CONHEÇA O AUTOR

          

         Depois de estabelecer-se na Internet desde 1999 escrevendo relatos de viagens em sites relacionados com o tema, em 2006 ter fundado o blog Fatos & Fotos de Viagens - um dos pioneiros da blogosfera de viagens - foi convidado a colaborar com matérias na Revista Viagem & Turismo (Editora Abril). Agora, Arnaldo prepara o lançamento de seu primeiro livro - "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia" - ingressando na literatura com um livro encantador que, segundo o autor, é o primeiro de uma série.

Assim o autor define esta sua nova fase:

             "Livro é coisa séria. O que o leitor encontrará em "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia" é diferente do que lê aqui neste blog. Da narrativa ao estilo. Em vez de uma conversa baseada na informalidade, o livro mistura traços de coloquialidade e informalidade com uma escrita literária. Sobretudo com profundo respeito à arte de escrever. Passo a ser um escritor, mas é apenas uma outra maneira de me expressar sobre viagens, transmitir sem fantasias o mundo que vejo, isto é, como ele é, não como o imagino. A leitura revelará, todavia, aqui e ali, discrepâncias entre minhas expectativas e a realidade confirmada no destino. Segundo o poeta e ensaísta norte-americano Henry David Thoreau, "Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vida a partir da leitura de um livro". Então, a partir deste meu primeiro, considero ter ingressado numa nova, deliciosa fase da minha vida.

Gente que escreve e encanta, fala sobre o autor:

Haroldo Castro:

            "Arnaldo Trindade Affonso é um dos viajantes equilibrados e sensatos que se lança escritor, o que, num Brasil de pouca leitura e onde a Literatura de Viagem não chega a ocupar meia estante nas livrarias, conta histórias que servirão de grande subsídio para qualquer leitor, além de ajudar a romper os preconceitos de que a África só oferece guerras, doenças e fome. Infelizmente, a riqueza cultural e natural do continente é quase sempre tão abafadas por notícias negativas que considero este livro um raio de luz na região."

Jornalista, fotógrafo, autor de “Luzes da África”, indicado para o Prêmio Jabuti 2013 na categoria Reportagens

Ronize Aline:

            "Minha opinião sobre o autor está refletida na resenha que escrevi de seu livro "Bom dia, Addis. Adeus Etiópia": ele escreve com o coração e demonstra respeito por tudo o que viu. Este livro, mais do que o relato de uma viagem à Etiópia, é uma viagem rumo a uma experiência de imersão e contemplação do outro. É como olhar para o diferente sem estranhamento ou indiferença."

Escritora, tradutora, jornalista, professora universitária e crítica literária do jornal O Globo, do Rio de Janeiro

Rachel Verano

             "Neste livro, Arnaldo tem o poder de nos transportar a um dos cantos mais fascinantes e ainda intocados do planeta. Mas de maneira ao mesmo tempo delicada e profunda, pessoal, criando intimidade com os personagens, deixando o leitor perceber cheiros, sabores e sentir as emoções de suas descobertas. Do peso do ar à alegria de dobrar a esquina, o autor consegue transmitir todo seu fascínio de estar diante de algo realmente novo."

 Jornalista passou pelas redações das revistas Viagem & Turismo, Veja, VejaSP, Glamour, TAM e Vamos/LATAM

Davi Carneiro

             "Há uma frase atribuída ao grande viajante do século 14, talvez o maior escritor-viajante de todos os tempos, Ibn Battuta: “Viajar, primeiro te deixa sem palavras, depois te transforma num contador de histórias.” Suspeito, caro leito, ser este o caso do Arnaldo, um autêntico viajante que vem se mostrando, cada vez mais, um talentoso contador de histórias. Conheço-o e o sigo desde 1996, através do seu blog, aquele que, na minha opinião, é um dos melhores de viagens da internet brasileira, tanto pela excelência fotográfica quanto pela qualidade dos textos. Com um currículo andarilho de respeito (mais de 60 países, entre eles Quirguistão, Miamar, Irã e Uzbesquistão), Arnaldo tem o mérito de ir na contramão da blogosfera profissional e monetizada: de maneira simples, autêntica e independente, preza, principalmente, a credibilidade e a confiança de seu leitor." 

 Escritor, jornalista e colaborador de diversas revistas nacionais e estrangeiras

COMENTÁRIOS
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« ISTAMBUL: Os acasos da vida e um grande amor | Main | ROMA: Ir e não ver o Papa - Quebrando mitos da cidade »
Sexta-feira
Nov272009

ROMA: Do Capitolino ao Palatino, 3 milênios de história  

                        A Dolce Vita do viajante em Roma é caminhar, caminhar, caminhar...

                          ....viajar de metrô, andar de scooter, de ônibus, de charrete e até nos veículos mais incomuns.  Seja lá qual for o meio de transporte escolhido -  a pé ou no estilo de Gregory Peck e Audrey Hepburn em “A Princesa e o Plebeu”, a bordo de uma Vespa alugada no Scooters for Rent (Via della Prurificazione, 84) - minha sugestão é começar o dia cedo para evitar multidões e ter um passeio mais agradável.

  

 

                         Para quem vai a Roma sem ter como objetivo fundamental ver o Papa - isto é, para aqueles que acham que Roma vale MUITO a pena, MESMO sem ver o Papa - continuemos a quebrar o mito de que vir a Roma sem vê-lo é perda de tempo. 

                        Sigamos o caminho das monumentais ruínas do percurso Capitolino ao Palatino.  Eu vim a Roma com as três célebres palavras de César, ditas diante do Senado Romano, após sua vitória sobre Fárnace: “Veni, vidi, vici”. Vim, vi e venci. Definitivamente EU vim, vi e venci a máxima de que “Ir a Roma e não ver o Papa” é perda de tempo.

 

 ACIMA: uma religiosa espera a missa. Cadeiras para a multidão asistí-la  

 

 ACIMA: a Guarda do Vaticano, suíça, é um ótimo motivo para ir até a Praça de São Pedro

ABAIXO: a colunata e as cadeiras para a multidão na praça 

 

  

                           Quebrando mitos em Roma 

                          Tudo é mito em Roma. A mitologia é recorrente em quase tudo que se lê sobre a história da Roma dos Ceasares.  Há 10 mitos, no entanto, que eu não consegui quebrar:  1) o de que a cidade é barulhenta, 2) de que cada centímetro de calçada é disputado por turistas, 3) de que cada milímetro de guia é disputado por carros e lambretas para estacionarem, 4) de que os motoristas romanos...

 

  De metrô ou de lambreta... 

 

 Cada centímetro de calçada é disputado por turistas, cada milímetro de guia

é disputado por carros e lambretas, os motoristas romanos...

