MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« Um ano de viagens. E de como elas mudaram minha vida | Main | DORDONHA, França - Um segredo bem guardado para três »
Sábado
Mar232013

POR que os blogs estão definhando?

AOS BLOGS DE VIAGENS AMADORES, MINHA HOMENAGEM E ADMIRAÇÃO

               Primeiro é preciso que fique claro que não sou nem serei contra quem quer que seja ganhar dinheiro honestamente. Mas no começo eu tive dificuldade para identificar quem faz isso na blogosfera de viagem, quem não escreve post por dinheiro, porque foi convidado por um órgão de turismo, horal ou cia. aérea. Foi o que me fez enjoar dos primeiros blogs de viagens. Eu não sabia ainda se eram as conversas paralelas e fofocas nas caixas de comentários, se as respstas mal educadas e atarvessadas de seus autores, se o foco em ganhar dinheiro e publicidade e a consequente perda de conteúdo, de credibilidade, se as viagens pagas e patrocinadas. Mesmo nos mais notáveis blogs de viagens que não teriam motivos para enveredar o caminho da monetização disfarçada. Nem os piores lay-outs da blogosfera ou o conteúdo cada dia mais superficial.

             Comecei a sentir falta daquilo que me cativara na blogosfera de dez anos atrás: bom conteúdo, estilo, sinceridade, honestidade para com o leitor, boas histórias de viagens, relatos inspiradores, encontros, experiências, descrições precisas de paisagens, de sons, cheiros, de tudo o que torna uma viagem bem contada um grande prazer na leitura. O contrário é a chatice de compartilhar o que já está nos guias de viagens, de regurgitar velhas informações requentadas sobre o mercado de turismo e os textos sem inspiração, porque são comerciais.

           Mas é injusto atribuir aos próprios blogueiros, ao menos individualmente, toda a responsabilidade pela degeneração do ato de escrever relatos de viagens, sobretudo na Internet. Meu desgosto é justificado porque costumam ser mal editados, escritos, elaborados. As narrativas são popularescas e visam a quantidade de visitantes, não a qualidade da audiência. Alguns usam e abusam de palavras-chave, de clichês populares que facilitam o encontro dos blogs no universo bloguístico através de outros blogs e de sites de procura. "RTW" é um bom exemplo de "palavra-chave". Quase ninguém escreve "volta ao mundo". A abreviação é muitíssimo mais popular, dá mais audiência aos "google-viajantes", o que também acontece com as viagens temáticas, classificadas em hashtags no Twitter e na INternet como "viagens solo" "viagem econômica", "viagem barata", "viagem de luxo", "viagem feminina" "viagem em família", "eco-viagem", "viagem romântica".

            Essa prática acabou com as revistas de viagens brasileiras e algumas estrangeiras. A indústria do turismo passou a ditar seu conteúdo, e agora a dos blogs de viagens comerciais. Os resultados não são surpreendentes. A imprensa costuma chamar os que escrevem sobre viagens na Internet de "blogueiros" (intencionalmente ou não, mas que parece desqualificar a atividade dos verdadeiros escritores de viagens que se atrevem a publicar em blogs). Eu não gosto do termo. "Blogueiro de viagem" tenta dar à atividade uma importância que ela não tem: de profissão. Jamais o usaria para descrever a mim mesmo. Blogar pode até ser uma forma de arte emergente, mas blogueiro está londe de ser profissão. Acho até que denigre a profissão de jornalistas e escritores profissionais de viagens, autônomos ou não. Mesmo que publiquem em blogs. Eu sou um escritor de viagens. Ainda que não profissional. Tampouco, infelizmente, jornalista. Escrever sobre viagens na Internet é uma forma de expressão muito válida. E tem revelado talentos. Como em tudo mais,  há bons e maus escritores, bons e maus blogs, relatos empolgantes e atraentes, insípidos e tediosos. Lamentavelmente, os bons são notáveis excessões. Simplesmente que para ser bom não pode ser feito para um público que navega em vez de ler, que procura posts curtos e fáceis de assimilar, consumistas freqüentes de cultura descartável. Há muitos blogs "de viagens" que na verdade estão mais focados em publicidade do que em relatos.

            Já um bom escritor de viagens precisa ter compreensão da história dos lugares para onde viaja. E boa quantidade de leitura e pesquisa. Suficientes para, quando escrever, conseguir captar o leitor e informá-lo no que realmente importa. Se possível, para tirar-lhe o fôlego na leitura. Sendo esta a intenção do escritor, mesmo sem grande talento, como eu, encontrará o caminho para alcançar tais objetivos. Uma narrativa de viagem valiosa não pode pegar leve demais com a história, a política, a cultura, a sociedade. Nem pesado demais com horários de muses, de transportes e de endereços de onde comer e dormir. Menos ainda auto-promover seu autor. E jamais ser recheado de clichês, fotos ruins e temas batidos. Há muitos blogueiros que escrevem com sinceridade, que estão focados na sua experiência, que partilham boa quantidade de informação legítima. São os blogs que eu sigo. Tenho admiração, respeito e incentivo aqueles que estão fazendo o melhor que podem com as ferramentas que possuem. Espero sinceramente que eu esteja errado, que os blogs de viagens não se tornem mais uma Viagem & Turismo ou que surja uma nova geração de viajantes brasileiros (vivemos nosso "século das viagens"!), que consigam emocionar leitores com narrativas de suas viagens.

               A monetização é apenas um dos motivos porque os blogs de viagens estão definhando. O que acontece com o processo não é nem tanto por causa da comercialização de espaço para publicidade. Isso os tornam apenas feios e poluídos. O que afunda os que comercializam conteúdo é a perda de relevância, qualidade, credibilidade e transparência

                Há alguns anos, ser social significava ter encontros presenciais e conversar com amigos, colegas e familiares. Hoje equivale a ter cinco mil "seguidores" no Facebook, Twitter, Instagram, LinkedIn, Reddit, Google Plus e outras mídias sociais que até me arrepiam só de pensar nelas. E comem horas e mais horas de seu dia e produtividade de seus dias postando quase sempre superficialidades e inutilidades a cada dez minutos pra terem cinco de atenção.

             Sou péssimo em mídias sociais. Felizmente. Exibicionisto tem limite. Quase nunca atualizo status no Facebook, não tenho conta no Twitter, não curto Instagram e nenhuma outra rede social. O Fatos & Fotos de Viagens também. É só aqui. E olhe lá! Prefiro limitar minhas interações sociais não presenciais aos e-mails e telefone. E também este não curto muito. Privilégio tenho com o contato pessoal, com os prazeres presenciais.

                    COMECEI este blog, sete anos atrás, como um experimento de quem não sabia nada sobre blogs. Muito menos no que ele daria. Era um passa-tempo, de quem escreve por diversão, além de um meio de compartilhar minhas viagens com parentes e amigos, mas com muita atenção à qualidade do que publico. Jamais dei importância maior à quantidade de leitores do que aos que têm verdadeiro prazer na leitura, aos que procuram blogs de viagens cujo nível de confiança seja francamente reconhecível. Dedicadoaos que percebem o foco do autor na qualidade, não na audiência.

                    Gosto de andar na contra-mão dos que mudam seus blogs ou começam um novo pensando em ganhar dinheiro, em posts que atraiam mais audiência. Sou um dos que não promovem seus posts mais do que se empenham na qualidade deles. Sobretudo não insiro links comerciais. Sei que não estou sozinho nessa, mas desconfio que sou minoria. Por isso estou fora da panelinha de blogueiros de viagem que defendem o contrário.

                 No entanto há blogueiros de viagem extraordinários fazendo um trabalho absolutamente fantástico, atraente, inspirador. Que tal dar uma olhada no Gabriel Britto, do Gabriel quer viajar, pra entender o que eu falo disso tudo?

                   NÃO quero ser injusto deixando de fora da minha seleção algum, mas por hora ocorrem-me apenas os seguintes blogs profissionais que respeito e admiro: o TUROMAQUIA, os do TONY GALVEZ, o AQUELA PASSAGEM do Rodrigo Purish (mais um que se foi), o CONEXÃO PARIS (da Lina), e o VIAJOLOGIA, do Haroldo Castro, na Época.  São os que não venderam a almas à monetização, o coração ao mercado anunciante e os demais órgãos ao conteúdo pago. Estes encontraram um caminho admirável para ganho de dinheiro, seja vendendo seus próprios produtos, seja seus espaços à pubicidade sem comprometerem seu conteúdo e credibilidade.

                       PORTANTO, que fique bem claro: nada tenho contra blogs honestos, ainda que nenhum  destes me provoque euforia, aquele antigo, soberano prazer de ler. O resto fica por aí, agarrado a tentativas de criar modelos, todavia nenhum preocupado na melhoria do conteúdo, na qualidade visual, em textos caprichados. E, pior, unem-se a associações que pregam algo que nem mesmo seus associados praticam. Que propagam doutrinas baseadas em conceitos não genuínos, simulados ou dissimulados, que visam apenas o dinheiro. Seria necessário ter critérios não teóricos, senão efetivos, e compatíveis com o que pregam. O resultado, não passam de uma invencionice tola e infantil. Empregarem a mesma lógica que usam no universo das mídias virtuais: a superficialidade. É uma "enfermidade" virtual incontestável. Que contamina os blogs com tudo o que há de mais barato na Internet, em imagens, textos, conteúdo e design.

                       MUITA gente boa, sobretudo que tinha uma bela trajetória nesse meio já embarcou nessa. Naufragam e fingem não perceber que ajudaram a afundar o que defendem. E outros que ainda não o fizeram, acabarão enjoando, empacarão, se cansarão e desistirão de blogar um dia. Fatalismo? Claro que não. É apenas o resultado de enxergar o mundo virtual como ele é, não como essa gente quer que ele seja. Alguns não têm coragem de alimentar discussões acaloradas, divergir. São os "Luciano Huk", ou seja, os sempre bonzinhos, falsamente politicamente corretos. Mas o mundo está de saco cheio disso.

                       AINDA é cedo para declarar a morte dos blogs. E talvez até ela não aconteça. Mas há muita falta de desconfiômetro nos que acham que os blogs não definham. Desde a estréia do meu blog, um dos pioneiros em Março de 2006, houve uma bem-vinda e natural explosão de viajantes amadores que também resolveram escrever sobre as suas. Alguns até sonharam tornarem-se escritores profissionais de viagens. Vão sonho ou não, o que de fato aconteceu com os blogs de viagens foi o mesmo que já havia ocorrido com os de moda e comida: saturação. Depois os pioneiros foram largando seus blogs para dedicarem-se à cultura do curto prazo e das meias e poucas palavras do Twitter e das fotos de celular extremamente modificadas por filtros. O resultado é notável. Os blogs definharam e muitos estão ou abandonados ou agonizando.

