MENSAGEM ao LEITOR
BIO

BEM-vindo!

Sou brasileiro, casado (com a doce Emília, do blog "A Turista Acidental"), empresário, 62 anos. Viajo internacionalmente desde os 35. Visitei 60 países (para onde alguns já retornei tanto que me tornei  íntimo) em 91 viagens internacionais, por cerca de 40 cias. aéreas diferentes em 391 vôos. Segundo o Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo que já esteve em 160 países -, em seu site Viajologia, isso equivale a ter "Mestrado" . Seja como for, se eu conseguisse definir o que isso significa em termos de aprendizado e formação, diria que foi ter compreendido que quanto maior a flexibilidade de adaptação aos ambientes, mais e melhor consigo extrair deles. 

Meu objetivo primeiro aqui é produzir conteúdo de qualidade. Tenho tanto prazer nisso quanto viajar,  escrever e fotografrar. Mas sendo verdadeiro, honesto e confiável.  Não imito ninguém e acho que ninguém deve fazê-lo. Inspirar-me, sim. Faço isso com freqüência. E é bem fácil, porque há uma constelação de escritores excepcionais.

Estou sempre pensando na próxima viagem. E sempre saio de casa receptivo a gostar do destino. Tenho bom-humor viajante. E depois, o que escrevo e publico é honesto, sem truques ou disfarces para atrair leitores,e sobretudo jamais para enaltecer o que vi e não gostei, mas fui pago pra fazê-lo. Escrevo antes de tudo com sentimento, o que nome do blog já revela: sobre viagens, reflexões pessoais sobre o tema e um modo de viver a vida. Antes, durante e depois de viajar. Talvez por isso meu blog já tenha sido usado para teses de mestrado, por três vezes, e eu convidado a escrever numa revista de viagens brasileira: a Viagem e Turismo, no tempo em que era boa. 

Ser honesto é algo que as pessoas com bons instintos (ou sexto sentido) logo percebem. O contrário também. Honestidade aplica-se tanto na vida presencial quanto na virtual. É muito fácil  perceber quem tem boas intenções, boas maneiras e não está apenas atrás de algo que quer ou precisa. A qualquer custo. Inclusive passando por cima da honestidade. Na enorme comunidade de blogueiros de viagens conheci muita (muita mesmo!) gente boa. Alguns poucos tornaram-se amigos pessoais. Desses de frequantar a casa. E como em qualquer ambiente, também gente inconveniente, interesseira e intrometida. Felizmente também aqui consigo manter distante os inconvenientes e próximos os encantadores.

Mas, que relação isso tem com você? Para mim é a maneira de compartilhar experiências, incentivá-lo, motivá-lo, inspirá-lo a viajar, sem todavia guiá-lo. E se algum pedir, dar-lhe-ei  dicas e tirarei dúvidas. Para amigos, parentes e pessoas de nosso círculo de relações pessoais que nos seguem, mantê-los informados.

Ocasionalmente escrevo para destacar o que me agrada ou não na blogosfera de viagens, na Internet, nas redes sociais, nas revistas e na literaturade de viagens. Especialmente desde quando parte dos blogueiros focou seu interesse na profissionalizaçãode seus blogs, dedicando-se mais ao Facebook, Twitter e Instagram do que aos seus blogs. E o que era uma alternativa bem legal para os viajantes, tornou-se um negócio insosso. Uns eram apenas feios, mas cheios de boas coisas. Havia outros bonitos mas cheios de porcarias. O pior é que hoje são os dois: feios e ruins. A maioria, preocupada em ganhar audiência pra tentar ganhar dinheiro, tornou o que era produzido sem pretensões ou vínculos, nalgo cujo interesse é comercial, perdendo o sentido original, trocando pelo interesse econômico o contexto da sociabilidade, da troca legítima e desinteressada de informações, da liberdade e da autonomia. Tudo o que passou a determinar as postagens destes blogs. Ou seja, danem-se a ética e o leitor. O que importa agora é ganhar dinheiro. 