 

                        ... especialmente os de motonetas, devem ganhar pontos na carteira se "acertarem" um transeunte, 5) de que toma-se o melhor café expresso da galáxia em qualquer birosca que se vá, 6) de que eles têm os melhores e mais bonitos sorvetes da Via Láctea, 7) de que os romanos são barulhentos e falam alto, 8) de que são paqueradores (tanto os homens quanto as mulheres),  9) de que há mais monumentos a serem visitos do que suporta nossa vã pretensão e, finalmente, 10) de que come-se muito, muito, muito bem em Roma (em quase qualquer boteco).

  

 A lenda da fundação da cidade por Rômulo, o irmão gêmeo de Remo,

cuja Loba os salvou até hoje encanta os romanos

 

                          Dizem que os romanos não têm mitos, mas lendas. Segundo os dicionários, mito é uma "narrativa fictícia que geralmente envolve pessoas, ações ou fatos sobrenaturais e incorpora alguma idéia popular sobre fenômenos históricos ou naturais".  Todavia boa parte dos mitos que circulam ao redor de Roma não sem enquadram lá nesta definição, pois são tidos e apresentados como verdades históricas.

  

                       No Coliseu, nos Fóruns, no Palatino e na Via Ápia estão concentrados os vestígios mais antigos de Roma em 34 séculos de história. Esse intinerário a pé por tantas atrações obrigatórias ao turista - através desta poderosa concentração de história e arte urbana -  é o tema desta série sobre a cidade.  Um roteiro para se andar a pé e de metrô, ainda que todos os romanos pareçam andar de Vespa. Pode-se conhecer muito a pé, já que algumas atrações estão relativamente agrupadas, mas os grupos de atrações estão distantes entre si, o que recomenda que os conheçamos de metrô e a pé.  Em Roma é importante guardar energias para caminharmos apenas o necessário, já além das distâncias entre os grupos de atrações serem extensas, caminha-se muito também para conhecê-las por dentro. 

 ABAIXOo roteiro começa na Praça de Veneza

A Praça de Veneza (vista da escadaria do Altar da Pátria);

ponto de partida do nosso roteiro "Do Capitolino ao Palatino"

 

                           É o caso do Forum Romano e do próprio Coliseu.  A maior recomendação aqui – isto é, nos trechos a pé - é ter extremo cuidado com o trânsito porque os scooters romanos parecem ganhar dez pontos pra cada turista que consigam “acertar”.  Jamais ande desatento na rua, seja numa simples cruzada de rua pela faixa de pedestre com o sinal a seu favor, seja numa inocente caminhada pela rua junto à guia.

  

  Altar da Pátria 

  

 Praça de Veneza: marco zero de Roma 

                        Se você prefere andar de ônibus, vá até a Piazza dei Cinquecento, que fica bem em frente à ferroviária Stazione Termini, onde boa parte das linhas faz ponto final ou parada, ainda que haja outras importantes na cidade, como as do Largo Argentina, da Piazza del Risorgimento e da Piazza Venezia.  O sistema de Transportes públicos de Roma é controlado pela ATAC (Azienda Tranvie Autobus Comunali).  Nos ônibus lembre-se de entrar pela porta de trás e imediatamente validar seu ticket no aparelho de cor amarela no interior do ônibus.  Não sem vendem tickets no interior dos ônibus nem há cobradores, mas fiscais que lhe aplicarão multa de €52 caso você esteja com bilhete inválido, e não importa que esteja com dez no bolso sem que um ao menos esteja validado.

  

                           Um bilhete é válido para todos os transportes públicos e custa €1, é válido para uma viagem de metrô mas para os ônibus é válido por 75 minutos. Há passes para um dia. Ambos, passes e tickets, podem ser adquiridos nas estações de Metrô e em bancas de jornais e em alguns terminais de ônibus, como o Termini.  Todavia circular de ônibus seja agradável, recomendo cuidado quando eles estiverem lotados, pois é a “hora dos punguistas” e ter paciência com os deslocamentos mais lentos por causa do trânsito. Se tiver dúvidas, experimente: andar de ônibus pode ser uma experiência antropológica bastante interessante.

 

                         A Metropolitana di Roma é o nome oficial do metrô da cidade e composta por duas linhas (A e B) e tem 38 quilômetros de extensão total com mais duas linhas de trens suburbanos e uma linha de bonde.  As duas linhas têm as seguintes estações:

Linha A: de cor laranja, cruza a cidade obliquamente de nordeste para sudeste e conta com 27 estações, sendo seu início na Estação Battistini (em Boccea) e fim na Estação Anagnina (em Osteria del Curato).  As suas estações são: Battistini, Cornelia, Baldo degli Ubaldi, Valle Aurelia, Cipro-Musei Vaticani, Ottaviano-San Pietro, Lepanto, Flaminio-Piazza del Popolo, Spagna, Barberini - Fontana di Trevi, Repubblica-Teatro dell’Opera, Termini, Vittorio Emanuele, Manzoni, San Giovanni, Re di Roma, Ponte Lungo, Furio Camillo, Colli Albani-Parco Appia Antica, Arco di Travertino, Porta Furba-Quadraro, Numidio Quadrato, Lucio Sestio, Giulio Agricola, Subaugusta, Cinecittà e Anagnina. 

 Linha B:  de cor azul, cruza a cidade no sentido nordeste para sul e tem ao todo  22 estações, sendo a inicial Rebibbia (perto da penitenciária do mesmo nome) e Laurentina (situada a este do distrito de EUR). As suas estações são: Rebibbia, Ponte Mammolo, Santa Maria del Soccorso, Pietralata, Monti Tiburtini, Quintiliani, Tiburtina, Bologna, Policlinico, Castro Pretorio, Termini, Cavour, Colosseo, Circo Massimo, Piramide, Garbatella, Basilica San Paolo, Marconi, EUR Magliana, EUR Palasport, EUR Fermi e Laurentina.

                           E para andar a pé, lembre-se: leve sapato confortável e não escorregadio, uma garrafa de água, proteção contra o sol (tanto chapéu, lenço ou boné, se usar, quanto creme protetor), guia impresso (leve um resumido e leve ou copie antes de viajar as páginas de cada setor a ser visitado e as vá jogando fora à medida que visitar cada atração, evitando peso na bolsa ou mochila), óculos de Sol, mapa impresso e, se tiver um, GPS de mão ou de celular.

_______________

Capitolino:

                          A Piazza Venezia não é apenas o marco zero de Roma, seu centro geográfico, mas um lugar histórico de importância e o local onde juntam-se alguns períodos históricos romanos, da Antiga Roma à Roma dos Papas.  No sopé da colina do Capitólio é uma das mais importantes piazzas de Roma e defronte a ela fica o Vittoriano - Monumento Nacional a Vítor Emanuel II, também chamado Monumento ao Soldado Desconhecido, onde há um museu - do Risorgimento -, de história militar e bélica do país, todavia dispensável. Merece ser visto apenas e tiver tempo sobrando ou for aficcionado.  O monumento é criticadíssimo, constitui-se num típico "Bolo de Noiva" ou "Elefante Branco", da época fascista de Benito Mussolini. Inaugurado em 1911, vale a pena subir sua escadaria e alcançar o topo do prédio, defronte à praça, e a sua parte posterior, onde há uma cafeteria e um mirante com vista para o Forum Romano.  

