MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« SÍRIA: Malula - Mosteiro de São Sérgio e São Baco | Main | JORDÂNIA: Castelo Ajlun »
Segunda-feira
Set142009

SÍRIA: Ma'alula - Convento de Santa Tecla e os Cristãos árabes

                           

                      SE parece curioso e incomum um castelo medieval em plena Jordânia, o que dizer de um convento cristão ortodoxo, encaraptado nas escarpas das montanhas de Malula, na Síria?  

 

                     O Convento de Santa Tecla é um dos últimos lugares do planeta onde se fala aramaico -  a lingua de Jesus -  e onde missas são rezadas no uase extinto idioma, onde rezam-se missas com Pai Nosso em aramaico em uma igreja convento onde ainda residem duas dúzias de freiras, em plena região montanhosa da Síria. É uma atração no caminho entre Damasco e o Krak des Chevaliers, ainda que não seja o único exemplo de igreja católica ortodoxa no país.

    

                           ESTAMOS em Ma'alula, Maalula, Maaloula ou Malula, a 50 quilômetros de Damasco. Estima-se que suas casas incrustradas nas rochas fazem parte da paisagem há mais de 7.000 anos!

 

    

                            MA'ALULA significa "entrada" em aramaico. Diz que seu nome deriva de uma lenda, que evoca a herança religiosa da cidade. Santa Tecla, uma bela mulher jovem discípula de São Paulo, teria fugido de sua casa onde atualmente é a Turquia após seus pais pagãos a perseguirem por causa de sua nova fé cristã. Ao chegar a Malula ela encontrou seu caminho bloqueado por uma montanha. Rezou com fé e as rochas se dividiram em duas e um riacho fluia sob seus pés.

    

                      NÃO se sabe exatamente se foi em Isaúria ou na Licaônia, Turquia, o local onde a virgem mártir Tecla nasceu. O que se sabe é que é uma das figuras mais importantes dos tempos apostólicos, muito celebrada entre os gregos.

    

 

                      SANTA Tecla é invocada pelos fiéis devotos como a padroeira dos agonizantes e também solicitada para interceder por eles contra os males da vista. A Igreja confirmou o seu culto pela tradição dos fiéis e manteve o dia em que já habitualmente sua festa é realizada.

   

 

                            ESSA pequenina cidade síria, a Noroeste de Damasco, é uma  comunidade católica ortodoxa encravada num país muçulmano, mas sobretudo famosa por ainda falar o aramaico do tempo de Jesus. Aidna que o seu padroeiro seja São Sarkis, o Convento de Santa Tecla  seu ponto turístico principal.

    

                     CERCA de vinte freiras vivem no Convento de Santa Tecla, cuidando de um pequeno orfanato. ("Nós ensinamos o Pai Nosso para as crianças em aramaico, mas apenas ele, porque tudo mais é ensinado em árabe.  Há um templo na encosta da montanha onde Santa Tecla teria vivido, com uma árvore crescendo horizontalmente a partir dali.

     

                            ESCONDIDA numa garganta nos pés das montanhas Anti-Libano, Maaloula serviu de refúgio à minúscula comunidade cristã do oriente próximo, desde os tempos romanos. O isolamento da cidade fez preservar a idioma de Cristo até os dias de hoje, ainda que sua tendência seja extinguir-se. Ao contrário do restante do país, a populaçõ é 90% cristã e 10% muçulmana.

 

                              A cidade por si já é interessante, com casinhas brancas e azuis encarapitadas nas paredes escarpadas das montanhas e vale uma visita a caminho de Krak des Chevaliers, o que faz de ambas um passeio de um dia extremamente atraente a partir de Damasco. Fica a cerca de 45 minutos de Damasco, na auto-estrada para Homs.

 

                             A cidade tem relevo montanhoso curioso, grandes escarpas. Numa delas fica o Convento de Santa Tecla, encarapitado ao longo do canyon que integra a cadeia de montanhas que cerca a cidade, a 1500 metros de altitude. Quase todas as casas são contruídas encravadas nas encostas, umas sobre as outras.

     

    

 

 

                             A Igreja Ortodoxa Grega afirma que está na região desde época da queda de Jerusalém, quando o centro do cristianismo no oriente passou a ser a cidade de Antioquia. Embora estivesse localizada no atual território da Turquia, Antioquia exercia influência sobre a Síria devido à sua proximidade geográfica.