                   TODOS caem (alguns despencam!) em audiência e comentários. Sobretudo nestes. Ainda que apenas uma ínfima parte de seus autores assuma tal realidade. E outra ainda menor tenha coragem de discorrer e debater o assunto. Francamente, a culpa majoritariamente é do Twitter, do Facebook e do Instagram. Mas há outros dispersores de atenção por toda a Internet. O segundo motivo é que a maioria dos blogs 'profissionais' de viagens é constrangedoramente ruim e vendida. E ainda que eles queiram, não vão mudar o mundo: os dias hoje são da cultura de curto prazo, das poucas palavras e da falta de atenção a mais do que 140 caracteres.

                    TENHO repulsa às mentalidades do tipo “quero ganhar muito e trabalhar pouco” com blogs. Tanto quanto aos muitos que usam as redes sociais com superficialismos e fofocas, intrigas e inutilidades. Me assustam a exposição, tenho pena da carência, vergonha alheia do narcisismo e a tentativa dessa gente aparentar através de sua vida virtual ser muito mais interessante, ter muito melhor caráter e moral do que demonstram na vida presencial. Por isso é bom ter um ou outro "gato pingado" como eu que de vez em quando tem coragem de escrever coisas como estas e ser crítico. Ainda que eu esteja definitivamente convencido que minorias não mudam nem comandam o mundo. Tenho aversão às paixões pelo instantâneo, à dedicação às superficialidades, à moda da insaciabilidade e do excesso de exposição à Internet, de ter que postar alguma babaquice sempre, de atualizar seu blog sempre, dos viciados em novidades cibernéticas que os coloquem ainda mais em evidência virtual. Se achar bom e útil o que escrvo, volte sempre. Caso contrário, desça o sarrafo na caixa de comentários. 

                       APESAR do crescente número de blogs do gênero, não duvido de que a esmagadora maioria de seus autores está profundamente desiludida com suas próprias (e tolas) aspirações de ganhar fama e dinheiro coisas tão ruins. Nem quero me referir aos blogs que roubam conteúdo de blogs alheios, mas à maioria que apenas suga descaradamente o conteúdo da mídia especializada, vive postando notícias breves do trade turístico apenas com o propósito de ganhar dinheiro e promoção (e, quem sabe, algum jabázinho). São blogs insipidamente ridículos, toscos e bregas.

                   OUTRA questão é que blogueiros de viagens estão demasiadamente centrados uns nos outros. Sua blogosfera é restrita à suas comunidades, à sua própria coletividade. E não me refiro apenas os que escrevem e publicam conteúdo motivados por viagens subsidiadas e pagas. O "sucesso" que supõem deve-se bem mais ao resultado da sua dedicação à própria rede do que à qualidade do conteúdo.

                      MESMO que a grande maioria dos blogs seja honesta, que tenha personalidade, o fato é que TODOS os blogs definham. E é natural que cumpram seus ciclos de nascimento, crescimento, consolidação, estagnação e morte. Sejam bons ou ruins. Qualquer um (minimamente informado e atento) percebe que este é um fenômeno natural e corriqueiro na Internet.  Já ocorrido com outras plataformas de expressão. Blogs não são exceção, senão mais um exemplo deste ciclo.

                       MAS neste caso dos blogs, especialmente dos de viagens, há muitas razões associadas. A principal delas é a moda do fast-food cultural, da comunicação virtual rápida e superficial: Twitter, Facebook e Instagram. Este último, a pá de cal nos blogs de viagens. Mas todos canibalizaram os seus prórpios blogs. E os próprios blogueiros que migraram pras redes sociais matam aos poucos o interesse universal pelos blogs e pela leitura. Aliás deve haver alguma coisa errada com essa gente que se expões tanto, que se dedica tanto, que vive tanto nas redes sociais...

                       VIVEMOS a cultura do curto prazo, ralinha e pouquinha.  Agora, pra ser atraente, tudo deve ser pouco, breve, superficial, pobre e sem conteúdo. O objetivo é atrair as massas e os dois minutos de atenção que ela tem pra dar a tanta informação que o leitor tem pra consultar. Não me refiro à meia dúzia dos visitantes dos blogs, nem aos dois gatos pingados que comentam na maioria deles.  Faço referência aos que com 140 caracteres e uma foto de celular acham que estarão afirmando-se na blogosfera, quando de fato promovem o inverso. São os que apostam tudo na quantidade de visitantes únicos e ans páginas visitadas. Visam apenas o aumento de seu ranking no Google. Quando deveriam estar ligados na qualidade do visual e do conteúdo de seus blogs, dispendendo seu talento e tempo na sua permanence modernização. Erradamente pensam que assim acreditam que sobreviverão aos desígnios de seus anunciantes: com a quantidade de visitantes (não importa se cairam de para-quedas desviados da conchinchina numa "googlagem" acidental), não na qualidade geral, o que afinal faz todas as coisas durarem para sempre, até depois da morte. Mais cedo ou mais tarde todos saberão que não há muitas empresas dispostas a desperdiçar dinheiro com propaganda em blogs de baixa qualidade de conteúdo e com audiência irreal. 

                  No começo até doía ter um trabalhão danado, postar coisas bem cuidadas e elaboradas, boas fotos e textos caprichados e não receber nenhum comentário no blog. Recebia entre 3 a 5 mil visitantes por dia e uma nano parte comentava. Hoje, com o evidente desencamento de audiência dos bolgs, recebo 500 por dia. E um comentário por semana. Sei que é muito pouco se comparado ao número de visitanets únicos, mas é a realidade. Não se lê mais, não se comenta mais. 

 

               MAS, como se pode ver na caixa de comentários, há defensores e opositores para todas as opiniões e formas de pensamento. Eu as compreendo, e ainda, respeito discordâncias pessoais, mesmo as ignorantes, pretensiosas e desprovidas de argumento. Não apenas porque reconheço a heterogeneidade das pessoas, mas porque é evidente que há gosto pra tudo. Há quem defenda apaixonadamente revistas como a Viagem e Turismo, mesmice e falta de criatividade, como de igual maneira compreendo que haja pessoas que apreciam e assistem ao Big Brother e do A Fazenda na sua forma extremamente brega e vulgar, assim como a tantas outras idiotices que as TVs nos empurram goela abaixo. Ou o humor grotesco e o voyerismo do ridículo a que as pessoas são expostas em programas de TV como o Pânico na TV. Ou as pessoas que não se incomodam com a erotização infantil exacerbada nos programas da Xuxa, com os assuntos impróprios aos horários das novelas da Globo (onde esbanjam-se cenas de violência, sexuais gratuitas, de nudez, de falta de caráter, de discriminação, de obscenidades, de baixarias, de banalização de comportamentos sociais, de apologias exacerbadas tanto ao homo quanto ao heterosexualismo). Todos com defensores acalorados.


                   HÁ quem goste do sexismo, das vulgaridades implícitas, das ignorâncias explícitas dos programas da Luciana Gimenez, do “humor” apelativo do Marcos Mion, do grosseiro (e falido) CQC do Marcelo Tás, Rafinha Bastos e cia. (felizmente) limitada. Dos que adoram piadas de estupradores, do João Kléber (que fim levou?), do Ratinho (que fim levará?), do Gugu Liberato, do Sérgio Malandro, do enjoado bom-mocismo do Luciano Huk e da Angélica, do infame programa O Melhor do Brasil (cujo apresentador Rodrigo Faro faz enorme sucesso na Rede Record), da revista Caras, dos diálogos fraquíssimos e bobinhos de Malhação, do programa Mulheres Ricas (cuja breguice e futilidade só perdem para as postadas por boa parte dos “escritores” do Twitter, da programação dominical liderada pelo Domingão do Faustão (reconheça-se, principal colaborador do que há de pior na TV neste dia da semana, cujo mérito do que é ruim (justiça lhe seja feita novamente) extende-se a outros canais e apresentadores), de canais como a Record e o SBT, com suas "Elianas" e "Celsos Portiollis", com o incrivelmente bobo Otávio Mesquita no seu esforço desgraçado para produzir um programa sofisticado mas toscamente infantil e vazio.

 

           NÃO faltarão exemplos. Nem defensores de programas como o Casos de Família, deprimente “talk show bate-boca” da apresentadora Christina Rocha, cujo tema é a lavação-de-roupa suja de pessoas humildes ali no palco e a vivo, o com sua cópia - a Márcia Goldsmith, da Band - programinha desprezível que frequenta a mesma linha, do asqueroso Datena que vocifera lições de moral (falso que só ele!), prepotente ao mostrar a desgraça alheia, ou o sem graça, cafona e chatíssimo Zorra Total, cujas “feras do humor” (que saudades do Chico Anísio!) tornam o humor na Globo tão abominável quanto sem graça e sem criatividade, o Programa do Ratinho, o talk-show mais insano da TV (esse não dá nem pra comentar!), a Turma do Didi (alguém em sã consciência deixava seu filho assistir àquilo?).  Esqueci de alguém? Ah, claro, da Ana Maria Braga, dos comerciais de cerveja e das Casas Bahia. Afinal, há gostos pra tudo e todos os públicos. Há até quem goste de Lady Gaga, de Michel Teló e de Beyoncé. O assunto dá um livro. Cujo título poderia ser: "Foi tudo por causa de dinheiro!"

 

           QUEM quiser opinar, que escreva os capítulos aqui. Mas saiba ANTES que todos têm fim e limites. INCLUSIVE os blogs de viagens. Mas se esses blogueiros acordassem todas as manhãs refletindo sobre isso é possível que alguns fizesem coisas melhoras e mais importantes pela blogosfera. Não fariam nada mais do que tem de ser feito.

Reader Comments (38)

Bom Arnaldo

Concordo em muitos pontos, nao vejo somente os blogs declinando, mas sim pulverização das fontes de informações, revistas jornais sites todos estão com audiência reduzindo ou mantida pela grande demanda e diversidade de fontes.
Não tenho esse preconceito contra mídias sociais, acho elas complementares e nao fontes principais de fontes, algo como um aperitivo.
Continue nos passando estas lindas imagens e impressões dos lugares maravilhosos que vocês visitam.
Abraço e longa vida ao Fatos e Fotos
@GusBelli

10:24 | Unregistered CommenterGustavo

Obrigado, GUSTAVO, pela visita, comentário e opiniões. Grato especialmente pelo incentivo. Afinal, você é um dos bons, que viaja, pensa, escreve e mantém um bom blog! e, como voc~e mesmo diz, "viver a vida com inteligência e paz". Parabéns.

Pois é meu caro, é a superficialidade tomando conta.Concordo plenamente contigo.
Vamos seguir no caminho contrário, com conteúdo e imparcialidade, ao menos para o bem das nossas convicções.

Façamos a nossa parte.

Abraço!

10:41 | Unregistered CommenterDiogoAvila

Arnaldo, excelente artigo, desses que eu leio com cuidado e atenção, na velocidade adequada para absorver cada argumento. Já não é o primeiro texto seu que eu vejo expressar uma realidade tão descarada, mas que eu achava ser o único com essa opinião: blogs famosos, renomados e super acessados, mas que quando vou olhar simplesmente não consigo entender a razão de tamanho sucesso. De qualquer maneira, acho que somos privilegiados no assunto sobre o qual escolhemos publicar: nossas experiências pessoais de viagem. Assim, na pior das hipóteses, mesmo que ninguém além de nós mesmos leia, ainda serve como um rico registro de nossas experiências, como um álbum de fotos que folheamos quando queremos recordar um bom momento vivido. É isso que me encoraja a caprichar bastante naquilo que escrevo, afinal, antes de mais nada, estou fazendo uma coisa que vou guardar para sempre como patrimônio pessoal.