Altar da Pátria

 

                        É aqui que se sente o peso da  História da Roma Antiga.   E já que não vim a Roma para ver o Papa, minha assumida tentativa de desviar meus passos da "Roma dos Papas", passemos ao percurso do Capitolino ao Palatino - feito de Metrô e a pé - que recomendo iniciar na Piazza Venecia (Google Map (1).

 

                       Não há região mais classicamente histórica romana, mais icônica do que esta do Coliseu, do Fórum Romano e do Palatino. É onde ficam  os grandiosos edifícios do antigo Fórum Romano, os palácios imperiais, os templos e a mais famosa das sete colinas de Roma, o Capitolino. No percurso há as ruínas dos Fóruns Imperiais e no início dele a linda  praça projetada por Michelangelo - a Piazza dei Campidoglio (Google Map (2), na qual ficam os Museus Capitolinos. O monte Capitólio (Campidoglio em italiano), ou monte Capitolino, é uma das sete colinas de Roma, todavia a mais baixa delas. 

  

                          Não há nada que domine mais a praça do que e o Altar da Pátria - ou Vittoriano -, o monumento mais kitsch de toda a cidade, em cujo centro há uma enorme estátua eqüestre do rei e onde também fica a Chama Eterna, um memorial ao soldado desconhecido.  A Praça de Veneza representa o estilo do final do Século XIX - o do período Mussolini. Para que fosse possível construir prédios como o monumento a Vítor Emanuel II, o da Assicurazioni Generali e a união das avenidas em torno da praça foi destruída uma parte da Roma medieval, cujo vestígios em ruínas podem ser vistas ao lado da escadaria que leva à Piazza dei Campidoglio. 

 

 

 Monumento a Vittorio Emanuele II, ou Altar da Pátria, ou "Bolo de Noiva"

  

                           A piazza de hoje na verdade é uma rotatória com tráfego intenso de carros, ônibus e motonetas, mas que já  foi mportante centro de negócios e poder no Século 15, época em que o Papa veneziano Paulo II mandou construir o Palazzo Venezia na praça, um dos primeiros edifícios renascentistas de Roma e que serviu de sede do governo de Benito Mussolini.

                           Subir as escadarias do monumento vale por conta da bela vista que se tem lá de cima e para apreciar o mosaicos art nouveau da colunata. No primeiro lance de escada há o túmulo do Milite Ignoto (soldado desconhecido) e logo acima o Caffè Aracoeli.  O Museo Centrale del Risorgimento abriga objetos de diversas batalhas e há exposições a que se pode ter acesso pela entrada na Piazza Aracoeli. O interior é um labirinto de túneis romanos e medievais ao longo do subsolo do monumento.

 ABAIXO: a vista que compensa subir ao Altar da Pátria

                           Depois de visitar o Altar da Pátria desça sua escadaria e do seu lado esquerdo suba a escadaria que leva ao topo da colina do Campidoglio que por si já é uma beleza arquitetônica de gosto e beleza infinitamente superiores ao vizinho Vittoriano.  O lugar era importante tanto politica quanto religiosamente, já que aqui ficavam dois grandes e importantes templos romanos - o de Júpiter Capitolinus, pai simbólico da cidade, e o de Juno Moneta em 390 a.C. Seu nome Juno Moneta vem ‘moeda’ (moneta), pois aqui ficava a primeira Casa da Moeda romana.

 ACIMA: o Campidoglio

ABAIXO: vista do Forum Romano (desde o Capitolino) e escadaria da Santa Maria in Aracoeli

  

                         O projeto original da Piazza do Campidoglio não foi de foi Michelangelo, mas o de sua remodelação em 1530, encomendada pelo Papa Paulo III, uma obra que levou quase cem anos, já que naquela época os “clientes” já infernizavam a vida dos “arquitetos” alterando e inserindo novidades no projeto.  Subindo-se escadaria Cordonata - também projetada por  Michelangelo - tem-se uma bela vista da praça, especialmente da ornamentação de seu piso.  Do balaústre desta escadaria tem-se a bela vista e uma visão perfeita e de cima das estátuas dos gêmeos Castor e Pólux, inseridas no lugar  em 1583. Considerando tratar-se de uma praça “papal”, Michelangelo a orientou não para o lado do monte Capitolino de onde se avista o Fórum, mas para o lado da Roma papal.

 

Escadaria para o Campidoglio 

   

                         Na praça ficam o Palazzo Senatorio, a Câmara Municipal de Roma, projetado por Michelangelo, a Torre Campanaria, o Palazzo Nuovo e o Palazzo dei Conservatori, que abriga os Museus Capitolinos. No pedestal central da piazza havia a estátua eqüestre do imperador Marco Aurélio, onde hoje há réplica do original que fica abrigado no interior do Palazzo Nuovo. A igreja de Santa Maria in Aracoeli fica adjacente à praça.

 

  

                        Esta igreja - Santa Maria in Aracoeli, que fica na Piazza del Campidoglio 4,  é aberta à visitação das 9:00 às 12:30h e de 14:30 às 17:30h entre Novembro e Março, e de 9:00 às 12:30h e de 15:30 às –18:30h de Abril a Outubro. Geograficamente ela fica atrás do monumento Vittoriano e ao lado da escadaria para a Piazza del Campidoglio,  e ela mesmo tem uma escada de 120 degraus. Foi construída sobre o terreno onde já havia o templo de Juno Moneta. 

  

                         A atual igreja foi construída para os franciscanos no Século 13 e tem uma nave principal e duas laterais separadas por uma colunata de 22 colunas originais de outras construções da cidade.  O piso é de mosaicos e o teto é ornado com imagens que comemoram a vitória dos cristãos sobre os turcos na Batalha Naval de Lepanto em 1571.  Observe os dois púlpitos de pedra decorados com delicado mosaico. Na entrada principal fica a tumba de Giovanni Crivelli (1432), obra de Donatello.  Bem na subida da escadaria da igreja podem ser vistas as ruínas de uma casa chamada Casa dell'Aracoeli.

 

                       Mesmo que não se leve lá muito a sério a lenda de Rômulo e Remo, e de que Rômulo tenham fundado Roma aqui no Palatino, os arqueólogos encontraram vestígios evidentes de que o assentamento que havia neste local foi provavelmente onde Roma nasceu. Nas ruínas da muralha próxima à área do Fórum havia restos de cabanas primitivas do período entre os séculos 9 e 7 a.C., cabanas essas que teria sido a casa de Rômulo.

