MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« GRAND CANYON, Arizona - "On the road again" | Main | USA - Arizona, Utah e Nevada - Uma road-trip pelo Oeste americano »
Terça-feira
Mai172011

USA - Uma viagem ao Oeste americano - Introdução

Artists Point - Monument Valley, Utah 

                     A NATUREZA foi tão incomum quanto monumental na criação de uma incrível sucessão de belezas no sudoeste americano. Tudo foi criado pelo mesmo caos geológico, todavia a cada lugar foi dedicado um capricho particular. Ali ela não poupou nenhum de seus efeitos e impôs-se com magnitude e beleza difíceis de encontrar.

Grand Canyon National Park, Arizona    

                      SUA mera contemplação nos revela uma indefectível constatação: nossa insignificância diante de sua magnitude.  É a natureza que consagra a região como uma das mais intrigantes, curiosas e incomuns do planeta. Ela é tão peculiar e soberba que por vezes custamos a acreditar no que vemos.  

Arches National Park - Utah 

                         Quanto mais um observador receptivo aprofundar-se na exploração do Grand Canyon, do Monument Valleydo Canyonlandsdo Arches, do Capitol Reef, do Escalante, do Bryce Canyon ou do Zion National Parks, maior será a percepção desta imponência, assim como maiores seus efeitos. 

 

Grand Canyon National Park - Arizona 

                         A beleza pode ser rústica e agressiva quando oprime rios entre paredões, mas também delicada, na placidez dos desertos, na quietude dos planaltos, na imensidão do horizontes. A região do Colorado Plateau - tão peculiar e soberba na vida selvagem - tem atraído gerações de aventureiros, bandidos, cineastas, viajantes, pioneiros, escritores, fotógrafos e poetas.

Por estradas poeirentas no meio do deserto... 

                         E vem compelindo a todos ao envolvimento com ela ao colocar um extenso cardápio de opções: de simples caminhadas às aventuras mais radicais, da simples contemplação ao registro em fotos e telas. Cada qual à sua maneira, todos saem marcados.

Para fotografar, caminhar, contemplar, admirar - The Mittens, Monument Valley  

                         Muitos turistas imaginam que toda a riqueza natural do oeste americano está contida apenas no incrível Grand Canyon National Park, mas quem explorar para além do mais conhecido símbolo natural norte-americano será surpreendido por uma quantidade absurda de parques naturais cuja paisagem rústica apela ao espírito de aventura e resgata as imagens do wild west e também pelas divertidas histórias dos pioneiros e suas pequenas cidades do tempo das diligências.

Arches National Park, Moab - Utah  

_______________________________________________

Uma viagem rodoviária pelo Oeste americano

                          A carteira de motorista é a identidade do norte-americano. Nos Estados Unidos da América qualquer pessoa habilitada e com um carro pode ir a qualquer lugar. A rodovia é uma expressão indiscutível da liberdade e do american way of life

 No Utah, entre Monument Valley e Bluff 

                          Uma viagem rodoviária pelo Arizona e Utah passa tanto pela estrada mãe - a antiga, emblemática Rota 66 - como também pelos modernos tapetes de asfalto - as confortáveis Interestaduais. Vez por outra também por algumas poeirentas trilhas onde John Wayne deve ter aguardado muitas diligências para defendê-las de iminentes ataques Navajo.

Na estrada, entre Grand Canyon e Monument Valley  

                         Começamos nossa viagem em Phoenix, Arizona. Cruzamos os Estados do Arizona e Utah, visitamos o Grand Canyon, o Monument Valley, o Zion National Park, o Arches National Park, o Capitol Reef National Park e o Bryce Canyon. Terminamos em Las Vegas passandopela Hoover Dam.

Na estrada, chegando com as "Harleys" em Monument Valley  

                          De carro, viajamos mais de 1700 quilômetros por fabulosas rodovias asfaltadas, por vias estradas cenário, por vias poeirentas. Conhecemos a região de colonos pioneiros e de paisagens deslumbrantes. A pé fizemos algumas trilhas, vencemos trechos incríveis para o treking e a observação, algumas incomparáveis, como entre os paredões do canyon do Zion Narrows - no Zion National Park - ou sob as pontes naturaisde pedra do Arches National Park.

John Ford´s Point - Monument Valley Navajo Tribal Park - Utah 

                          Vimos algumas das mais dramáticas paisagens de montanhas e desertos, alguns dos cenários de filmes clássicos de John Wayne, de cult movies como Thelma & Louise, de ação como Missão Impossível 2, de ficções como de Volta para o Futuro e Planeta dos Macacos, e inesquecíveis como Forrest Gump, Indiana Jones, Butch Cassidy & Sundance Kid. Se você assistiu a algum desses filmes será transportado a alguns destes cenários aqui no Fatos & Fotos de Viagens.

Rota 66 - Williams - Arizona 

 ________________________________________________

Próximo capítulo:

Capítulo 1 - Entre cowboys e índios, no western americano

Reader Comments (7)

Esta região é linda, e suas fotos ficaram bárbaras.
Parabéns!!!

Queridos, muito lindo poder ter compartilhado sua viagem através dos textos e as fotos. Se antes de saber do seu passeio a vontade de conhecer aquela parte dos EUA já era grande, imaginem agora depois de contemplar essas imagens tão maravilhosas. Esperamos saber mais da sua viagem diretamente das suas vozes! Abraços para os dois!

11:14 | Unregistered CommenterTony

Grande TONY!, que maravilha "ver" você por aqui! Bom mesmo. Como vai a Cecília? Espero nos reencontrarmos quando vierem da espanha ao Brasil, ou quando formos à Espanha. Em~ilia te contou que estivemos na andaluzia em Março, não?

Eu realmente quero visitar, no futuro, os Parques Nacionais do Canadá e EUA.

Estas fotos belíssimas aumentam meu desejo de conhecer esses lugares. Que sorte poder viajar e viajar...e melhor na companhia da pessoa amada

Beijos para ambos

16:29 | Unregistered CommenterCarmen

Uau! Ispirador Arnaldo...

Essa é uma das viagens que sonho em fazer em um futuro não muito distante. Penso em voar pra lá e alugar um carro para "me perder" por aquelas paisagens que são o deleite de qualquer fotógrafo ou simples amante da natureza.

Olá Arnaldo, mais uma vez parabéns pela qualidade dos textos e qualidade do seu blog...diferenciado de tudo que temos hoje no mercado de blog de viagem.
Me interesso muito pela Rota 66 e parques nacionais nos EUA e estou planejando uma viagem para 2015. Qual guia você me indicaria para pegar informações e montar um roteiro? abs

13:12 | Unregistered CommenterDanilo

DANILO, obrigado, Há muitos guias e livros de relatos de viagens sobre a Rota 66 e sobre o Oeste americano, Eu considero um, fundamental:

http://www.lonelyplanet.com/usa/southwest

Sobre a Rota 66 há alguma coisa na Amazon:

http://www.amazon.com/Route-66-GUIDE-Travelers-EDITION/dp/0970995199

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.