Caro DIOGO ÁVILA, "é a superficialidade tomando conta" e nós tentando "o caminho contrário". Agradeço a visita, o comentário e também suas contribuições.

Grande abraço.

Caro ROBSON, excelente comentário. Desses que aqui, como tantos outros leitoires, leio com especial prazer.

Não me incomoda tanto ver blogs famosos que um dia foram excepcionais tornarem-se mercadorias. Todo mundo tem o direito de ganhar dinheiro honestamente. O que me incomoda é que NENHUM blog profissional ter-se tornado "renomado e super acessado" mantendo-se bom. Não ser corrompido pela propaganda. A não ser o do Haroldo Castro (Viajologia, na Época), que aborda destinos incomuns e não batidos com bom conteúdo, autonomia, imparcialidade, fotos primorosas e textos inspiradores.

Obrigado por compartilhar sua opinião e contribuir com sua parte fazendo uma coisa que costumo chamar de blogs pessoais que são um "patrimônio na Internet"!

Sabe, Arnaldo, se este texto fosse sobre a pulverização das informações nas redes sociais até teria algum sentido e eu teria concordado com muitos pontos. O fast-food cultural é cansativo, fato. Mas quando você volta sua artilharia para os blogs de viagens eu fico bastante curiosa para entender de onde vem seu rancor ou, digamos, indignação. Até porque você, que preza tanto pela originalidade de conteúdo, vira e mexe volta a este mesmo tema.

Há algum tempo você defenestrou o Twitter (e ele continua lá, firme e forte), acho que usou até a mesma expressão "pá de cal", agora direcionada ao Instagram. Quando você diz que todos os blogs despencam em audiência e comentários, tenho a impressão de que você está se baseando somente na sua experiência. Meu blog também tem 7 anos. Há 3 ninguém sabia quem eu era. Hoje, temos o triplo de audiência, reconhecimento e relevância. (E olha que eu só abri uma Fanpage no Facebook há oito meses!)

O que sabemos é que seu blog já esteve mais em evidência, é verdade. (Até para a revista Viagem e Turismo - está que você tanto critica - você já escreveu, lembra?) Mas por opção sua, você desapareceu. Desapareceu das redes, dos outros blogs, das nossas caixas de comentários. E existe um princípio básico de audiência e conversão: quem não é visto, não é lembrado. Talvez por isso, e justamente por isso, por você ter pouca atuação nas redes sociais seu blog tenha perdido acessos. (Sem contar que destinos "exóticos", seu foco há algum tempo, são bem menos visados pelo público "comum"). Mas tenho certeza de que seu público é fiel. E eu me preocupo com isso, não com números, mas com a fidelização do meu leitor.

Na verdade, todo este preâmbulo para dizer que, sim, é evidente que há muito lixo nas redes sociais. Que, sim, muitos blogs (não só os de viagem, mas os de moda, os de tecnologia, os de humor...) perderam a mão e o foco. Tá todo mundo achando que vai virar um Steve Jobs publicando release requentando e enchendo a página de anúncios. Um horror. Concordo, mesmo! Mas não generalize. Sua história, por exemplo, não é a minha. Até porque blogs estão sendo cada vez mais respeitados como mídia.

Agora, tenho que concordar com você. Tudo tem um ciclo e novas tendências. Isso acontece na obra de arte, na fotografia, na moda. Ainda bem. Imagine se o Disque Amizade não tivesse evoluído para o MSN. Estaríamos todos aqui pendurados no 145. :D

CARA Silvia Oliveira. Respeito e admiro quem tem opinião. E também a respeito como porta-voz e divulgadora de sua associação. Poderá vir aqui quantas vezes desejar para registrar suas opiniões, divulgar seus interesses e o que mais precisar. Respeito seu direito e tenho um prazer especial nas opiniões contrárias às minhas, porque foram estas que "incomodaram" e fizeram alguém refletir. E as acato. E as defendo. Assim como o direito de quem quer que seja vir aqui registrá-los. Evidentemente se forem com a classe e a educação que esta sua encerra.

A minha "artilharia" não é contra os blogs de viagens! Por favor, não demonstre que não leu todo o post. Ou que passou batida por ele. No começo, no meio e no fim da matéria menciono os tipos de blogs que EU acho interessantes. Note bem, EU sou minoria. E sobretudo menciono que os blogs domésticos são a maioria que me agrada! A esmagadora maioria. Eu não gosto é dos blogs-jabá! Nem da exposição de alegorias e adereços em que se transformaram. E que tenham suas matérias direcionadas por anunciantes. Defendo, e até elogio, o direito de alguns blogueiros almejarem a profissionalização sem venderem suaa almas para anunciantes. Tem alguns dstes bons exemplos que me recordo: o ótimo Matraqueando, os do excelente Tony Galvez, o do Rodrigo Purish, o Conexão Paris...(se me lembrar de outros virei aqui mencioná-los, pode estar certa). Admiro-os por terem encontrado cada qual seu caminho bacana ao produzirem conteúdo e venderem seus guias e tudo mais.

Vira e mexe volto no mesmo tema e eu mesmo rio disso. Adoro reconhecer quando sou repetitivo. Acho que já falei disso muitas vezes. Olha, se eu quisesse ser você, te copiaria. Ao contrário. Tenho meu estilo e respeito que você tenha outro absolutamente contrário. Reconheço inclusive que a diversidade é que dá colorido à Internet. E bem a tudo mais na vida. Eu não generalizo, por favor! Foco minhas críticas bem claramente: aos blogs que se tornaram umas porcarias. E que felizmente são minoria. E evidentemente jamais cometeria a indelicadeza de mencionar quais são porque não tenho absolutamente nada pessoal contra seus autores. Quero apenas exercer meu direito de responsavelmente emitir opiniões. Que levem à reflexão, ao debate e à utilidae. Sem ofender a quem quer que seja.

Como eu poderia ter atenção das redes sociais sem participar delas? Se não faço isso deve ser porque não gosto delas. Tá, dou lá minhas espiadas e uma ou outra conferida no meu Facebook pessoal (não tyenho e jamais tive do F&F), Mas este é para minha família e amigos. Presenciais, não viurtuais! Então, efetivamente não estou atrás de audiência. Tampouco de popularidade, Tenho aversão a ela e à exposição pessoal.

Sim já escrevi para a revista Viagem & Turismo. Jamais esquecerei. E permaneço discordando da linha editorial, da mesmice e do quanto ela está ruim e distante das grandes (pra mim, claro!) revistas como a "Rotas & Destinos", a "Volta ao Mundo" e a "NatGeo Viajes", pra citar apenas estas. São as que jamais pagariam a um escritor medíocre como eu pra escrever o que quer que fosse em suas páginas. A Viagens & Turismo já teve seu tempo. Fui até assinante, creia! Era a época em que havia a Rachel Verano e a Adriana Setti.

Sim, meu blog já esteve em mais evidência. E se vc realmente acredita que é apenas o meu blog que declina, só lamento. Não vou ficar aqui procurando dados para provar-lhe o contrário, porque não estou preocupado com contrariar sua opinião, apenas registrar as minhas. Estou no MEU blog. Não fui ao SEU blog criticar suas postagens. mas pode continuar a vir aqui reclamar, porque quem tem opinião e coragem como eu, independência e credibilidade, também sabe que atrairá opiniões adversas.

Mas se eu estivesse realmente preocupado em ser lembrado pela comunidade que vc menciona, eu a estaria frequentando, concorda? Por favor, não menospreze minha inteligência. Não vale a sua pretensão de imaginar que não houve motivos MUITO graves para que eu tenha deixado de fazê-lo.Aí seu comentário fica bonitinho para a comunidade e turma que vc defende, mas terrivelmente vazio para mim. Afinal, é você que pretende me "tocar" com ele. Neste particular, não foi feliz sua tentativa. E nem será, porque vc jamais saberá, nem mesmo dando atenção às fofocas que livremente curculam em comunidades do tipo. Respeito muito seu amor por sua comunidade e direito de frequentá-la porque sei que são legítimos. Mas você não deveria menosprezar os meus motivos, porque os desconhece. E são muitíssimo dignos.

Quem ler este post aqui todo, saberá que eu mesmo menciono isso. Mas não vivo dele. Sou empresário. Extremamente bem sucedido para pagar os custos dessa brincadeira e de mantê-lo com a liberdade de não precisar de anunciantes, nem de jabá para continuar fazendo isso. Especialmente porque é um passa tempo. E porque discordo de matérias pagas. e porque nada me dá mais prazer do que discordar, ter opinião. Como vc,que também discorda e tem as suas, que deu-se ao trabalho até de vir aqui registrá-la, ainda que eu jamais tenha ido ao seu blog comentar que não gosto dele. Mas aqui as portas estarão sempre abertas para que vc ou qualquer um da sua turma registrem suas opiniões. Desde que com a educação que lhe é peculiar, ainda que com sua riva por ter se incomodado com o que escrevo.

Mas olhe, volte sempre! E seja ainda mais feliz do que eu sou. E desejo sucesso ao seu blog, maior ainda do que já é. Mas não conte com minha visita,ele também não faz meu gênero, assim como este aqui não faz o seu. Afinal, você nem precisa, seu blog já é um sucesso estrondoso.

Eu não poderia esperar resposta diferente, Arnaldo. Sei que você se sente incomodado quando é contrariado. É natural, cria um desconforto. Mas não vim criticar suas postagens ou dizer que não gosto do seu blog (onde você leu isso?), apenas registrar minha opinião que, lamento, em muitos pontos é contrária à sua. Só isso. Para mim não foi trabalho algum vir até aqui. Percorro vários blogs por dia. O seu é apenas mais um! Um abraço sincero! :)

Ah, Silvia, me desculpe, mas eu adoro opiniões contrárias, sou extremamente feliz em tudo na vida. Tudo. Sou muito bem resolvido. Se tem algo que gosto é de um bom debate (com a elegância e a educação que lhe são peculiares, claro). Elas incendeiam o meu intelecto. De que adianta ter opinião se todos tiverem a mesma? Pode vir aqui descer o sarrafo quando quiser. Porque simplesmente eu adoro isso. Se eu tivesse medo, se não gostasse de ser contrariado, ficaria publicando apenas as coisas românticas e inspiradoras que caracterizam meus posts, e que seguramente atraem bem mais popularidade e comentários. Só que eu não estou nem um pouco preocupado em jogar pra platéia. Nem com audiência de milhões de leitores. Apenas os poucos que me seguem já recompensam o trabalho e o custo que dá manter esse hobby.

E se não foi trabalho, ainda melhor. O caminho está asfaltadinho e as portas abertas. Pode vir meter o sarrafo. Só peço que não menospreze por desconhecimento os sérios motivos que nos fizeram sumir da comunidade que você mencionou.