 

                        Descendo os degraus da Cordonata vire à esquerda na rua lateral ao Palazzo dei Conservatori e vá até o mirante de uma praça arborizada de onde se tem uma ótima visão do Fórum Romano e das ruínas do Tabularium, o arquivo oficial da Roma antiga

_____________________________ 

O Palatino e o Coliseu

                       No vale que se vê do mirante do Palatino - formado pelo espaço que fica entre os Montes Palatino e Capitolino - ficam estão o Coliseu e o Arco de Costantino. Desça em direção ao Coliseu pela Via dei Fori Imperiali, passando pelas ruínas dos Fóruns Imperiais, construções iniciadas pelo Imperador Nero no Século 7 a.C.,  destruídas pelo incêndio de 64 d.C. que depois transformou esta área num jardim do Palácio Domus Aurea.

 

Se queres ir para o Coliseu...siga aquele caminho... 

 

                        Por este caminho também se passa pelo Circo Massimo, lugar onde eram realizadas as corridas de bigas durante o século 4 a.C.O monte Palatino é uma das sete colinas de Roma, e nas suas encostas foram construídos o Fórum Romanoe o Circo Máximo, cujas fabulosas ruínas são uma das grandes atrações turísticas de Roma.   O nome deriva de Pale, o deus dos pastores.

 

 

                       Segundo a lenda da fundação de Roma, sobre o Palatino foi edificada a cidade quadrada de Rômulo. Já sítio habitado na idade do Ferro (como provam vestígios arqueológicos) acolhe também as ruínas mais antigas de Roma, como restos de muralha (séculos VI–IV a.C.) e uma cisterna.

  

  

                        Nestas ruínas havia  o centro cívico e político do Império Romano, que abrangia a Via Sacra, a rua de pedra que começa no Arco de Sétimo Severo, cruza as ruínas do Templo das Virgens Vestais, do Templo do Castor e Pólux, da Basílica Júlia – um templo pagão construído para reverenciar o imperador Julio Cesar - do Templo de Rômulo, do Templo de Saturno, e termina no Arco de Tito. Espeialmente interessante é passar pelo local onde ficam as oito colunas do Templo de Saturno e pela área arborizada onde havia a Basílica Julia.

  

 

                        Passear pelo complexo do Foro Romano nos proporciona ótima noção da grandiosidade do que foi o Império Romano e toda sua imponência. Ainda se podem ver perfeitamente os vestígios do calçamento, dos sistemas de esgoto, dos poços artesianos e de diversos prédios onde havia uma sociedade organizada e urbanizada. O prédio da Cúria Romana, o Senado Romano. Ainda que de 80 a.C. é um dos melhor conservados, dominando a área lateral ao Arco de Setimo Severo, no início da Via Sacra. 

 

 

                          Ao lado do Coliseu fica o Monte Palatino e seu grande complexo formado pelo Foro Romano e pela Casa de Augusto. Comece a visita pela manhã.  Minha maior recomendação aqui é levar água e algo para comer porque no interior do Coliseu e do Foro Romano não há onde comprar água nem comida (mas há banheiros).

  

                         O Coliseu fica na Piazza del Colosseo (junto à Estação Colosseo do Metrô) (Google Map (3) O acesso ao interior e aos subterrâneos custa €10 e inclui o acesso ao Palatino.  As enormes filas que invariavelmente se formam para a compra dos ingressos para visitação ao Coliseu muitas vezes desanimam o turista.  Todavia, se a fila estiver muito grande, vá à bilheteria do Palatino, sempre com filas muito menores, e depois retorne direto à entrada do Coliseu. A bilheteira fica depois do Arco de Constantino, em direção ao Circo Massimo e a saída do complexo é na altura do Arco de Tito, junto ao Cárcere Marmetino e de novo próxima ao Campidoglio. A caminhada é boa, tanto para ir quanto para retornar.

 

 

                         Il Coliseo – ou Colosso - foi o apelido que deram ao Amphitheatrum Flavium. Uma das sete maravilhas do mundo. O mais belo e imponente monumento da época imperial romana e o anfiteatro mais bonito do mundo, o Coliseu tinha uma colossal estátua de Nero que ficava próxima ao anfiteatro. Não há dúvidas de que ele está para Roma assim como a Torre Eiffel está para Paris: seus mais mundialmente conhecidos símbolos.

 

   

                        O Coliseu também é a mais famosa das construções da Roma Antiga, um espetacular estádio feito para divertir uma multidão de até 55 mil pessoas, palco das características formas de diversão romana, que diferentemente dos gregos, que faziam anfiteatros para apresentar teatro e música, servia como palco de de lutas sangrentas de gladiadores, homens contra homens e homens contra animais selvagens. 

  

                         Construído em 72 d.C. por Vespasiano na região do Domus Aurea de Nero, o Coliseu teve sua última restauração terminada em 2001, o que tornou possível a visitação de áreas antes impedidas ao público no interior da arena. No centro dela foi construída uma passarela de madeira coberta de areia que permite ótima observação dos subterrâneos, onde ficavam os elevadores que levavam os animais para a área de cima da arena.

 

  

                        Também é possível subir os degraus da arquibancada do Coliseu, de onde se tem uma vista extremamente interessante. Decorando o edifício, no seu topo havia colossais estátuas revestidas em ouro ao redor de uma arena com 500 metros de circunferência e é até hoje considerada uma obra fabulosa de engenharia com acessos e saídas muito semelhantes às dos estádios modernos. Duraram cem dias os festejos de inauguração do anfiteatro, em 80 d.C., período em que 5 mil animais foram mortos.  Mais tarde adotou-se a prática chamada "damnatio ad bestias”, uma sentença que determinava que ladrões e criminosos fossem jogados desarmados na arena para lutarem contra animais famintos.

  

                         Basicamente construído em mármore travertino e pedra calcária porosa, a imponente fachada caracteriza-se especialmente pelas arcadas decoradas com colunas dóricas, jônicas e coríntias, separando cada pavimento em que se encontravam. Seus quatro andares e planta em forma de elipse, eu eixo longitudinal de 188 metros de comprimento e 156 no eixo transversal, sua fachada de 48,50 metros de altura, seus 80 arcos de ingresso e seus muros externos cobertos de travertino, alternados por três filas de colunas são ainda hoje admiradas como um espetacular exemplo de engenharia monumental.

  

                      Os assentos eram em mármore e a arquibancada era dividida em três partes que seapravam as diferentes classes sociais: o podium, para as classes altas, as maeniana, para a classe média e os portici, em madeira, para a plebe e as mulheres (!).  A tribuna imperial ou pulvinar ficava no podium e tinha assentos reservados aos senadores e magistrados.  Havia rampas internas que davam acesso às diversas zonas de arquibancadas. Por cima dos muros havia o velarium, uma cobertura de lona para a proteção dos espectadores do sol e da chuva.  Nos subterrâneos ficavam os animais enjaulados e as celas e galerias de serviços. O Coliseu funcionou como arena de espetáculos até o período do Imperador Honorius, no século V.