Não é o jornalismo que está em crise, mas nós, que não estamos nem aí para a ética e a qualidade. Nos tornamos consumidores de coisas descartáveis, de informação produzida, divulgada e consumida superficial e ligeiramente. Tudo descambou numa enorme banalidade, para que o conteúdo seja ao máximo simplificado, a fim de que pensemos menos e consumamos mais. É o fast-food digital. Quem produz algum conteúdo na Internet sabe que a atenção do leitor é cada vez menor, aproximando-se do que já se pode medir em segundos. É como tirar fotos com um tablet, e imediatamente postá-la no Instagram. Recebemos uns likes e nos fartamos com isso.

Fotografar também faço com o mesmo gosto que tenho por escrever. Mas não sou fotógrafo, eu "tiro" fotos. Posso até fazer fotografias classificáveis como "amador avançado", mas amador. Nunca fiz cursos de fotografia. Assim como também não de redação. Adoraria ter cursado jornalismo. Se não o fiz, não considero-me "escritor" de viagens, senão alguém que escreve relatos das que faz.

Ainda temos cerca de 40 países que desejamos (e pretendemos) visitar, além dos que já estivemos e desejamos voltar. A eles estamos dedicando nosso tempo em viagens. Burkina Faso, Gana, Togo e Benin, e Sri Lanka, provavelmente serão os próximos.

O que eu escrevo é besteira ou toca você? Como você pensa? Vá em frente, comente! Há sempre algo a aprender com o que você disser aqui.

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« MARRAKECH: O Hotel La Mamounia | Main | Guias de Viagens. Com que guia eu vou? »
Terça-feira
Fev022010

MARRAKECH: Um sonho oriental - Introdução  

   

A Torre da Mesquita Koutobia, Marrakech - Foto de MARCP DMOZ no Flickr 

                         Ela é assim, sensual e sedutora.  Envolve, tem feitiçoAinda que impossível seja defini-la em tão poucos adjetivos (*), os efeitos de sua sedução serão inegáveis e definitivos: primeiro ela atrai, depois seduz e, por fim, cativa.  Estará sempre recorrente na memória, pronta a nos trazer de volta. Depois da primeira vez estaremos eternamente sob seus domínios.  É um daqueles lugares mítico-místicos nos quais parece haver uma atmosfera encantada pairando sobre ela, sobre nós.  Primeiro estranha-se, depois entranha-se (1).   

                        Marrakech encarna em si mesma todas aquelas idéias e estereótipos da cultura muçulmana e das tradições do Marrocos que todo ocidental carrega consigo, especialmente aqueles que na infância leram algum conto das "Mil e Uma Noites". E o faz como nenhuma outra tão completamente, ainda que imperiais e igualmente genuínas sejam Fez e Meknes.  

 

Na Medina de Marrakech e Praça Djemaa el Fna - FOTOS de André Pipa no Flickr

                        É a cidade marroquina onde as culturas africana, árabe e européia mais se entrelaçam. Um país reconhecido pela tolerância na mistura de culturas e religiões, assim como pela incrível hospitalidade.  E é essa mistura fascinante de culturas, história, artes comida, música e arquitetura que faz do Marrocos um destino tão surpreendente quanto inesquecível.  Os labirintos encantados e encantadores, os bazares nos souqs da medina, monumentos históricos incríveis, o povo amigável, a neve sobre o cume das deslumbrantes Montanhas Atlas, são as marcas mais relevantes e impressionantes desta cidade às portas do Saara. A vibrante e tentadora mistura de África do Norte com Oriente Médio, com uma pitada européia, desperta todos os sentidos e marca o viajante.

                         Desde que a conheci, 16 anos se passaram. De quando retornei, 8 já se foram.  Agora - sob os efeitos perpétuos de sua sedução - volto a ela na esperança de encontrá-la ainda mais sedutora. E no desejo de reencontrá-la percebo ainda mais e novos motivos para retornar. Daquela época para cá a cidade evoluiu, reposicionou-se, adaptou-se e cresceu. Requalificando-se ao longo dos anos, ampliou seus já extraordinários apelos. Agora parece estar completa, atende a gregos e troianos, desperta os mais diferentes interesses, adapta-se aos mais diversos propósitos, atende às mais variadas rendas per captas e ainda é uma deliciosa cidade.   