Um grande abraço e grato epla visita e comentários.

Então, Arnaldo, não tenho a menor ideia dos motivos que o levaram a se afastar. Imagino que deve ter sido algo grave mesmo. Mas o porquê, para mim, não vem ao caso. O que eu argumentava é que, pelo fato de estar ausente, isso poderia ter contribuído para a baixa na sua audiência baseada nos dados que você mesmo forneceu. Mas não porque os blogs estão morrendo. Eles estão mudando – alguns para bem outros para mal (volto a concordar), como tudo na vida. E não é só blog que nasce, cresce e morre. Isso acontece com sites, portais, empresas, casamentos e até redes sociais...

Percebi também que você editou seu comentário dirigido a mim, retirando algumas frases ríspidas e incompatíveis com a educação e respeito que você tanto prega em posts e debates. Ao mesmo tempo em que você dizia que minha opinião era bem-vinda, colocava que não sabia porque eu tinha me dado ao trabalho de dá-la. Ficou melhor agora. Obrigada. (E é só por isso que eu volto a dialogar!) :)

Em tempo: não sou porta-voz de nenhuma empresa ou instituição. Vim aqui por mim, essa mesma blogueira que compartilha com você a aversão ao excesso de publicidade disfarçada e a viagens patrocinadas. Aliás, a associação à qual você se refere (e, cá entre nós, quase sempre com ironia e desprezo), não é minha, eu apenas fui a Presidenta eleita – com muito orgulho, aliás.

Esta iniciativa, inclusive, é uma tentativa de impedir muitas das barbaridades que vemos por aí. Se estamos conseguindo? Bem, já tivemos algumas conquistas, estamos aprendendo muita coisa, mas sabemos que o caminho ainda é bem longo. A mudança cultural de mercado pode levar anos. Eu também fico bem cansada, às vezes. Não criamos um pool de blogs com interesses comerciais. O objetivo é promover o segmento, defender os interesses coletivos e fortalecer nosso nicho. Os esforços são todos para educar o mercado (blogs e empresas) para que as práticas comerciais possam acontecer num ambiente melhor, mais ético e próspero. Por isso, não vejo motivo para alfinetar – e não foi só uma vez, até seu disclaimer faz menção a isso – um projeto nobre como este. Ainda mais você, empresário de sucesso do ramo hoteleiro que tem isso aqui apenas como um hobby!

Bacana mencionar na sua resposta alguns blogs que você admira, que seguem uma linha editorial coesa e que crescem muito por causa disso! Acho que faltou esse ponto no texto principal, se não dizer quem são os podres (também acho que seria deselegante), talvez mostrar aqueles que ainda valem a pena. Para não parecer que todo mundo estava no mesmo saco e só aqueles “amadores” que relatam sua viagem de lua de mel, por exemplo, poderiam ser considerados íntegros.

Nossa, e que coisa chata esse pessoal que abre um blog hoje, enche de adsense amanhã e acha que vai ser o novo Steve Jobs da internet! Essa gente me dá preguiça. Ah, e ainda bem que nossos blogs são absurdamente diferentes, como você bem colocou. Imagine eu, ou seus leitores fiéis, chegar aqui e encontrar uma receitinha de Escondidinho de Carne Seca ou uma singela viagem de fim de semana para Camboriú? Daí o povo ia achar que era caso de internamento mesmo. Hahaha!

Abraço e bom fim de semana!

ENTÂO, Silvia, como disse Voltaire, “Ninguém está livre de dizer asneiras. O mal consiste em dizê-las com pompa. Eu digo minhas asneiras tão simplesmente quanto as penso.”

NA blogosfera de viagens aprendi que amigos de fato eram poucos. E que os que assim se revelaram, valeu a pena passar a conviver. Os interesseiros, intrigueiros, fofoqueiros e intrometidos eu descartei.

EU faço assim: digo as minhas aqui, no MEU espacinho, NESTE bloguinho de 2 mil visitantes diários e sem importância, SEM a ínfima parte da pompa do Twitter. E o faço porque gosto, também porque nunca fui de "meias palavras". Muito menos, puxa-saco e sem opinião. Mas não faço minhas críticas em OUTROS blogs, não encho suas caixas de comentários detonando o que postaram. Mesmo assim, eu e todo blogueiro devemos estar preparados para lidar com as críticas. Mesmo as raivosas e não construtivas. Elas sempre existirão. O negócio é entrar na dança, divertir-se, sobretudo e se possível. rir delas. Especialmente das que não demonstram capacidade de argumentação.

São tendências, não minhas exclusivas observações sobre o estado atual dos blogs de viagem. Blogs estão fadados ao fracasso. Quer você concorde, quer não. E críticos sempre existirão. Especialmente os que se incomodam com as minhas. Como você. Ainda que elas não tenham sido pessoais, mas conceituais e generalizadas. Sei que quando as faço incomodarei a alguns. Mas o propósito é levar à reflexão, não incomodar. Com ou sem razão, reconheço o direito de quem sentiu-se criticado com o que leu aqui, vir aqui mesmo desancar e dar-se ao trabalho (como você o fez) de reclamar. Até mesmo de criticarem raivosamente. Adoro isso. Ainda quem até que o façam sem argumentos. Que não defendam suas posições. Tudo só porque vestiram a carapuça como uma luva. É seu (e deles) direito de registrarem aqui suas irritações. Nâo tenho problemas contra quem, não tendo argumentos, ataca o argumentador. Foi assim quando alguns blogueiros denunciaram as falcatruas publicitárias de alguns blogs de moda vendidos aos interesses e jabás de "anunciantes". E enquanto seus defensores gastavam seu tempo e talento atacando quem os criticava (como você), os blogueiros viram sua credibilidade despencar ao fundo do poço. E a qualidade e confabilidade tomarem direção inversa. Nem todas as pessoas digerem bem críticas ao seu trabalho, idéias e valores. Quem age assim fecha-se em suas opiniões e demonstram pouca abertura a ressalvas. Apontamentos contrárioss nunca lhes cai bem.

Meu número de visitantes é apenas uma pequena fração dos blogs profissionais. Mas não sei se eu seria tão feliz sem poder escrever apenas o que quero, não fiel aos meus valores. E também não sei se estes viverão pra sempre publicando seus "posts patrocinados".

Todo blogueiro tem o direito de opinar. E que se algum blog postou algo que desagrade o leitor, não aceitando bem críticas pode (e deve!) vir aqui reclamar. Como você o fez. Ainda que eu ache muito esquisito sair por aí nos blogs alheios reclamando porque você não gostou do que escreveram. Evidentemente que não me refiro a críticas pessoais, nominais.

Um blogueiro opinativo e crítico deve ter maturidade para não deve esperar cordialidade, amabilidade e receptividade de quem lê opiniões e experiências diferentes. Nada disso, portanto, me surpreende. Intolerância é um comportamento típico de uma substancial parcela da humanidade. Sabedor de que todo blog público, quando faz suas críticas está sujeito a recebê-las, quanto melhor e mais crítico for ESTE blog, mas críticos atrairá. Mas também, espero, a mais reflexões levará. Tanto às boas quanto às más. Se eu quisesse evitar críticas, se elas me incomodassem, não as escreveria. Mais que isso, não faria nada, não diria nada e não seria nada! (*)

Blogs bons quase sempre agradam tanto a algumas pessoas quanto incomodam a outras. Opiniões consistentes também. E blogs opinativos e críticos incomodam muito mais a muito mais gente, um pouco a algumas e zero à minoria que "transa" bem esse negócio de crítica genérica e opiniativa. É absolutamente natural que blogs bem sucedidos e com credibilidade incomodem. Para enfrentar essa gente de forma eficiente e eficaz, basta responder-lhes à altura. Quase sempre elas somem.

Quem é contra alguma coisa e tem opinião, "haters gonna hate"! Como disse a Rosana Hermman, "chatos se chatearão, pentelhos pentelharão, infernizadores infernizarão, invejosos invejarão, desprezadores desprezarão".

Saiba, portanto, Silvia, que esta é uma das partes que mais me divertem ao escrever neste blog. Especialmente quando nos comentários críticos como o seu eu consigo garimpar as contradições mais intrínsecas. Aquelas que só fazem reforçar minhas opiniões. Já disseram que "quem ama dá um ´hit´, quem odeia, dá milhares, aumentam a audiência. Felizmente eu não estou entre os blogueiros desesperados por audiência.

SUAS críticas às minhas não foram construtivas. Nem ponderadas. Tampouco me levaram a aprender algo que já não soubesse, a descobrir o que eu já não conheça, a demover-me de minhas opiniões. Ao contrário, as MINHAS críticas apresentam caminhos e sugestões, alternativamente às que você defende sem argumentar. Tudo o que eu desejo é que blogs porcaria saiam desse caminho horroroso da monetização a qualquer custo. Adoraria ver que TODS (não parte) enriquece ainda mais o ambiente, que a fabulosa blogosfera de viagens não enfrente o mesmo que já ocorreu a alguns blogs de moda e de comida (que viviam de jabás e promoviam tudo e todos por dinheiro).

Ainda que eu tentasse encontrar defesas às suas idéias, só li demonstrações de incômodo pessoal. E de desabafo. Provavelmente por causa dos longos períodos em que passou por aqui diariamente e teve que "engolir" silenciosamente minhas repetidas críticas aos blogs e a blogueiros que usam dos meios de monetização que eu tanto critico. Mesmo que nem de longe minhas críticas tenham sido menções pessoais a quem quer que seja, sobretudo a você mesma. Nem ao seu ou a qualquer outro blog. Antes de tirar qualquer conclusão ou tomar minha crítica como pessoal, teria sido bem mais madura e muito mais certeira se me trouxesse argumentos. Eles sim mexeriam comigo. Não resisto a bons argumentos. Sobretudo a argumentos melhores do que os meus. E adoro boas contendas. E me divirto nos comentários raivosinhos aqui no blog. No mais, continuo achando que este bloguinho aqui, de pouca audiência, efetivamente não é o palco ideal para você reclamar e criticar minhas opiniões. Ele não recebe a ínfima parte do que estou certo uma opinião sua receberia no seu próprio blog, por exemplo. Ele é bem maior expressão, importância e audiência que o meu, e sem dúvidas seus seguidores comungam com as suas opniões. Provavelmente os meus, não.

JAMAIS acreditei em "bons entendedores". Acho mesmo que quem fala pouco se exprime mal. E possivelmente não se faz entender. Sobretudo porque conta com que a interpretação alheia lhe seja fiel. O que quase nunca acontece. Não terceirizo meu cérebro e deixo de refletir, de buscar empatia não seja genuína, nem dexo de juntar-me a comunidades conectadas por algo bem mais profundo e relevante. Sobretudo não com os quais eu não comprometa minha acuidade crítica. Especialmente pelo simples fato de ao assinar minha admissão a qualquer agremiação eu tenha que concordar com todas as suas discrepâncias conceituais.