 

 

                        Com a queda do Império Romano o Coliseu passou de arena para esportes sangrentos a fonte de matéria prima de pedra e mármore para a construção de palácios. Em toda a parte externa da arena podem ser vistos os buracos da pilhagem de peças de ferro e chumbo que fixavam as pedras. O anfiteatro foi abandonado e serviu até mesmo de abrigo de mendigos.

 

___________________________

O Arco di Constantino

Piazza del Colosseo. Metrô Colosseo - Google Map (4)

                          Ao lado do Coliseu, como se dele fizesse parte, fica o Arco de Constantino, aquele que está entre os últimos grandes monumentos do Império Romano, já que foi construído em 315 d.C., pouco antes de o imperador Constantino ir para Bizâncio (atual Istambul, Turquia).  Em honra à Batalha da Ponte Milvia, o arco é um dos bens melhor preservados da Roma Antiga.

  

                        Construído com a finalidade de celebrar vitórias, o Arco de Triunfo é um presente que a romanidade ofereceu à arquitetura. A cidade de Roma é cheia deles, sendo o mais importante, o mais bem conservado e também o mais recente, o Arco de Constantino.

 

                        A principal curiosidade acerca deste arco é que embora feito em homenagem a Constantino, não há elementos decorativos que lembrem sua figura, mas relevos do imperador Marco Aurélio (161-180) e ornamentos que celebrar a vitória de Trajano sobre os Dácios.  Dizem os especialistas que tal característica deve-se ao fato de que o estilo dos artistas do final do Império Romano usava a técnica de aplicar em tais arcos ornamentos e estátuas retiradas de outros monumentos mais antigos. Assim parece ser com os cinco medalhões que medem dois metros de diâmetro e que foram de outro arco, o Arco de Adriano, bem como as estátuas de oito prisioneiros dácios que foram retiradas do Foro Trajano.

                      As faixas estreitas em cima dos arcos demonstram o declínio das formas realistas na escultura clássica, em conseqüência da falta de artesãos habilidosos. Há uma na frente do arco a fundação do que foi uma antiga fonte de nome “Meta Sudans” (estaca que transpira). Este objeto foi considerado um símbolo fálico por Mussolini, que então o mandou demolir na década de 1930.

  

_______________

Il Palatino

Via di San Gregorio 30/Piazza di Santa Maria Nova 53. Metrô Colosseo - Google Map (5)

 

  

                        Tickets para o Forum Romano, Coliseu e Palatino podem ser comprados nas “biglietterie” do Largo Salara Vecchia ou da Via di S. Gregorio 30. Entrada pela Via di San Gregorio, 30 e Piazza di Santa Maria Nova, 53 – Colina Palatino.

  

    

                        Dos mitos e lendas aos montes em Roma, acerca de sua fundação os romanos elaboraram um complexo conto mitológico, o qual alega que a origem da cidade ocorreu no Palatino, em 753 a.C., e que ela foi fundada por Rômulo, irmão gêmeo de Remo, filhos do deus grego Ares, ou Marte, e da mortal Réia Sílvia, filha de Numitor, rei de Alba Longa. Um tal de Amúlio, irmão do rei Numitor, apoderou-se da coroa e aprisionou Numitor.

  

 

                       Réia Sílvia, coitada, foi confinada à castidade a fim de que Numitor, coitado, não tivesse filhos.  Entretanto Marte, que era Deus e podia tudo, como convém a um bom Deus, casou com Réia. Nove meses depois nasceram de parto normal os gêmeos.

                         Amúlio, muito p.... da vida, pegou os bebês, coitados, e os jogou no Rio Tibre.  Os gêmeos, afinal, não eram tão coitadinhos assim e acarbaram por ancorar na margem do rio e foram encontrados, vejam só (!), por uma loba, que, apesar de achar aquilo estranho, não estranhou o choro dos coitadinhos e tratou logo de alimentá-los com seu leite, pois pra ser uam boa lenda, a Loba acabara de ter filhotes e tinha saúde e leite suficientes para mais duas boquinhas, até que os bebês gêmeos bem nutridinhos foram achados pelo pastor Fáustulo, que os pegou da loba, que decerto ficou muito triste, e os levou para o seio de um lar humano, como convém aos humanos. Sua esposa os criou como filhos. Segundo a lenda, anos mais tarde Rômulo, foi o fundador da cidade e seu primeiro rei. A data de fundação de Roma é indicada, por tradição, como tendo sido em 21 de abril de 753 a.C.

 

 

                        O fato é que o Palatino foi a primeira colina a ser povoada e anos mais tarde tornou-se um lugar rico da Roma antiga, estratégicamente localizado acima do Fórum Romano e a boa distância da plebe rude lá do vale. A área era tão nobre que o Imperador Augusto construiu uma casa no lugar e outros imperadores que vieram depois dele gostaram da idéia e construiram não casas, mas palácios, o que tornou a área lugar de soberanos e sede do governo. 

 

 

                       O nome Palatino é o de uma das 7 colinas de Roma e turisticamente falando é um grande museu ao ar livre, o lugar onde estão o Circo Máximo e o Fórum Romano e residência de imperadores como César Augusto, Tibério e Domiciano. O Palatino, o mais antigo núcleo urbano da cidade fora chamado de Roma quadrata, designação dada por alguns escritores romanos a essa aldeia no começos do primeiro milênio.

   

                     Este talvez seja o lugar mais agradável, tranquilo e gostoso de Roma. Entre parques, jardins de oliveiras e laranjeiras, árvores e bastante verde, sobre a colina do mesmo nome, passeia-se calmamente por entre as ruínas da Casa de Augusto, do Criptopórtico - um túnel semi-subterrâneo construído por Nero tanto para o lazer quanto para rota de fuga -, o Domus Aurea, da Casa de Livia, do Domus Flavia, do Palácio de Sétimo Severo, do Domus Augustana, das Cabanas de Rômulo, do Templo de Cibele, até a entrada do Forum Romano

 

               Seguindo um caminho natural para o Forum Romano, depois de visitar o Coliseu, o passeio pelo parque do Palatino é dos mais agradáveis de Roma. Este era o endereço mais desejado de Roma no Século 1 a.C. e nela viviam poetas, escritores, além da nobreza.  Pode-se fazer o caimnho inverso, do Fórum Romano ao Palatino e Coliseu também, que os resultados não se alteram.

  

              É uma simples questão de escolha. Uma das mais belas construções do Fórum Romano, o Arco do triunfo de Septmio Severo, foi feito em 204 d.C. para comemorar a vitória daquele imperador e de seus dois filhos - Caracala e Geta -  em duas campanhas sobre os Partas em 195 e 203.  Próximo ao Domus Flavia há o Museu Palatino, onde estão expostos vários objetos obtidos em excavações na região do Fórum Romano e do Palatino. 