                          Estilo, Marrakech tem estilo. E para o viajante com gosto e bons olhos para a arte da arquitetura, decoração e ornamentação, não seria exagero reservar dois dias inteiros para conhecer alguns dos melhores e mais estilosos Riads da Medina da cidade, sofisticação acessível e exotismo autêntico.

   As muralhas de Marrakech, o Palmeiral e as Montanhas Atlas - FOTO de Zé Eduardo no Flickr 

                          Chamam-na “vermelha”, mas sua cor dominante é rosa, onipresente nas casas.  Sim, são rosas as paredes rústicas de Marrakech e dos mais diferentes tons daquela cor. Da quilométrica muralha da Medina aos edifícios ao redor da Praça Djemaa el Fna, ela é rosa, romântica e chique. Também é ocre, aqui e ali, vermelho-terra, monocromática.  Pode-se dizer que é da cor saariana, afinal, o deserto está logo ali. E são justamente as areias do Saara que separam os dois Marrocos: o que fica ao sul e o que fica ao norte das Montanhas do Alto Atlas.  Ao norte, a monumentalidade das cidades imperiais, ao sul e no centro as belezas naturais. Mas Marrakech não nos obriga a atravessá-lo, estamos perto sim, muito perto das areias do Saara.  Em Marrakech as cores são emolduradas pelo branco da neve das Montanha Atlas e pelo verdejante palmeiral, oásis logo ali, depois dos limites dos muros da Medina, a cidade medieval.

Avenue Mohamed V, Marrakech - FOTO de Sarfraz hno Flickr

                          Sherazade ainda mora aqui e tantas outras “Mil e Uma Noites” se passarão até que ela se vá (2), protegida pelos 16 quilômetros de muralhas. Provavelmente habita não mais um palácio, mas um Riad na Medina, um meio de hospedagem que concentra em si todo o romantismo, mistério e exotismo das lendas das mil e uma noites árabes.  Sensualidade, história e tranqüilidade são alguns dos itens que se encontram num Riad, a hospedagem que concentra tudo o que se espera de um lugar para dormir na autêntica Marrakech. 

 

Mulher na Medina e Aguadeiro -  

FOTOS de David Dennis e Jose Miquel no Flickr  

                         Epicentro do turismo marroquino, ainda que sendo um bom exemplo do que o turismo de massa pode trazer de bom e de mal para uma cidade - aqueles mesmos cujos efeitos do bom e de duvidosos gostos se percebem e se misturam -  ainda há muitos bons motivos para ir e voltar indefinidamente.  Embora nem sempre investimentos sejam acompanhados de bom gosto, Marrakech consegue se impor mais pelo lado bom do que pelo ruim.  Sentiu, sim, os efeitos não positivos de tanto prestígio turístico internacional e da sanha investidora estrangeira, mas também tirou deles o que há de melhor.  Não resta dúvida de que Marrakech permanece uma cidade com grande visibilidade internacional, excepcional destino turístico e também, agora, um novo pólo de animação - vida noturna bem ao estilo Ibiza de ser. Também de relaxamento, à moda dos SPAs orientais, porém com um jeito “hamman” de ser.  

  

Rosa e ocre - FOTOS de Sarfrazh no Flickr

                          Todavia tenha ocorrido alguma perda de identidade aqui e ali, a cidade ainda é honesta, consegue manter bons segredos bem guardados. Muitos deles vão se revelando aos visitantes que circulam pelas estreitas vias dos souqs ou pelas largas avenidas da Medina e da cidade nova, sejam eles os de primeira, de segunda ou de terceira hora, como eu. Marrakech é um desses destinos que encerram uma “viagem além da viagem”. O Marrocos não decepciona um bom viajante. Tampouco os marroquinos deixarão de surpreendê-lo com seus sorrisos abundantes, simpatia freqüente, hospitalidade genuína, especialmente com brasileiros.  Eles riem, olham nos olhos, são atenciosos e calorosos conosco.