SEI que a vida guarda muitas surpresas. Assim como o comportamento humano. Mas quase nada me surpreende nele. Nem mesmo quando se manifesta na falta de tato, de delicadeza e de educação. Entretanto ainda há uma atitude que consegue me surpreender. É com as pessoas que demonstram este excesso de amizade e de compaixão. Particularmente entre as que acabaram de se conhecer. Há algo decididamente falso nessa camaradagem excessiva, nessa afetividade exacerbada. Mais cedo ou mais tarde elas se revelarão noutras intenções e atitudes. Quando são assim tão desproporcionais, a sua intensidade tem razão inversa ao tempo em que essas pessoas se conheceram. É quando revelam-se ainda mais espantosas. Para mim, claro. Gente que mal se conhece, nunca sequer frequentou a casa, a família, estudou na mesma escola, cursou a mesma faculdade, integrou a mesma turma, morou na mesma rua e bairro e mesmo assim vira amigo de infância no primeiro encontro virtual. Como todo neófito no assunto, nem sempre tive sabedoria para pôr meus pés atrás com gente assim. Cuja "doçura" e "simpatia" exageradas são comportamento típico de quem precisa mostrar-se doce, cativar para depois invariavelmente intrometer-se e aconselhar a vida alheia. Especialmente nas questões mais íntimas e pessoais. Também nunca fui chegado a esses voyeurismos e narcisismos comuns entre algumas comunidades do Twitter ou do Facebook. E da característica “superficialista” deles.

Por mim, descobri há uns 4 anos que é preciso curtir a vida, mas a vida presencial. A minha vida, não a vida dos da blogosfera. E concentrar atenção à família, aos prazeres reais e às coisas que têm peso no julgamento. A não me expôr a quem não me interessa, a me dedicar ainda mais a quem e ao que valem a pena. A não participar de reuniões dessa blogosfera como se estivéssemos num reality show, sobretudo nunca mais outra vez pôr aspectos pessoais de minha vida para as armadilhas de "amigos" virtuais que acabamos de conhecer, sobretudo a dispensar e desprestigiar seu reconhecimento ou julgamento. Infelizmente descobri tarde demais a prepotência dos que se acham no direito de opinar a vida alheia sem conhecê-la.

SILVIA, quanto mais você defende sua associação, menos eu gosto dela. Afinal, já tem gente demais defendendo suas mesmas idéias. Quanto às minhas, uma lástima, sou minoria (e talvez os comentaristas que aqui escrevem concordando comigo). Lamento contrariá-la tanto, mas eu estou mais pra Joaquim Barbosa do que pra Lula. E prefiro começar esta minha resposta ao seu útimo comentário com o que eu mesmo escrevi no post: "AOS BLOGS AMADORES, MINHA SINCERA HOMENAGEM E ADMIRAÇÃO." Já os que vendem seu conteúdo, e os que os promovem...

PARA mim é tudo extremamente simples e claro, porque se resume a uma ainda mais simples e transparente questão de raciocínio e memória. Tentarei explicar, ainda que seja muito difícil demover sua idéia de que o tipo de blogs que mencionei efetivamente goza tanto de aumento de popularidade quanto inversamente de prestígio. E volto a dizer: audiência, neste caso, equivale a comparar com a imensa popularidade do Lula e dos nossos políticos, cujos índices inegavelmente são ótimos. Já os de credibilidade, creio que nem preciso mencionar.

BLOGS despencam em audiência SIM. Independentemente de você tentar fazer o possível evitar. O fato que você parece não perceber é que tanto blogueiros quanto internautas lêm o título de um post, correm a barra de rolagem dando uma olhada dinâmica e superficial no texto e parando um pouco mais nas fotos. Muitas veze não passam sequer do seu leitor de RSS. E por vezes o dão como lido de primeira, sem sequer irem ler o post. Especialmente quando ele tem mais de duas páginas. O comportamento é uma tentativa de acompanhar o que acontece na blogosfera. E correm pro Twitter. É impossível, com milhares de blogs de viagens, sobretudo com tantos deles tentando desesperadamente ganhar audiência para viabilizarem o ganho de dinheiro, depois de tornando-se verdadeiros carros alegóricos de anúncios e banners piscantes almejarem crescimento permanente e consistente. Ninguém são deixa de saturar-se de tanta informação digital. Nem com tamanha falta de bom senso e bomgosto. Simplesmente porque não dá conta dela. E este é apenas mais um dos sintomas de superficialidade do mundo atual, de gente que percorre os olhos sem aprofundar-se em nada. Quer você queira acreditar, quer não, este é um fato inexorável, defendido por gente bastante mais balizada que eu. Ainda que seja para poucos lamentarem.

SABE, com a idade, o que a gente ganha em raciocínio perde em memória. Mas eu me sinto especialmente privilegiado com o fato de ainda ter ambos em perfeita sintonia. E são eles - raciocínio, memória e discernimento (entre outros) - que bem orientam todas as minhas ações. Em tudo na vida. Não apenas discordar de associações de blogueiros com associados que contrariam até mesmo os próprios princípios estatutários. De fato é um belo e digno trabalho o seu ao defender e participar de ações respeitáveis para que blogs de viagens aprendam a se relacionar com o mercado anunciante. Mas tudo se esvai quando alguns de seus próprios associados têm atitutes opostas ao que você defende tão bem. Para mim, trata-se de uma contradição.

MAS voltando a comentar sobre raciocínio e memória, a minha não me deixa esquecer que raciocinar acentua o discernimento, o bom senso e a poderação. Inclusive na hora de optar por entrar e sair de qualquer coisa, lugar, clube, empresa ou associação. Para poder fazer o que sempre quis. Com autonomia e independência. E viver o que gosto. Para experimentar o que me atrai. Mesmo que depois livremente deixe de lado, seja porque deixou de me atrair ou, mais gravemente, tenha de desagradado. Sem nenhum constrangimento. É muito bom poder fazê-lo também com qualquer pessoa, isoladamente ou em grupo. De associação ou comunidades. Que - sob meu exclusivo critério - julgue inconsistente, inadequada, contrária, prejudicial ou danosa às minhas convicções, Sobretudo às pessoais e profissionais. Jamais associo-me ao que NÃO esteja alinhado com os MEUS critérios de julgamento. Creio que nunca me associaria a clubes, agremiações ou associações cujas admissões de outras pessoas não houvesse a possibilidade de negar, a quem eu daria "bola preta"!

PESSOAS que se conhecem virtualmente, e agrupam-se sob um mesmo tema, há aos milhares. Não é privilégio dos amantes de vagens. E quase semrpe o primeiro passo mais comum entre elas é tornarem-se "amigas de infância". Depois, confidentes. Quase simultaneamente, demonstrarem doçura exacerbada e entusiasmo desproporcional. Tudo embaçado pelo gosto ao mesmo tema que os aproximou e uniu. E como em qualquer grupamento social, após meia dúzia de encontros, alguns começam a mostrar aquilo que o interesse pelo mesmo tema mascarou. E que é fundamental a qualquer indivíduo avaliar e analisar sob seus critérios pessoais: caráter, moral, personalidade, educação, formação, nível social, procedência, afinidades e simpatia.

ALGUNS começam até a se sentir no direito de opinar sobre a vida alheia. O que também não é prvilégio deste ou daquele grupo. E nem todos são espertos e têm discernimento para compreender que não basta o gosto pelo mesmo tema que os uniu para definir o fundamental a qualquer outro indivíduo do memso grupo: o caráter, a moral, a personalidade, a formação, o respeito, a dignidade, o nível social e cultural, afinal, de tudo mais que em nossa vida presencial exercemos em nossas relações com afiada precisão.

EU não me lembro de ter tido aborrecimentos tão grandes na minha vida, em tão curto espaço de tempo quanto ao ter participado do último encontro com os integrantes desta comunidade a que você se refere. E não vou explicar os motivos porque são de caráter tão pessoal quanto certamente não seriam de seu gosto conhecer. Foram apenas três ou quatro desses encontros que participei. Alguns gastei uma boa grana do meu bolso para receber, promover festas e diversão. E também não consigo me recordar de ter sido tão feliz depois de ter-me afastado desses encontros. E de tanta gente ter sido OU tão inadequada OU tão deselegante, sonsa, grosseira, indelicada, prepotente e intrometida. É claro que conheci gente boníssima. Preciso deixar isso bem claro. E ainda as tenho na mais alta conta. E foram maioria. Algumas, verdadeiramente honradas, tive o privilégio de conviver um par de vezes e por um breve tempo. Tão falsas, artificiais e perigosas quanto instantâneas suas "profundas amizades".

Portanto, situada você na história dessa questão "comunidade", a qual, diga-se de passagem, VOCÊ ainda NÃO participava, e a quem não tive o prazer de conhecer presencialmente, passemos ao assunto mais importante deste nosso debate: A DECADÊNCIA DOS BLOGS BRASILEIROS DE VIAGENS.

QUER você concorde com os fatos ou não, eu compreendo seus motivos por simplesmente não aceitar a idéia de que a blogosfera está em crise (de indentidade, qualidade, conteúdo, audiência e perda de importância). Porque para você ela é uma ferramenta importante, um meio digno de divulgação de seu trabalho, igualmente sério. Daí sua defesa e trabalho valiosos são importantes para o desenvolvimento daquilo que vc acredita e investe seu tempo. Nada mais louvável. Mas para mim, a independência e o fato de não precisar de blog para viver, não ter que desesperadamente dedicar-me à sua monetização, nem ter que deixar de publicar o que bem wuero, gosto e entendom sem a necessidade de ter a orientação e o policiamente de qualquer associaão, é mais uma excepcional vantagem. Não precisar de audiência espetacular, de ter que buscá-la desesperadamente, de ter que viabilizar o blog pra qualquer platéia me aplaudir, de propaganda pra mantê-lo, não tem preço. Ter opinião, credibilidade e independência também. Jamais me associaria, sequer seguiria cartilhas de associações cujos critérios e fundamentos para aceitação de associados eu discorde sériamente.

ESTE "mundo" que você integra e representa - muito digna e corretamente, devo dizer - é tão absolutamente desinteressante pra mim quanto seria caso eu fosse pago para escrever elogiando hotéis, cias. aéreas, destinos, lojas, agências de viagens. E, confesso, chego mesmo a me divertir com sua suposição de que "...o fato de estar ausente poderia ter contribuído para a baixa na sua audiência..." do meu blog. E com a importância que atribui à sua associação neste sentido. Evidentemente que a "comunidade" que vc menciona não comenta mais em meu blog. A panelhinhaainda o freqüenta, por certo. Todos os dias. Mas a parte que me interesssa dos visitantes diários é precisamente aquela que sabe das coisas, ainda que possa frequenta a sua comunidade. Todos passam por aqui, sabe por que? Porque o Fatos & Fotos de Viagens ainda é um dos blogs mais bacanas e prestigiados sobre o tema viagens. E porque não despencou de padrão em busca de audiência. E porque discorda dos que fizeram isso sem critérios.