 ________________________________

Circo Massimo (Circus Maximus)

Via del Circo Massimo. Metrô Circo Massimo - Google Map (6)

                          Restam apenas vestígios do que foi o grande estádio de corridas de Roma, o Circo Massimo, e é possível apenas imaginar a pista original e vestígios dos assentos das arquibancadas, O Circo Massimo era a maior e mais antiga arena de Roma e nela faziam-se corridas de biga n século 4 ªC.  O imperador Júlio César ampliou o estádio para abrigar até de 300 mil pessoas que assistiam corridas de bigas – carroças puxadas por quatro cavalos, cujo percurso era de sete voltas. 

 

_________________

Fórum Romano

Via dei Fori Imperiali – Metrô  Colosseo -  Google Map (7)

 

                       Passear pelo Fórum Romano é a maneira mais impressionante e marcante de conhecer como era a vida política, comercial, social e judiciária da antiga Roma, a importância de Roma durante séculos no mundo. A Via Sacra é a avenida central do Fórum Romano, a qual une alguns dos pontos mais importantes de todo o complexo que vai do topo da Colina Capitolina até o Coliseu.

  

                      Esta via era movimentadíssima e esta era a área central em torno da qual se desenvolveu a Roma antiga, e para se chegar ao nível do que se vê hoje foram ncessários 200 anos de pesquisas arqueológicas e toneladas de terra retiradas,  revelando-se completamente o Arco de Sétimo Severo, as ruínas do Templo de Saturno, a Casa das Virgens Vestais, o Templo de Romulo, o Templo de Castor e Pólux, a Basílica de Constantino, o Templo de Saturno, o  Templo de Vênus e Roma,  a Basílica Aemilia e a Basílica Giulia,  o Templo de Vesta, o Aquarium Forense, os Mercados de Trajano, entre outras ruínas. Era nesse núcleo urbano que se desenrolava a vida cultural e social.

 

Para localizar cada atração no mapa:


Google Map (1)

http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&q=Piazza+Venezia+Rome&um=1&ie=UTF-8&hq=&hnear=Piazza+Venezia,+00187+Roma,+Italia&gl=br&ei=i7z6SueoLJOEnQe-npCCDQ&sa=X&oi=geocode_result&ct=title&resnum=1&ved=0CAoQ8gEwAA

Google Map (2)

http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&q=Piazza+del+Campidoglio,+Piazza+Campidoglio,+00186+Roma,+L%C3%A1cio,+Italia&um=1&gl=br&resnum=1&ie=UTF-8&hq=&hnear=Piazza+del+Campidoglio,+Piazza+Campidoglio,+55,+00186+Roma,+Italia&gl=br&ei=_f76SqSLBsihnQfq6pH-DA&sa=X&oi=geocode_result&ct=title&resnum=1&ved=0CAgQ8gEwAA

Google Map (3)

http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&q=o+Coliseu+de+Roma&um=1&ie=UTF-8&hq=&hnear=Anfiteatro+Flavio,+Piazza+del+Colosseo,+00184+Roma,+Italia&gl=br&ei=4hb8So-qCJPhnAfA2emMBQ&sa=X&oi=geocode_result&ct=title&resnum=1&ved=0CAgQ8gEwAA

Google Map (4)

http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&q=Arco%20di%20Constantino%E2%80%8E&um=1&ie=UTF-8&sa=N&tab=wl

Google Map (5)

http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&q=Via%20di%20San%20Gregorio%2030&um=1&ie=UTF-8&sa=N&tab=wl

Google Map (6)

http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&q=Via%20del%20Circo%20Massimo&um=1&ie=UTF-8&sa=N&tab=wl

Google Map (7)

http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&q=Via+dei+Fori+Imperiali+Roma,+L%C3%A1cio,+It%C3%A1lia&um=1&ie=UTF-8&hq=&hnear=Via+dei+Fori+Imperiali,+00186+Roma,+Italia&gl=br&ei=H04BS4znG4OCnQe1jo2OCw&sa=X&oi=geocode_result&ct=image&resnum=1&ved=0CAkQ8gEwAA

 

Reader Comments (30)

Lindas fotos!!!Roma me fascina, me encanta a cada esquina, a cada ruina. Alias, Roma sempre esteve no meu coracao; e olha que eu conheci a cidade num inverno chuvoso, chuvoso. Dessa vez, mesmo nao tendo conseguido subir no Altar da Patria - que a visita foi corrida, corrida - tambem peguei dias lindos assim. E o espaco pra Roma no meu coracao ficou ainda maior ;-)

Amoooo Roma! Com essas fotos lindas d+++ a saudade só aumentou!
O texto está incrível...Ler esse post foi como fazer esse roteiro novamente com direito a um guia histórico! Delícia! ;)

12:22 | Unregistered CommenterPaula*

Belíssimo! Que post espetacular! Corroboro que é possível ir a Roma e não ver o Papa (eu cheguei lá no dia que o Papa João Paulo II morreu) mas quanto aos mitos que vc não derrubou, o 9 me explicou muita coisa - recém saída de um relacionamento turbulento, fui até lá e NENHUM italiano me cantou, olhou para mim ou qq coisa semelhante. Já entendi que eles só olham para mulher acompanhada - logo, seu post será ótimo para minha 2a vez lá, programada para 2010/2011, devidamente acompanhada :-) Parabéns!!! Belas fotos tb, e um ponto de vista histórico sem seguir o roteiro das excursões.

15:42 | Unregistered CommenterCristina

Arnaldo, gostei de seleção de fotografias como: cadeiras, colunas, motos, carros, ciprestes, pinheiros e arcos.
Acho que Roma, a sua grandiosidade, merece todo um império...
As fotos do Forúm Romano são incríveis! Adorei.

15:42 | Unregistered CommenterCarmen

MARI, PAULA. CRISTINA e CARMEN, obrigadíssimo pela visitas e comentários! Prometo caprichar nos próximos

7:44 | Unregistered CommenterArnaldo

Roma é fascinante, atrai pessoas de todas as idades e origens, tanto pela sua história como pela grandiosidade de sua arquitetura. Parabéns pelas belíssimas fotos e excelente texto.
abraço
Marlene
http://prosadeviagens.blogspot.com/

Bom dia,
Meu nome é Wéverton Siqueira e te escrevo de www.trivago.com.br para lhe falar do novo jogo para o Natal trivago. Acho que pode ser muito interessante para você e para os leitores do seu blog, por isso eu achei que você pode publicar alguma coisa.
A fim de entregar a maior quantidade possível de presentes neste Natal e ajudar os internautas a visitar novos lugares em 2010, a rede social trivago criou um concurso online no qual mais de 200 noites em diferentes hotéis serão dados neste Natal.
Todos os prêmios são estadias em hotéis, pelo menos, duas noites com o café da manhã. Aqueles que quiserem participar só precisam escrever uma opinião em www.trivago.com.br a partir do dia 3 de dezembro até o dia 24 de dezembro. A opinião pode ser de um hotel, monumento, restaurante em todo o mundo.
Para cada dia do jogo será sorteado um hotel, por cada opinião escrita o usuario ganhará um cupom para participar do sorteio do dia e também de todos os sorteios seguintes até o final do jogo. Quanto mais opiniões escritas, mais números para o sorteio vai ter, tendo assim mais chance de ganhar. Por exemplo, se você escrever uma opinião em trivago hoje sobre o seu restaurante favorito, não só vai participar no sorteio para o prêmio dado hoje, mas para todos os prêmios a serem distribuídos até 24 de dezembro. E você poderá ganhar mais de uma vez, ou seja, conhecer vários lugares no Brasil!
Para garantir a imparcialidade na seleção dos vencedores terá sobre os resultados do sorteio de uma vez. Os números de todos os participantes será postada no fórum oficial da competição antes do sorteio.