Arilines.Net - Air France em Casablanca

 (*) Ainda que plenos de sentido, prometi banir os adjetivos “exótica”, “mágica” e “misteriosa” na qualificação de Marrakech nesta matéria, a despeito de meu apetite por tudo o que é exótico, mágico e misterioso em viagens.  São tão comuns e desgastados, os encontrei em tão grande profusão em tudo o que li sobre o país e sua cidade mais emblemática -  de guias turísticos a blogs, matérias de jornais a revistas - que os três termos ainda que encerrem em si definições tão evidentes quanto óbvias tornaram-se num curioso, estimulante exercício (confesso que quase impossível, ainda que divertido!)  escrever sobre esta cidade tentando definir sua Medina e seus souqs sem usá-los. Creio mesmo que não atingi meu objetivo e deva ter “escorregado” na intenção. É possível que o leitor encontre ao menos um deles ao longo do texto. Ganha um “obrigado” especial aquele que identificar qualquer um dos três termos e apontar onde estão. 

Aeroporto Menara Marrakech - FOTO de Breezerburn no Flickr

______________________________________________

Quatro dias de sonho oriental -  Nossas experiências únicas, ao vivo de Marrakech

                          Prestes a realizarmos nosso sonho oriental, visitaremos Marrakech em quatro dias que prometem, cultura, tradição, simplicidade, diversão, fotografia e experiências que esperamos tornarem-se inesquecíveis.  Estamos certos de que nossa expectativa com a cidade será multiplicada muitas vezes e nos surpreenderemos positivamente, sobretudo e mesmo ainda depois de tudo o que pesquisamos e lemos sobre a cidade. Se tivermos tempo e oportunidade faremos um passeio de um dia a partir de Marrakech para as Montanhas Atlas ou a Ouarzazate. Ainda, visitaremos um mercado bérbere, almoçaremos numa Kasbah, passearemos de camelo e, quem sabe, faremos um sobrevôo de balão pelas montanhas. Day tours a partir de Marrakech existem às dezenas, inclusive comentados e avaliados no Tripadvisor. 

  

                           Voaremos pela Air France de São Paulo a Casablanca, via Paris, e pela Royal Air Maroc de Casablanca ao  Marrakech. Do Aeroporto Internacional de Marrakech ao hotel, teremos um transfer num dos veículos da novíssima frota do Hotel La Mamounia, onde nos hospedaremos. 

Port cocher e Entrada do Hotel La Mamounia - FOTO de Dalbera no Flickr 

  

 Hotel La Mamounia - FOTOS de Kuviajes no Flickr

                          Para o final do dia que chegarmos planejamos um ritual Hamman de 90 minutos seguido de um delicioso jantar marroquino.  No dia seguinte nada mais indicado do que iniciarmos restaurados a exploração da cidade, com um almoço Buffet no Le Pavillon de la Piscine do Hotel La Mamounia num intervalo entre nossa incursão pela Medina.

La Mamounia - Foto de Kuviajes no Flickr

                          Para fim do segundo dia, após nossas primeiras experiências orientais, teremos uma massagem no fabuloso SPA do La Mamounia e jantaremos no restaurante francês do chef Jean-Pierre Vigato.  Entre as muitas atrações de Marrakech - especialmente sua medina e seu souq-  tentaremos conhecer tudo mais que for possível em três dias e meio.  Nos capítulos a seguir contaremos e mostraremos esse nosso sonho oriental - cada um com sua visão pessoal e seu estilo - aqui no Fatos & Fotos de Viagens e no A Turista Acidental.

 Até lá! Ou, Bislama! (até logo, em árabe) – Ao vivo de Marrakech 

NOTA: nossas respectivas Nikon, lentes e filtros polarizadores viajarão conosco.

______________________________________________________________________________________________________

(1) D’aprés Fernando Pessoa: em Portugal é algo comum a expressão "Primeiro estranha-se. Depois entranha-se.". Mais curiosa é sua origem: em 1928 a COCA-COLA pediu a Fernando Pessoa que criasse um slogan publicitário para o produto. O genial poeta criou o célebre "Primeiro estranha-se. Depois entranha-se" e  as vendas dispararamE também depois de uma das melhores revista de viagens do mundo - Rotas & Destinos - em cuja matéria de abril de 2005, “Era uma vez em Marraquexe”, obtive minhas primeiras inspirações para escrever sobre esta cidade.