MAS, saiba, Silvia, essa comunidade representa míseros 1,7% de todos os visitantes diários que este bloguinho de 2 mil visitantes por dia recebe. O Squarespace é tão boa plataforma que me permite saber tudo o que pre ciso: muito mais do que quem vem, de onde vem, que navegador usa, que meio, e quantas vezes volta.São inúmeros e complexos dados estatísticos recolhidos do logs de uso do meu blog. Desde que motores de busca o rastreiam até outros ingressos especialmente identificados, mas não especificados nas contagens de visitante únicos. Estes dados são atualizados aproximadamente a cada 10 minutos. E consolidados semanal, mensal e anualmente.

LAMENTO aborrecê-la mais uma vez, mas insisto em discordar de sua equivocada sugestão. Meu blog não caiu em audiência em decorrência do meu afastamento da tal comunidade. Você dá importância exagerada a ela. Isso a impede de perceber que os blogs amadores despencam em audiência por OUTROS motivos. Járelacionadoa no post acima. Essa comunidade sempre foi traço de 4 ou 5 anos pra cá. Dos sete de vida do F&F. A audiência caiu por uma realidade que vc insiste em não enxergar. Toodos caem. Quem tem o Google Analytics sabe do que falo. Talvez eu devesse ter lhe informado antes que a comunidade a que vc se refere (evidentemente sem esperar que acredite) historicamente representou nada mais que 1 a 2% dos 5 a 6000 visitantes únicos médios diários que o blog recebia em seu pico. Felizmente minha audiência é independente. E este é o meu maior patrimônio. A maior parte das pessoas que comenta aqui não vem da sua comunidade.

POR falar em independência e autonomia, é precisamente este o caminho que eu recomendaria a todo blogueiro. Especialmente de qualquer associação. Porque ela proporciona uma audiência ilusória. A que mais cedo ou mais tarde qualquer anunciante descobrirá e avaliará. Realidade a qual alguns associados já acordaram, outros acordarão, mais cedo ou mais tarde. Alguns se desassociarão. Outros criarão outras associações. Alguns poucos ignorarão a todas, outros serão seus dissidentes.

AINDA que aqui e ali possam também chegar visitantes diretos oriundos desta comunidade (o que não tenho condições de aferir), o que me importam são os 38% que vêm diretamente, mais os 29% que chegam através de diferentes motores de procura.Os demais 23% estão distribuídos por uma miríade (2.554, pra ser preciso) de sites (até governamentais) brasileiros e estrangeiros que de algum jeito mencionam meu blog. Destes, volto a repetir, diretamente do blog roll de outros blogs de viagens vêm 1,7% (dado que acabo de conferir no Squarespace). São dados que não se alteram há pelo menos cinco anos. Em boa hora eu deixei de fazer parte da comunidade que você integra, representa e defende.

NOVAMENTE insistindo no tema QUEDA DE AUDIÊNCIA mencionada no texto do post (que vc insiste em sugerir ser um fenômeno exclusivo do Fatos & Fotos de Viagens), preciso voltar a lhe dizer, ainda que me surpreenda você desconhecer: quem se der ao trabalho - sério, responsável e imparcial - de pesquisar na Internet, e até mesmo entre blogueiros, verificará que este não é um privilégio só meu. O fenômeno é decorrente de tudo o que mencionei no post acima. E com o qual você mesma me pareceu reconhecer quando escreveu "não é só blog (grifo meu) que nasce, cresce e morre. Isso acontece com sites, portais, empresas, casamentos e até redes sociais.". A frase apenas repete o que eu já havia dito em outras palavras: "E mesmo que eu compreenda o ciclo inexorável e natural dessas coisas na Internet...", aqui "toda novidade arrasadoramente cativante ... e que parece durar pra sempre, acaba com a próxima novidade ... Orkut, ICQ, MSN e sei lá mais quantos outros exemplos estão aí pra contar por mim. Até as Lan Houses, outrora disputadíssimas, hoje fecham suas portas"

SILVIA, basta olhar sem parcialidade. Com isenção. Especialmente para os dados do Google Insights e perceber que o gráfico da audiência dos blogs cai na proporção e direção inversas às do Tumblr, do Posterous e do Google+. Os 99,99% dos leitores de blogs não chegam até o fim de um post. Nem você conseguiria fazê-lo em todos os blogs que visita diariamente. A visita aos meus posts levam entre 1:00 a 1:40 minutos. Se o número do seu blog não for semelhante a isso, você tem um problema: é a única. Os leitores não chegam até o final porque hoje é assim. Simplesmente assim. Ou seja, vc está se iludindo com o fato que as pessoas estão frequentando e lendo.

E mais, quanto maior o artigo, menor, a paciência do leitor. Consequentemente, menor audiência, tempo de permanência para exploração de todo o blog. Os blogs que tentam ser comerciais e profissionais têm salvação? É claro. No meu entendimento não do jeito que se vê por aí. A primeira coisa a fazer é sair do amadorismo. A segunda, da superficialidade. A terceira do infantilismo. A quarta, deixar p layout menos confuso e poluído visualmente. Cuidar da credibilidade e maisuma da extensa lista que eu poderia discorrer, entre muitas sugestões. Mas vou concluir pra não ser ainda mais entediante: não apoiar a monetização com propaganda que ponha em conflito a credibilidade.

SE eventualmente vc mesma efetuar tal pesquisa, por favor não mencione as encomendadas pelos próprios blogueiros e suas associações. Tampouco estatísticas parciais. Evidentemente haverá de encontrar blogs que demonstram crescimento (me refiro ao consistente, histórico e prolongado), mas temo que sejam pontuais. E não me refiro ao seu blog ou a qualquer outro especificamente, porque não disponho de dados e porque creio estarem entre os pontuais que apresentam crescimento em decorrência da enorme dedicação à sua divulgação e procura por audiência. Afinal, é este o caminho que vocês acreditam ideal para tentarem viabilizar o ganho de dinheiro. Me refiro a dinheiro que signifique. E foi exatamente por este motivo que jamais o F&F esteve no Twitter, no Facebook e que nunca vivi enchendo as caixas de comentários de tudo quanto é blog com o objetivo de ganhar audiência. A comunicação pela Internet vem se tornando tão rápida quanto superficial, banal e volátil, não obstante ainda haja muita utilidade, seriedade, conteúdo e maturidade nesse mesmo ambiente. São essas últimas que merecem minha admiração.

POR favor, de uma vez por todas, compreenda que eu não tenho nenhum interesse em vender a alma, em dispender meu tempo de trabalho, convívio familiar e com amigos reais para participar de comunidades e assossiações, exatamente porque discordo fundamentalmente delas. E também que para mim não é o volume o que importa, mas a qualidade. Do blog e do visitante. Ter 10 mil visitantes por dia não é motivação, senão aqueles raros que comentam concordando comigo.

E Silvia, é claro que eu retirei algumas frases. Ainda que não intencionalmente, depois de reler, corrigir e editar o conjunto do texto, porque elas me pareceram inadequadas e escritas no calor da pressa e sem reflexão. As retirei porque a intenção nunca foi a de ser ríspido. Quanto ao que eu disse sobre sua opinião ser bem-vinda, foi a maneira que encontrei de efetivamente deixá-la maais à vontade do que esteja pra entrar aqui a primeira ves e descer seu sarrafo. Você e o seu grupo estão livres para fazerem o mesmo. E no que quiserem. Mas ainda continuo achando que você está muito mais incomodada com minhas opiniões do que eu com as suas e as eventuais de sua comunidade e associação. Foi este o motivo de você dar-se a tanto trabalho. Mas também não vejo eu ter dito "dar-se ao trabalho" como algo ríspido. Você teve e continuará tendo liberdade de entrar aqui, de fazer suas críticas, até de opinar rispidamente. Enfim, de fazer da MINHA caixa de comentários o SEU palco de suas ativismo, defesas, reclamações e críticas. Contudo, reconheça. É soberbamente diferente VOCÊ vir fazer aqui do que lá em SEU blog ou entre sua comunidade e associação. Eu não fis minhas críticas no SEU blog NEM na SUA associação. As fiz AQUI. Mas nem mesmo assim devo deixar de lhe assegurar o direito e a liberdade de fazê-lo quando quiser. Se rispidez houve, peço-lhe desculpas. A minha já apaguei revendo o texto a bom tempo. A sua (vir AQUI no MEU blog criticar o que EU escrevi) não me incomoda. A você e à sua comunidade, reitero: permanecem abertas as portas do Fatos & Fotos de Viagens para descerem o sarrafo no que bem entenderem. É um prazer que incomodo com minha discordância o que me incomoda.

QUANDO você me sugere que devo relacionar os blogs profissionais que admiro, vou pensar na possibilidade. Mas só se tiver tempo de pesquisar. Não quero ser injusto, deixar algum de fora da minha seleção. Por enquanto, me ocorrem apenas estes mesmos: o ótimo TUROMAQUIA, os do excelente TONY GALVEZ, o do AQUELA PASSAGEM, do Rodrigo Purish (mais um que se foi), o CONEXÃO PARIS (da Lina), e o VIAJOLOGIA, do Haroldo Castro, na Época. Por favor, não venha achar que são apenas estes os que eu gosto. EU me refiro aos profissionais. Os blogs amadores têm minha mais sincera admiração e respeito. São ESTES blogs que admiro e aplaudo por não venderam a alma à monetização. E o coração ao mercado anunciante. Que encontraram um caminho admirável para ganharem dinheiro com seus produtos e espaço pubicitário. Quanto aos que você menciona como "amadores que relatam sua viagem de lua de mel", não os desclassifico. Assim como a nenhum blog honesto. Só os vendidos.

OS que mencionei acima são os que eu admiro por terem encontrado um caminho da profissionalização sem tornarem-se nem mais uma "viagem & turismo" (desculpe, sei que vc a admira. Mas veja lá, a edição do mês trás de novo na capa Orlando! Provavelmente mês que virá com Buenos Aires, Nova York, Las Vegas ou praias do Nordeste). Quando cito a "Viagem e Turismo", sobretudo quando a comparo com Lonely Planet, as portuguesas Volta ao Mundo e Rotas e Destinos, à Mucho Viaje espanhola e às revista de viagens da NatGeo, defino MEU gosto pessoal, sabendo que difere do seu e da imensa maioria de pessoas que pensam como você. Sei que há leitores de Caras e Contigo em bem maior número do que os das revistas que citei acima. O ruim, o óbvio, o superficial, o repetitivo, o deserviço à maturidade do mercado, ao bom gosto do leitor e à sua criatividade, não é privilégio apenas da imensamente popular revista brasileira de viagens. Evidentemente que assim como você há muitos que preferem a V&T à revista Volta ao Mundo, ou à Rotas e Destinos, ou às demais que mencionei, cujos textos exemplares, maduros e inspiradores, no MEU entendimento servem MUITO mais ao leitor do que aqueles que você defendeu ao criticar por eu já ter escrito para a V&T. Felizmente você não é unanimidade, ainda que seja maioria.