O Jogo está disponível online em várias plataformas trivago internacionais. Especificamente no Brasil estão disponivéis quartos em hotéis em diferentes cidades em torno do país. O painel com todos os hotéis e os ganhadores serão também encontrados na página oficial da competição: http://www.trivago.com.br/static.php?&sid=2033&tld=br
Para participar basta escrever uma opinião: http://www.trivago.com.br/index.php?&screen=%2Fscreenform.php%3F%26pagetype%3Dopinion

Para qualquer questão pode escrever um e-mail para info@trivago.com.br ou weverton.siqueira@trivago.com.br

Aguardo retorno
Um abraço e agradeço sua atenção.

Arnaldo, essas fotos são realmente pra ver, rever, ver de novo, ver mais uma vez... um belo guia de Roma!! Fantástico!

0:54 | Unregistered CommenterTiago

Oi Arnaldo,

É sempre um prazer passar por aqui. Você é uma inspiração para quem gosta de viajar. Esse post sobre Roma está espetacular, meus parabéns.

Abraço e bom final de semana,

Cacau

8:40 | Unregistered Commenterclaudia

Arnaldo, que espetáculo.
As fotos, a narrativa, enfim, tudo!
Precisamos marcar um belo almoço lá no Trastevere!!
Quanto ao Dalva e Dito, estamos prontos!! É só marcar!
Melhor, vamos marcar degustando um "belo risotto"!
Até.

Muito bom o post, morando em Roma a 5 anos e apaixonada pela cidade, gostei.... Convido a conhecer a Roma contemporanea, indo para regioes mais afastadas... mas os turistas (como na minha primeira viagem) querem ver o classico é normal, sempre que passo de onibus pelo Colosseo, Foro....etc...ainda fico impressionada. Mas tambem adoro a Roma multietnica, os parques....
Acredite, ainda nao vi o Papa, mas sempre estou la na cidade do Vaticano, nos Museus do Vaticano...etc... rsssss
Realmente Roma é magnifica, muita historia.... é dificil fazer um "resumo".... rsss
e...Parabens pelo Blog....

Tanti saluti
Gi, Roma

6:17 | Unregistered CommenterGi

Ai, Arnaldo, deu a maior saudade de caminhar, caminhar, caminhar em Roma! :-)

RACHEL VERANO, muito bom te "ver" por aqui. Grato pela visita.

10:01 | Unregistered CommenterArnaldo

Parabens pelo excelente post, pelas fotos, pelos comentários sempre pertinentes e por vezes engraçados(rsrsrs)...cheguei por acaso ao seu blog quando procurava uma imagem do prédio da suprema corte americana para ilustrar um artigo a ser publicado. Fui direcionado ao post sobre a capital americana, os seus diversos monumentos e atrações disponíveis, no entanto, fiquei impressionado mesmo com a sua capacidade em transportar o leitor, através das imagens e descrições, ao lugar visitado.

Parabens pelos roteiros e sempre visitarei o blog para planejar as próximas aventuras no exterior.

19:28 | Unregistered CommenterFelipe

Oi Ronaldo,
Nossa, suas dicas serão meu guia na viagem a Roma! Lindas fotos e belíssimos textos. Estou com uma dúvida terrível quanto a localização do meu hotel, que fica vizinho ao Vaticano, na via Aurélia. O que vc acha da localização, em termos de distância em relação aos pontos turísticos principais de Roma? Na verdade, achei os hotéis mais centrais (próximos a Termini) caros para as acomodações que oferecem. Teria algum que vc sugeriria? Conhece o Hotel Rex (em frente ao Teatro dell'Opera)? Desculpe-me as perguntas "em cascata" :) Se puder me ajudar, agradeço.
Parabéns pelo trabalho!

21:53 | Unregistered CommenterMarcella

Desculpe-me pelo erro no nome, ARNALDO :)

22:21 | Unregistered CommenterMarcella

MARCELLA, andar em Roma é relativamente fácil, portanto, ficar próximo ao Vaticano pode ser efetivamente "longe" da área do Capitolino, Forum Romano, Coliseu, medianamente "longe" da área da Piazza de Spagna (Escadaria Espanhola) e da Fontana di Trevi, mas é um lugar relativamente mais calmo e também bem perto do castel Sant'Angelo.

A área mais próxima da Termini não é das melhores do ponto-de-vista da localização, mas sim da proximidade das primeiras atrações acima e relativamente das segundas, todavia não é dos locais mais simpáticos para ficar.

Hospedagem em Roma é muito cara em comparação com a maioria das Capitais européias e o padrão da maioria dos hotéis inferior também, especialmente quanto à relação custo X benefício.

Assim, acho que para ficar na melhor área de Roma - isto é, mais perto da Via COndoti e da Escadaria Espanhola - você desenbolsará muito mais do que onde optou, próximo ao vaticano.

Andar será sempre uma necessidade em Roma, seja lá onde ficar na área turística e central da cidade, portanto, sua escolha é adequada e racional.

Quanto ao HOTEL REX, está razoavelmente bem classificado no Tripadvisor (um site de avaliações de hotéis que vale a pena conferir:

http://www.tripadvisor.com/Hotel_Review-g187791-d205129-Reviews-Hotel_Rex-Rome_Lazio.html

Ele está muito bem recomendado justamente por sua localização, mas não o conheço.

Hospedei-me uma vez em Roma no Hotel Barberini, que gostei bastante tanto em relação à localização quanto na relação custo X benefício:

http://www.tripadvisor.com/Hotel_Review-g187791-d229056-Reviews-Barberini_Hotel-Rome_Lazio.html

Sobre hotelaria em roma, eu até já escrevi aqui no F&F sobre o assunto, como também sobre o Barberini. Confira:

http://interata.squarespace.com/jornal-de-viagem/2006/4/28/roma-hotelaria.html

8:19 | Unregistered CommenterArnaldo

Boa tarde Brasil!