(2) Sherazade é a narradora das Mil e Uma Noites. Conta-se que, com raiva de ter sido traído por sua primeira esposa, o rei Xeriar a cada dia desposava uma virgem, e todo dia mandava matar a esposa com que passara a noite. Ele já matara três mil mulheres quando conhece Scheherazade, que se oferece para casar com ele apesar dos protestos do pai. Uma vez nos aposentos do rei, Scheherazade pede para se despedir de sua irmã, Duniazade.  No meio da conversa, como haviam combinado antes, Duniazade pede que a irmã lhe conte uma história. Scherazade, que tinha lido livros e escritos de toda a espécie, conta uma história que, como havia planejado, cativa a atenção do rei. Ele pára e escuta a narrativa, escondido. Mas ela interrompe a narrativa para  concluir apenas na noite seguinte. Curioso para saber o final da história, o rei não mata Scherazade. Nas noites seguintes, excitado com a narrativa, o rei pede novas histórias, e assim ele a mantém viva até que, depois de mil e uma noites e três filhos depois, o rei, entretido e moralmente elevado pelas histórias, desiste de matá-la e faz dela sua rainha.  FONTE: Wikipédia

Riad Sherazade http://www.hotelsherazade.com/

(3) o La Mamounia fechou em 2006 para uma completíssima reforma, reestruturação, inovações, modernização e decoração levada a cabo pela direção do designer Jacques Garcia. Ainda mais lindo e sofisticado, reabriu em 29 de Setembro de 2009 mantendo a mais pura tradição ornamental e decorativa do estilo marroquino, mas inserindo uma contemporaneidade indispensável aos novos hotéis de luxo de padrão seis estrelas no mundo: SPA, restaurantes internacionais e regionais de primeira classe e serviços de classe. 

_______________________________________

Crédito das fotos – Flickr (http://www.flickr.com)

 Galeria de Kuviajes: http://www.flickr.com/photos/38707688@N06/sets/72157619822415479/

Galeria de Dalbera: http://www.flickr.com/photos/dalbera/sets/

Galeria de Fotos Turistiques: http://www.flickr.com/photos/fotosturistiques/sets/72057594093362827/

Galeria de André Pipa: http://www.flickr.com/photos/21845260@N00/sets/72157600003460164/

Galeria de Zé Eduardo: http://www.flickr.com/photos/97968921@N00/3407310897/sizes/l/

Galeria de Jose Miquel: http://www.flickr.com/photos/jose_miguel/272533352/sizes/l/

Galeria de David Dennis: http://www.flickr.com/photos/davidden/sets/72157594372455973/

Galeria de Marcp Dmoz: http://www.flickr.com/photos/marcp_dmoz/4184556190/sizes/l/in/set-72157622997963458/

Galeria de Sarfrazh: http://www.flickr.com/photos/sarfrazh/sets/72157621673685115/

Galeria de Breezerburn: http://www.flickr.com/photos/breezerburn/sets/

Fotos dos aviões:

http://www.airliners.net/photo/Royal-Air-Maroc/Boeing-737-7B6/1452529/L/

http://www.airliners.net/photo/Royal-Air-Maroc/Boeing-737-8B6/1085719/L/

______________________

Próximo capítulo:

 O fabuloso Hotel La Mamounia - A eterna lenda marroquina reabre ainda melhor

 Ao Vivo de Marrakech

Reader Comments (16)

Engracado ler esse seu post fascinado com o exotismo de Marrakech. Eu tambem achei a cidade absolutamente singular e me lembro em detalhes de cores, cheiros. Mas me encantei muito mais por Essaouira, essa sim uma inesquecivel e doce surpresa. E, mais diferente ainda, minha lembranca dos marroquinos eh, talvez pelo fato de que eramos duas mulheres (eu e minha irma) sem uma companhia masculina, muito diferente da sua - em nada associada `a hospitalidade, simpatia ou antencao. Curioso mesmo.

Que vcs facam otima viagem e aproveitem esse hotel absolutamente maravilhoso. To ansiosa pra ler os relatos aqui!