QUANTO à "receitinha de Escondidinho de Carne Seca ou uma singela viagem de fim de semana para Camboriú", devo dizer que, conheço quase todo o Brasil (inclusive Camboriú) e aprecio culinária, mas: 1) não escrevo receitas porque não o faço sobre o que não conheço. E evidentemente não tenho absolutamente nada contra blogs de culinária, assim como não de moda, tecnologia, poesia, cinema e tudo mais que sua implicância possa sugerir. 2) se eu for um dia novamente a Camboriú (e ainda tiver saco de escrever e publicar aqui), não tenha dúvidas de que o farei. Como o fiz sobre Petrópolis, o Pão de Açúcar, a Ilha Fiscal, o Mirante do Leblon e tantos outros “singelos e de fim de semana” que também aprecio aqui nas minhas proximidades. Fomos a um lugar incrível recentemente, que renderia uma matéria fantástica: Parque de Ibitipoca. Ficamos numa pousadinha simplérrima. Quer mais singelo que isso? Você nem imagina o quanto tenho de coisa escrita e que não tenho motivação pra publicar. Da Índia, de Katmandu, de Istambul, da Sicília, do Arizona, de Praga, do Utah, de Las Vegas, de Chiang Mai, de Bangkok, do México, de Paris, de Dijon, da Dordonha, da Provença, de hotéis terríveis e fabulosos, de Mandalay, de Bagan...

ABRAÇO e ótima semana.

NOTAS: continuarei a escrever sobre utilidades e inutilidades na Internet, o que elas têm feito com o cérebro de alguns e a defender o direito a você e a todos de exercerem seu ativismo defendendo-os. Aqui também. Estou certo de que sempre haverá de ter alguém pra desancar sua enxurrada de demonstrações do quanto minhas críticas a incomodaram. Essas explosões de intemperança negativa são bem mais comuns e produtivas no Twitter do que aqui. Tudo com a anuência dos que e de quem elas defendem, é claro. Não há nenhum lugar mais apropriado à incontinência verbal na comunicação eletrônica do que o Twitter.

  • “Para evitar críticas, não faça nada, não diga nada, não seja nada.” (Elbert Hubbard)

Ola, Arnaldo!

Conheci seu blog em 2007, atraves do meu marido, pouco tempo depois de nos casarmos. Ele, um engenheiro pragmatico que nem gosta tanto de ler assim, era um grande fa das suas viagens, especialmente as mais exoticas, para lugares distantes.

Ele sempre achou o maximo o fato de voce nao colocar fotos suas e de sua familia, o que mantinha um ar de misterio e ao mesmo tempo situava o leitor sobre o real objetivo do Fatos e Fotos.

De la para ca, com um pouco mais de dinheiro no bolso, fomos realizando nossos sonhos de sair para o mundo e o seu blog sempre nos foi de enorme utilidade. Nossa viagem ha 4 meses para Lisboa teve o Fatos e Fotos como principal fonte de pesquisa.

Em 2011, por incentivo dele, criei meu proprio blog. Foquei no turismo, tema que mais me inspira, mas tambem passo longe das propagandas disfarcadas, nao participo de "panelinhas", jamais publico fotos minhas e da minha familia e nao fico implorando por comentarios inuteis que em nada irao acrescentar.

Simplesmente escrevo porque amo, para dividir um pouquinho do conhecimento que tenho com pessoas que possam chegar ate ali por acaso e tambem para mostrar que muitas vezes 'e possivel sim viajar, mesmo quando nao se 'e rico.

Nada contra quem tem, mas assim como voce nao sou muito chegada em redes sociais. Nao uso facebook, twitter, instagran. Nao vejo necessidade. Ja fui chama de estranha por conta disso. Mas nem ligo. rsrs

Parabens pelo seu blog! Gosto demais dele. 'E um dos melhores.

Abs,

Ana Paula

16:17 | Unregistered CommenterAna Paula

Muito bem-vinda e grato por seu primeiro comentário. Fico feliz de verdade que vc e seu marido tenham-se identificado com meu blog, com seu perfil, objetivos e conteúdo. Sobretudo que tenha-os identificado bem. Ainda mais porque os inspirei a fazerem suas próprias viagens. E agora, ainda mais, por saber que tem seu próprio blog, algo que incentivo e promovo como posso.Todo mundo deve ter seu blog e contar suas coisas. Parabéns por não curtir panelinhas também.

Vou agora mesmo lá visitá-lo!

Um grande abraço ao casal, boa vida, saúde, sucesso e ótimas viagens.

NOTA: acabo de ir ao seu blog e não consegui comentar. Parece que há necessidade de fazer login em alguma das plataformas (perfis).

"Tentei escrever-lhe lá o seguinte:

Olá, sou o Arnaldo, do Fatos & Fotos de Viagens. Acabo de receber sua visita e comentário extremamente gentil e simpático lá em meu blog e vim aqui conhecer o seu.

Estou começando a explorá-lo e vejo que há destinos que já visitei e que será encantador ver com os olhos e palavras de outros visitantes. Como aqui, em Toledo.

Dou-lhe inicialmente meus parabéns pelo belo visual do blog, seus temas atraentes e pelo gentil comentário.

Desejo-lhe muitas viagens maravilhosas, paz e saúde.

Obrigado!"

Arnaldo,

Tenho muito respeito pelo o que vc. posta e hoje detive-me com mais atenção na leitura do "POR QUE OS BLOGS ESTÃO DEFINHANDO?" e alinho-me ao seu modo de pensar. Vc. se considera um AMADOR e sem dúvida o é. E como o próprio nome diz, amador é todo aquele que faz algo com amor, por vontade própria, sem outros interesses, se não o de apenas poder manter e realizar um sonho bonito.

Enquanto vc. se mantiver nesta posição, terá com certeza esse número (e sempre crescente) de "seguidores". Parabenizá-lo é pouco, mas creio que seja o mínimo suficiente para vc continuar a contribuir de forma tão objetiva, para que tantos outros, possam usufruir de suas dicas e orientações. Seu blog é de grande valia. Continue firme. Um abraço, Ubiraci.

Olá Arnaldo,
Considero que voce consegue o fundamental com as suas publicaçoes: despertar a curiosidade aos leitores. Voce romanticamente e quase poética fala de cidades, lugares; que mesmo mundialmente conhecidas e comentadas, blogadas, sao vista sobre um novo prisma. Sou como voce: nao interessa saber quanto custa, onde ficar, $$$..interesa despertar a curiosidade e entao algum dia poder realizar essa viagem e colocar nela sua propria identidade - seja viajando em 5* ou de albergue em albergue...Continue assim, as vezes como sou consultora de eventos, cito muitas frases tuas porque con elas consigo dar um toque especial em programas tao batidos e frases tao comuns. Eu to aqui sempre e continuarei vindo aqui. Um abraço,

20:44 | Unregistered CommenterRegina

Prezado Arnaldo,

Mt obrigada pelo gentil comentário aqui em sua pagina mesmo. Nao sei o que houve na minha caixinha, mas de qq forma valeu a atenção e gentileza. :)

Obrigada!

Ana Paula (e Eduardo também!)

22:59 | Unregistered CommenterAna Paula

Discussão inútil. Só um comentário, "Instagram" é com "m".

Obrigado pela correção do erro, que já corrigi.

Pode ser inútil a discussão, mas algumas contendas valem quando deixam saldos positivos. Para ambos os lados.

Abraço e grato.

Aqui no F&F os textos e as imagens me atraem, sempre me tocam, uns mais outros nem tanto. Conheço lugares que talvez eu nunca decida ir. Eu gosto da informação que encontro aqui e vou estar sempre presente onde o meu coração se sente em paz.

15:09 | Unregistered CommenterRosa

E onde sempre será recebida com uma alegria MUITO especial quando suas visitas consagram-se nos comentários mais doces e gentis entre tantos que recebo. Fique, esteja e sinta-se SEMPRE bem e em paz aqui.

Saúde e sucesso.

Olá

Boa tarde!

Somos da Equipe do Portal InDica ( Grupo de Mídia criado em New York, EUA, com sede também no Brasil).

Primeiramente parabéns pelo seu trabalho como influenciador e gerador de conteúdo criativo, relevante e original, foi por isso que nosso jure e equipe selecionou o seu Blog/Site ao Prêmio “VIAGEM DE BLOG 2013 - Os 51 Melhores Blogs de Viagem do Brasil”, conforme link abaixo:

http://programaindica.com.br/os-51-melhores-blogssites-sobre-viagens-e-turismo-em-portugues-premio-viagem-de-blog/

Para chegar a esse resultado nosso júri utilizou durante um mês algumas ferramentas para medir branding/marca online como o Google Trends, Google Insights, Whostalkin, Socialmention, Icerocket, Quarkbase e Blogpulse, as quais apontaram seu BLOG como o mais lembrado quando o assunto é viagem e turismo.

Os Blogs selecionados serão identificados através de um certificado do Prêmio “VIAGEM DE BLOG 2013”. Todos os indicados estarão incluindo em seus blogs/sites o certificado que linka diretamente para a página referente ao prêmio.

Esta iniciativa tem por objetivo:

1º - Em primeiro lugar, essa iniciativa tem por objetivo aumentar a força e relevância dos indicados, reconhecendo e incentivando os melhores Blogs do Brasil a continuarem com o excelente trabalho que todos desempenham.

2º - Divulgar seu perfil/site/blog gratuitamente a um público que visita nosso Portal, e mostrá-los aos nossos mais de 400.000 seguidores dos nossos perfis e dos perfis dos nossos parceiros;

3º - A direcionamento de visitantes do Portal InDica aos Blogs que compõe os 51 melhores, é considerado como “voto de confiança” o que ajuda na relevância e ranking do seu blog/site na busca orgânica/ gratuita do Google, esta estratégia é conhecida como Search engine optimization (SEO) e Link Building;

5º - Todos os indicados estarão colocando o certificado “VIAGEM DE BLOG 2013 - Os 51 Melhores Blogs de Viagem do Brasil”, consequentemente o seu link/marca será exposto pelos outros 50 indicados, e eles esperam que você faça o mesmo, de um modo mais específico imagine que o público de cada um dos outros 50 indicados tenham a possiblidade de acessar o seu site e conhecer a sua marca, isso com certeza irá aumentar a sua audiência significativamente.

Ex: Cada indicado tem no mínimo 1.000 visitas por mês, se cada um dos 50 enviar essa quantidade de visitas ao seu blog, temos 50×1.000= 50 mil visitas. “Obs: Alguns dos indicados tem mais de 2000, 3000 e até 10.000 visitas por mês” (Contamos com sua ousadia).

- Divulgar vocês como uma referência ao mercado de Turismo e Viagem, pois o conteúdo que gera tem valor agregado para nós, profissional de Turismo e Amantes de Viagem.

*OBS. O Prêmio é uma iniciativa sem Fins Lucrativos, por isso, NÃO cobramos nada!

Aproveite e insira o certificado “VIAGEM DE BLOG 2013” linkando-o para a referida matéria. E deixo-nos um comentário, gostaríamos muito de estreitar esse contato.

Sucesso e Forte abraço.