Depois deste autêntico compêndio histórico publicado pelo professor Arnaldo Interata, já pouco ou nada resta acrescentar.
No entanto, e apenas a título de curiosidade e como experiência própria, acrescentaria que utilizar o autocarro em Roma é, para além de uma experiência antropológica como refere (e bem!) o Arnaldo, um desafio! - ou seja, tentar entrar no autocarro pela porta da frente, de trás, do meio (qualquer uma!) em hora de ponta quando o mesmo pára numa paragem. Presenciei e vivi várias vezes cenas dignas de qualquer filme dos Monthy Pyton! Assim que o autocarro pára, uma enxurrada de pessoas apressa-se a sair porta fora, ou melhor, portas fora, enquanto uma outra enxurrada de pessoas tenta ao mesmo tempo entrar porta dentro, ou melhor, portas dentro. O resultado fica à imaginação de cada um...
Quanto aos romanos serem barulhentos, penso que é um elogio muitíssimo lisongeiro, já que na minha modesta opinião os romanos são hiperbolicamente ruidosos, deixando até os espanhóis envergonhados!
Em relação aos hoteis aconselhava a comentadora anterior (Marcella) a ter cuidado, muito cuidado mesmo com a escolha do hotel. É que nesta questão pode residir o facto da viagem de sonho se tornar num pesadelo infernal! Em primeiro lugar nunca aconselharia um hotel com menos de 4 estrelas, mas sempre sujeito à utilização de uns tampões para os ouvidos de altíssima qualidade e eficiência, não só derivado ao ruído porventura vindo do exterior, mas principalmente derivado ao barulho emitido no interior do hotel! Portanto, 3 regras essenciais: escolher um hotel num local relativamente sossegado (o que é difícil), tentar saber que tipo de fauna costuma frequentar o hotel e escolher, se possível, um quarto o mais resguardado de ruas, recepções, corredores interiores movimentados e elevadores.
Por último desejar que a sorte acompanhe a Marcella.

Saudações do Roadrunner!

12:52 | Unregistered CommenterROADRUNNER

Arnaldo,
adorei que escreveu de Roma...cidade que me cativou assim que cheguei lá!
Fiquei com tantas saudades...lembrando de tudo! (Só queria que as minhas fotos fossem essas...e seria facil pois peguei dias de sol assim como esse)
Ah e a minha dica de ir ao Coliseu é no final da tarde. Passei lá de manha e ti ha uma loooonga fila...mas por volta de 4 horas da tarde nada de filas!

0:24 | Unregistered CommenterCarlaZ

Excelente descrição, um verdadeiro livro de historia

Shizue Fukuda

Gente, maravilha de relato sobre Roma! Caí aqui procurando imagens romanas para uma crônica que ando escrevendo e deparei com o site do Arnaldo, que por sinal, é maravilhoso!
Olha, estive em Roma em agosto e recomendo um hotel que é 4 estrelas e achei muito bom, o Hotel Carpegna, fica em lugar bastante arborizado fora de barulho e trânsito, os quartos são bons, há piscina e bom atendimento no bar e restaurante.
bacios...de MLucia

este post e magnifiko aadoro roma e tmb gosto muito da sua mitologia...

Much like the rest of Italy, Rome is predominantly Roman Catholic, and the city has been an important centre of religion and pilgrimage for centuries, the base of the ancient Roman Religion with the pontifex maximus and later the seat of the Vatican City and the pope.

13:44 | Unregistered Commentercastors

Olá Arnaldo, gostaria de saber em quantos dias se faz esse roteiro?
Ficaremos em Roma 4 dias inteiros.
[ ]s
Ieda

20:01 | Unregistered CommenterIeda

Seus 4 dias inteiros dão muito bem para fazer todo o roteiro e algo mais. Boa viagem!

Eu e meu marido iremos à Roma, em final de março. Já estava entusiasmada com a viagem (com todo o seu contexto histórico), mas agora com a leitura.....estou aflitaa para chegar logo!! rsrs
Meu maior interesse de visitar é o coliseu adjacências, estou escolhendo um hotel perto do metrô colosseo. Você acho um bom lugar?
Roma antiga me fascina e as suas exposições, me fez viajar a esse tempo. Parabéns e obrigada!

10:56 | Unregistered Commenterleila

O Grand Hotel Palatino (Via Cavour, 213, 00184 Roma) é uma ótima opção para você, levando em conta o lugar onde vc pretende ficar.

Aqui está uma relação de hotéis próximos ao Metro Colosseo:

http://maps.google.com.br/maps?oe=utf-8&rls=org.mozilla:pt-BR:official&client=firefox-a&channel=fflb&um=1&ie=UTF-8&q=hotel+perto+do+metr%C3%B4+colosseo&fb=1&gl=br&hq=hotel&hnear=0x132f61b6c5b92a77:0x383f9a06b7b00ba3,Colosseo&sa=X&ei=Ba-OUJelMdLW0gHTxoHQCA&ved=0CIsCEMgT

No Hotéis.com também há uma relação de opções no mesmo lugar:

http://www.hoteis.com/de1701491/hoteis-proximos-a-stazione-metro-colosseo-roma-italia/

Feita sua escolha, sugiro também verificar no Tripadvisor os comentários sobre o hotel:

http://www.tripadvisor.com.br/HACSearch?geo=187791#02,1351528601031,th_name:SColosseum%20%28Colosseo%29|%20Roma|%20It%C3%A1lia,th_type:SATTRACTION,th_value:S192285,th_coords:S41.889866|12.493193,th_url:S/Attraction_Review-g187791-d192285-Reviews-Colosseum_Colosseo-Rome_Lazio.html,poi:S41.889866|12.493193,newPoi:S1,rad:S1_2km,sponsors:A

Boa viagem

Boa Tarde Arnaldo

Voltei de Roma nesta semana. Adorei a cidade e não fui ao Vaticano, pois não era minha prioridade. Todos os meus dias em Roma foram para conhecer sua parte histórica e turística. Adorei rever nas suas fotos os locais que visitei, apesar de ter fotografado tudo e muito mais! Roma é uma cidade cara, mas é imperdível. Fiquei em um ótimo hotel próximo ao Coliseu - Hotel Lancelot - super silencioso, limpo, ótimo café da manhã, instalações espaçosas e uma equipe de funcionários muito amáveis e solícitos. Eu recomendo este hotel, fui sozinha e pela primeira vez a Roma; achei-o uma excelente escolha. Fui a Roma, a vi e realizei um sonho. Vaticano ?? Fica para uma próxima ida!
Abraços
Maria Esther

Caro Arnaldo

Mais uma vez vc nos oferece espetaculares fotos e fatos

Muito Obrigada

Maria Esther

Boa Noite Arnaldo , nossa fiquei muito feliz de achar o seu Blog , suas dicas são ótimas , acabei de comprar minhas passagens para Roma , e meu marido , meu filho e eu estamos contando as semanas que faltam para nossa viagem , e seus comentários foram ótimos, as fotos , tenho ideia do que faremos em uma semana, se voce tiver alguma sugestão ????
grazie

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.