade de Palma impressiona desde o momento que se chega ao seu porto. Palmeiras e iates, veleiros e construções históricas imponentes, uma larga e muito bem cuidada avenida costeira, prédios de apartamentos milionários e o azul profundo do Mediterrâneo.

 

 

 


           La Ciutat - como é chamada a cidade de Palma, capital de Mallorca - tem muitas atrações históricas para serem vistas e outras tantas não históricas, mas turísticas. E lá se encontra do novo ao antigo, do pequeno ao grandioso, do gótico ao árabe. Tudo o que atrai doze milhões de turistas a cada ano neste pequeno pedaço de terra cercado de água por todos os lados. Maiorca está para a Espanha assim como Saint-Tropez está para a França. Uma das mais cosmopolitas cidades européias com praias incontáveis, hotéis, restaurantes e comércio de luxo, bares e cafés.

 

 

           A capital da maior das Ilhas Baleares tem um harmonioso centro histórico, belos monumentos e palacetes. A gótica Catedral de Palma, o Gran Hotel - o primeiro hotel de luxo e edifício modernista de Maiorca -, o Castelo e o Palau de l’Almudaina, a cidade, em si, com as suas boutiques de luxo e bons restaurantes, vida noturna, ótima rede hoteleira. Nela é obrigatória a visita à Catedral, ao Castelo de Bellver, uma fortaleza gótica do século XIV, à Praça de Touros e à Fábrica de Pérolas.

 

 

 

           Mas Maiorca não é apenas Palma. O resto da ilha é ao mesmo tempo montanhosa e plana, rural e urbana, de paisagem extremamente diversificada, com as pequenas serras do Llevant, no interior, as planícies cultivadas de Es Pla, o maciço da Tramuntana, a parte mais agreste da ilha.

 

 

           A costa montanhosa vai de Valldemossa ao Cabo de Formentor, no extremo norte da ilha, um cenário e ambiente perfeitos para quem procura a calma e o isolamento nesta ilha que vive de turismo e turistas. A vila medieval de Valdemossa, a 17 quilômetros da cosmopolita Palma – local onde viveram Frédéric Chopin e George Sand – com casas de pedra e vista pro mar, a aldeia de Deià, lugar de artistas durante mais de 50 anos e que tem um hotel famoso, o La Residencia, uma atraente estrada que segue em direção ao Cabo Formentor.

 

 

 

           A Catedral de Palma foi construída no século XIII, por Jaime I, em estilo gótico, que resultou numa elegante, imponente estrutura que tem nos seus arcos e nas suas grandes colunas o ponto de sua beleza. Em seu interior há um museu e os túmulos históricos de Jaime I e Jaime III de Maiorca. Atrás da Catedral fica o Palácio de la Almudaina, construído durante a Idade Média, que serviu de Residência Real. Atualmente este palácio abriga um museu muito interessante. Neta área, em direção ao mar, encontra-se o Parque de la Mar, com maravilhosas fontes e esculturas, lugar onde os maiorquinos caminham, exercitam-se e mergulham.

 

 

           O Castelo de Bellver é um dos pontos obrigatórios a serem visitadados na Capital. É o único castelo da Espanha com planta circular, construído em 1309, e de onde se tem uma bela vista panorâmica da cidade. O castelo serviu de residência de verão e depois uma prisão. Hoje o principal museu de Palma fica no interior do Castelo de Bellver.

 

 

 

           Os Banhos Árabes ficam relativamente perto da Catedral, nas estreitas ruas da parte antiga da cidade. É uma zona rodeada por jardins, onde os banhos mantêm-se os mesmos de quando foram construídos no século X.

 

  

 

           O Pueblo Español é um parque temático onde estão reproduzidas algumas das mais famosas construções de cidades espanholas importantes como Córdoba, Madri, Granada e Toledo. Uma visita ao Pueblo Español é um passeio pela arquitetura espanhola de diversos períodos, desde o muçulmanos até o gótico, com reproduções perfeitas do salão, do pátio e das casas de banho da Alhambra de Granada, entre outros. No Pueblo há lojas onde podem ser vistos artesãos trabalhando.

 

 

           O Parque del Mar é um lugar arejado, bonito e concorrido nos fins de semana, onde há cafeterias e música ao ar livre. Até 1960 o mar ia até as muralhas da cidade, mas uma nova estrada foi construída sobre um aterro. É um parque onde se pode passar uma manhã sentado sob palmeiras com vistas para catedral.

 

 

               Palma é uma cidade extremamente interessante numa ilha pra lá de agradável e com excepcional potencial e infra-estrutura para agradar ao mais exigente turista. Uma visita de um dia deixou uma fortíssima e boa impressão com gosto de retornar pra ficar uma semana.

 

 

 

MAPA turístico de Palma de Maiorca

 

http://www.conselldemallorca.net/media/7229/Mapaturistic.jpg

 

http://www.mallorcaonline.com/map/palmapu.htm

 

  

 

Reader Comments (5)

Arnaldo, os posts da Adriana Setti tinham me despertado a atenção para Palma, mas com essas fotos...que lugar lindo! E essa mistura de estilos torna tudo mais atraente.

18:53 | Unregistered CommenterEmília

Olá, me chamo Walquiria Bissoli tenho loucura para morar na Italia, não me importaria o lugar mas confesso este seria a oitava maravilha do mundo, lindooooo, voces estão de parabens. Abraços Walquiria

OLÁ ME CHAMO ZILDA ESTIVE EM PALMA DE MALLORCA DO DIA 23-09A13-10 2008
ESTIVE EM VALLDEMOSSA ,PORTO DE ANDRTX ,SANTA PONÇA,SÓLLER,CASTELO DE BELLVER E PUEBLO ESPANHOL ENTRE OUTROS LUGARES DE PALMA.
AMEI TUDO QUE VI E VIVI LÁ REALMENTE É TUDO ISSO E MUINTO MAIS!!!

Olá Arnaldo, estou a adorar esta pagina realmente Maiorca é lindo estive recentemente 4 dias na ilha fiquei em Portocristo, alugamos carro e conhecemos toda a ilha, mas fiquei com vontade de voltar e desfrutar de todo o encanto da ilha

6:38 | Unregistered CommenterLígia

Oi! Sou o João.
Estava iniciando a leitura do livro O ATLAS PROIBIDO do grande ALFRED BOSCH, e logo no início da história ele foi falando desta linda e doce Maiorca. Quando eu penso na França me lembro de Paris, quando penso na Argentina lembro-me do Tango, mas quando penso em Maiorca me surgi um branco. O que é Maiorca? Onde fica? e assim vai... mas para minha felicidade existi a internet, e pessoas como você que escreveu esse digno texto para desmatar minha ingnorancia. Obrigado por me apresentar esse belo pedaço de terra. thau!

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.