                             AS igrejas cristãs do Oriente são minoritárias, formam alguns poucos Patriarcados sob boa diversidade ritual e linguística.  A influência do cristianismo ocidental na Síria passou a ser significativa a partir de 1890, devido à influência das escolas cristãs sobre os governantes sírios.  Mas as igrejas sofrem muitas pressões, assim como seus fiéis.

 

                             NO lugar mais alto da construção do convento há uma caverna onde o visitante pode ver uma preciosidade histórica, a imagem da Virgem Maria pintada por São Lucas, e por isso mesmo um lugar de peregrinação de católicos. Tiram-se os sapatos e dá-se uma volta pelo cubículo, recebe-se uma garrafinha de água mineral da fonte natural, água benta, diga-se de passagem, e vêem-se ex-votos e objetos da igreja.

    

                             O aramaico, essa lingua tão antiga, é falado na cidadezinha cristã de Maalula, na Síria, assim como nas cidades muçulmanas de Baca e Jubadin, no lado sírio das montanhas Anti-Líbano. São pessoas que de grandes cidades da Síria e que falam o árabe fluentemente e preservam o aramaico.  Enquanto visitava o convento assisti e ouvi trechos de uma missa rezada em árabe, um rito curioso e bonito.

Reader Comments (10)

Arnaldo,

Você comenta no seu post que Ma'alula seria uma boa parada entre Damasco e o Krak des Chevaliers e que fez essa visita em um passeio de um dia.

Estou pensando em fazer essa viagem também, e queria saber que meio de transporte você usou e se você não achou que ficou muito corrido?

Obrigado pelas dicas,
Gabriel

12:11 | Unregistered CommenterGabriel

Que lindas construcoes em pedra!!! Belissiimo bate-e-volta!

ola Arnaldo, tudo bem?
mandei uma twittada para você na sexta passada e achei legal deixar um recado aqui também.
Eu trabalho em uma agencia de publicidade e gostaria de entrar em contato com vc,
podemos nos falar por email?

abs

11:38 | Unregistered CommenterLuana Mita

Sim LUANA, por favor me deixei seu e mail

16:24 | Unregistered CommenterArnaldo

Olá. Gostaria de compartilhar uma novidade do Hotel Bangalôs da Serra, de Gramado/RS. O minizoo do local recebeu novas aves exóticas. Vale a pena conferir as novidades.
Obrigada pela atenção,

Bangalôs da Serra

Oi, Arnaldo.

Descobri seu blog por acaso e fiquei simplesmente fascinada, passo horas nele. Adoro fotografias de viagem, sou amadora, mas também tiro muitas fotos quando viajo.

As suas fotos são de tirar o fôlego. Também tenho a mania de fazer relato de viagem, faço isso desde 1993, minha primeira minha viagem fora do Brasil. Vendo seu blog, você tornou-se um referencial e me estimulou a começar a fazer o meu. Sou principiante, 100% amadora, prtanto suas criticas serão bem vindas.

Um abraço!

VERA MMARQUES, obrigado pela visita e comentário. Fico feliz que a tenha estimulado a publicar seus relatos e fotos de viagens e orgulhoso por ter sido seu incentivador e o Fatos & Fotos de Viagens sua referência.

Espero que você retorne aqui deixando o endereço de seu blog!

Outro abraço!

Oi Arnaldo
O endereço do blog - www.lugareseolhares.com
Com certeza sua opinião sera de grande importância para mim.
Estou adorando fazer-lo.
obrigado!!!!
Bom fim de semana

Ma'alula: eu não conhecia o lugar, mais agora despois de ler o seu blog, eu sei um pouco, um pouco mais da área do Líbano e Síria. Para mim essa é uma descoberta interessante.
Incrível o Convento de Santa Tecla!
Um saludo.

9:34 | Unregistered CommenterCarmen

Nossa! Que lindas fotos. Gostaria muito de ter a oportunidade de ir um dia. Realmente, a Igreja perdeu muito com a separação da Igreja Oriental. Tanto na cultura quanto na espiritualidade. Enfim, somos irmãos e rezo para que eles se unam novamente á nós. Abraços e obrigada pelo registro cultural.

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.