Adorei o slogan do Pessoa, e lhes desejo uma viagem inesquecível, que com este roteiro certamente será!!!!
Beijos aos dois

A conferir: a magia, o exotismo e o mistério de Marrakech :-) (E o único uso destes adjetivos vai ser aqui no comentário! Rs...)
Difícil resistir a imaginar o ambiente na Medina...mas, como em toda viagem da mente, o sonhado é sempre diferente do real, ainda bem! O certo é que é difícil passar indiferente ao destino...
E obrigada, meninas!

17:34 | Unregistered CommenterEmília

É, infelizmente para nós Marrakech é mais um sonho do que a própria realidade que é muita pobreza e um lugar sujo !!!
Abraço
Antonio & Ellen
viagem afora

O Marrocos parece ser mesmo um lugar encantador!! Vou acompanhar os fascículos desta apaixonante viajante! ;)

Ótimo passeio para vcs! Tragam muitas fotos e histórias para contar!

Beijo grande aos dois!

Boa viagem e pra vcs e detone nas fotos novamente, Arnaldo!
Abraço!

17:34 | Unregistered CommenterTiago

Ao ler o roteiro de viagem, na minha cabeça, a tocar como sininhos, estavam as palavrinhas "lua-de-mel"...
Boa viagem.
Vou guardar com carinho todas as informações porque este é mais um lugarzinho da "lista".
Beijinhos
Isabel

Boa viagem!!! Curtam e aproveitem.

Dá gosto de ver as fotos deste blog!

16:38 | Unregistered CommenterLoo

Tempos que passo por aqui e acompanho em comentar... feio isso, né??? Bom, só para dizer que aguardo ansiosamente a conclusão da viagem para ler tudo sobre esse destino "exótico, mágico e misterioso´ hehehe

Forte Abraço

Queridos, aproveitem! Me deleitando desde já com esse post!

23:48 | Unregistered CommenterCristina

Caros Emília e Arnaldo,

Ainda estou a aterrar de um sonho das "Mil e Uma Noites" que passei com um grupo de Amigos... em Marraquexe...

"Viajando" pela net e procurando Marraquexe, descobri este Blog escrito com muito sentir...surpresa das surpresas, ao ver o vosso cartão do Mamounia, vi que estivémos na cidade durante o mesmo período, 13 a 17 de Fevereiro de 2010...

O Mamounia...pedímos à Banda que actua no Bar Italiano para tocar "Casablanca"...e eles tocaram...e elevaram-nos a alma ao mais infímo sentir...em Marraquexe...a cidade das Mil e Uma Noites...

O post foi sensacional, eu passei por este hotel e achei muito lindo! Porem fiquei muito desapontado com a cidade, principalmente com a medina e com as pessoas da cidade, desde dos taxistas aos vendedors, criancas... Esperava encontrar algo parecido com o brasil, mas achei gente ainda mais inescrupulosa, querendo lucrar o maximo possivel. Nao podia pedir um informacao sem ter que pagar, gosto muito de ser independente, andar sem guia, mas e impossivel nao se perder na medina, os jardins de marrakech sao feios, simples, excetuando o marjorelle, quem sabe deve melhorara na primavera. O riad que fiquei muito bonito, mas ninguem falava ingles, a noite as ruas adjacentes da medina pareciam filme de terror! Um labirinto!

12:50 | Unregistered CommenterAlex

Depois de muito aproveitar o blog para minha volta do mundo, cá estou de volta, agora para pegar as dicas de Marrakech.
Infelizmente não vou poder me hospedar no Mamounia, mas está na programação um jantar ou o brunch.
Peço uma ajuda, para contratar o guia dos souks, eles ficam na rua? É fácil a identificação dos guias "oficiais"?
Obrigada!!

Gisela, para contratar um guia ofical, não o faça na rua, mas na recepção de seu hotel. Todo guia oficial é registrado e popssui uma identificação especialo. Os hotéis têm guias registrados para oferecer aos seus hóspees. Evcentualmente poderá contratar um também nou hotel que não seja o seu.

Muito obrigada!!
Depois volto para contar como foi.

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.