Vanessa Pedreira

Diretora do Prêmio InDica
Portal InDica – Turismo, Viagem e Intercâmbio
Email: programaindica.com.br
Facebook: facebook.com/Programaindica

Meu caro
Muito boa a tua postagem. Só registro que , se o blog é bom, de qualidade, com conteúdo, sem ter aquele intuito meramente de ganhar dinheiro(ou fama), por que não repetí-lo, ano após ano? O que é bom merece continuação. Como não posso viajar a todos os lugares, com o teu blog consigo fazê-lo, com a vantagem de não gastar nada, nem o tempo!!!

Arnaldo.
acompanho seu blog há bastante tempo. É, entretanto, a primeira vez que escrevo um comentário nele. Gosto,realmente, de seu texto e de suas fotos. Gosto de sua " paciência pedagógica " nas discussões e sua disposição para escrever sobre temas atuais. Parabéns.
Tenho um blog, amador e familiar, que começou há 7 anos com o objetivo de dar notícias à família e de contar histórias a meus netos. Como o blog é meu e a visita a ele não é obrigatória, posso contar histórias pessoais, postar receitas de pão, incluir, com frequência textos de Fernando Pessoa, falar sobre minha cidade ou sobre países que visito - amador mesmo. Reconheço e agradeço teu respeito e elegância.

22:25 | Unregistered CommenterAldema

Voltarei para ler com mais atenção e não ser injusta, mas adianto que não acredito no fim dos blogs, o que observo é uma variedade dos menos bons, bons e ótimos e assim sendo, difícil alcançar tantos leitores fiéis, visto o Universo imenso, porém há para todos os gostos. Creio eu que blogueiro de verdade escreve pelo simples prazer de escrever, primeiro pra si mesmo e se mais alguém gostar, ótimo. O que tenho visto são blogs profissionais, nascendo dia após dia, na minha opinião, são apenas vitrines, não convencem muito na essência do que seja um Blog,pelo menos pra mim. Só descobri o seu hoje, através de pesquisa no VnV do Ricardo Freire, profissa,claro. Estou adorando está por aqui.

12:08 | Unregistered CommenterWilma

Arnaldo, conheci seu blog nesse fim de semana pesquisando sobre viagens e cruzeiro na Europa. Quero deixar registrado que alguns dos textos/capítulos que li sobre suas viagens, achei interessantíssimo e de excelente qualidade!

Que bom, encontrar uma pessoa como você, passando informações tão úteis, contando histórias de suas aventureiras e culturais viagens e nos permitindo compartilhar dessa cultura tão admirada e desejada por pessoas que curtem viagem/cultura. Parabéns, adorei ter te encontrado!! Após minhas viagens, postarei aqui minha experiência! Grande abraço!

Gostei de honestidade para consigo mesmo, o que é muito difícil hoje em dia. E mais fácil ser para com os outros que para nossas próprias necessidades e desejos... (rs). Faço parte do site brazilkorea.com.br, amei o teor, bem como a forma de expressão desse texto. Gostaria de sua autorização para postar uma de suas imagens com o link de sua pagina em nosso blog, que também não tem vínculos com “matérias pagas nem mesmo disfarçadamente”.

Agradeço a atenção e aguardo um retorno. Parabéns pela realizações de suas vontades!

Uma paranóia entre alguns blogueiros de viagens é a busca desesperada por audiência. Acham que sucesso tem quem recebe muitos visitantes, o que pode até ser verdade, mas do meu ponto de vista revela uma ingenuidade: preocupam-se apenas apenas com números, o que os torna uns chatos. Sobretudo porque deixam conteúdo e utilidade de lado e perdem o foco da realidade. E nenhum tem coagem de abordar questões polêmicas.

Quanto à autorização, está dada.

OBrigado

Arnaldo, na boa, sempre com o devido respeito, teus post são desnecessariamente longos, exaustivamente cansativos, exageradamente cheio de adjetivos, além de confuso e com erros de gramática e pontuação. Mesmo suas fotos, antes tão elogiadas, são apenas fotos comuns quando alguém passa a entender só um pouquinho mais de fotografia, composição e outras técnicas. Então você não é o tal para ficar criticando blog com este ou aquele conteúdo, não. A impressão que passa é a de que você está se tornando um velho chato e rabugento. Não tome por desaforo, mas para quem, como eu, é viajante experiente e leitor de vários blogs essa é a impressão que passa. Será que não é mesmo chegada a hora de sair? Refiro-me a sair mesmo, e não apenas anunciar, ouvir uns pedidos de "não vai, fica" e usar como pretexto para desistir da saída. Pense nisso. Um abraço!

6:39 | Unregistered CommenterRubens

Rubens, na ótima, adorei seu comentário. Mas, ao contrário de você, nunca fiz auto-elogios (jamais afirmei que escrevo, fotografo e viajo bem). Mesmo assim levarei em conta com seriedade tudo o que criticou e recomendou. Só lamento que tenha faltado mencionar onde publica seu trabalho. Seria útil ver suas fotos, ler o que escreve e conhecer suas viagens. Espero que você tenha coragem de voltar e divulgar tudo, pois eu adoraria aprender a escrever, fotografar e viajar tão bem quanto você.

Meus posts são extensos para os padrões dos blogs atuais, reconheço. Não apenas os de viagens, mas também os de moda e comida. É um empobrecimento cultural que não sigo: a tendência da cultura do curto prazo do Twitter e Instagram. De não ler. Porque é chato e dá trabalho. Mas, convenhamos, gente com sua opinião deveria ficar por ali, não precisava vazar para os blogs e os ajudar a exterminar.

Na boa, Rubens, assim - no anonimato - fica fácil.

Literatura Odepórica - é esse o nome que se dá aos bons relatos de viagem - virtuais ou não. Há um blog com esse epíteto, muito bom, que vc deveria conferir. Li o desabafo e concordo quase que na íntegra. Mas muitos blogs não recebem comentários porque é uma tarefa insana, face às exigências para postar. Alguns teimam em dizer que vc é um robô...ou que não é um robô... ou que será um robô... bip bip bip. E agora estou aqui teclando sem saber se o comentário seguirá seu curso ou não, percebe? Digo é que estou amando suas postagens, fotos, observações qualificadas, dicas fora da mesmice. Como também viajo, pretendo visitar mais vezes este espaço. Devagarito, sem pressa, como convém a um viajante curioso e interessado. Grande abraço gaúcho. Ana

17:26 | Unregistered Commenterana

Éh, Arnaldo!!!! Você lembra daquela frase: “O maior inimigo do homem é o homem”?, e, num país onde a educação não é prioridade – senão muda o governo – a mídia, colonizadora do Brasil, faz a cabeça do brasileiro pr’ele não compreender um bom texto e, ainda, criticar destrutivamente aquilo que ele não compreende, que não lhe proporcione um balanço no mesmo ritmo narcisista ao qual ele tá acostumado, que lhe exige além da faculdade de pensar do modo como individualista ao qual ele tá acostumado. Não desista das suas matérias nos blogs, na internet, Arnaldo, pois sua água mole é super importante pra furar esse tipo de pedra dura!!!
Aproveito esse momento pra pedir-te desculpas por eu ainda não ter feito um comentário nas vááááárias matérias suas que já li e leio há anos, pois amo viagem, mas sou “tímido”, “acanhado” em falar sobre elas, embora acho que venho perdendo essa timidez!
Parabéns, Arnaldo; pelo seu trabalho!!
Zanini

José Zanini, como pode isso?! Há anos vem aqui e NUNCA comentou! Vamos lá, não seja tímido, eu não sou nenhuma personalidade. Venha sempre e comente, porque afinal é o comentário o melhor alimento de um blogueiro NÃO monetizado.

Grande abraço, e obrigado!

Valeu, Arnaldo!!! Valeu pela força pr’eu “conversar” com você sobre suas exposições!!! Essa minha paixão pela leitura e pela Natureza não podia deixar que esse assunto fosse um dos maiores conteúdos preferidos por mim na leitura! Daí leio os comentários sobre as matérias, e isso foi vingando, amadurecendo em meu interior a intenção de comentar, falar sobre minhas viagens,..., ..., ... até a idéia de criar um blog; mas como sou exigente quanto a qualidade estou adiando, adiando, adiando. Já comecei a redigir uma apresentação, e vou ver se começo a apresentar momentos sublimes que experimentei nos meus contatos com a Natureza!
Vou, sim, comentar mais sobre as leituras que eu fizer, Arnaldo! Espero que meus comentários possam proporcionar-te algum acréscimo das emoções que você tenha tido ao vivenciar aquele momento narrado por você!!!
Abraços Mil!!!
Zanini

Puxa, José Zanini, agradeço e é muito bom saber que vc pretende lançar um blog. E também que de alguma maneira inspira-se neste aqui. Me sinto muito honrado. Seja exigente e perfeccionista, mas não ao ponto de impedí-lo de publicar suas idéias, relatos e reflexões. Não se preocupe ecom os outroa, ao contrário, mas é válido inspurar-se neles. Faça com a sua personalidade, com o seu gosto. Mas se tiver que fazer algo motivado em algum blog, jornalista, escritor, faça-o. Estou certo de que quem o inspirou, se souber, se sentirá honrado.

Qualquer bom viajante pode tornar-se um bom escritor. Basta focar-se nos detalhes de todas as coisas que ao viajar vai descrever. Quem vê detalhes, cheira, prova, ouve e toca durante suas explorações, quem explora, tem mais o que contar aos leitores do que os contemplativos. O “novo” e o “diferente” recheiam melhor o conteúdo dos bons relatos de viagens. O resto deve vir do capricho, da dedicação ao trabalho.

Visite todos os blogs que puder, especialmente os portugueses (de Portugal e outros países de lingua portuguesa). eles são excepcionais. Tente escrever com cuidado e com suas boas intenções de fazer bem feito. O resto vai acontecer natural e gradativamente. Quanto MAIS puder ler e escrever, melhor serão seus posts seguintes. Continue a tratar com respeito suas próprias idéias, suas viagens e os destinos que for abordar.

Faça a sua descrição da sua viagem, descreva suas interações com a população local e sua admiração pela natureza, se possível suas experiências gastronômicas, seus perrengues e suas descobertas. Compartilhe esses detalhes tentando motivar seus leitores a visitarem o local. Inclua sua fotos. Descreva suas emoções ao seu estilo. Se puder, peça a amigos, familiares e colegas para lerem e avaliarem seu trabalho. Observe essas análises e respeite as reações e opiniões. Mas não o faça pensando em dinheiro, senão porque gosta, por prazer em compartilhar. Evite os clichês. Fuja deles.

Por favor, pense nisso, não deixe de escrever. E quando o fizer num blog, por favor retorne aqui e me avise. Irei conhecer com prazer e se notar algo que eu achar necessário, darei dicas sim.

Um grande abraço

Pôxa!!! Valeu!!!!!! Valeu mesmo, Arnaldo!!!!
Obrigado pela força, por essa energia que está explodindo em meu interior nesse momento após a leitura desse seu apoio á uma, já antiga, intenção, vontade que tenho de transmitir a outras pessoas aquelas emoções visuais, sonoras, ... que principalmente a Natureza que tanto sonhei em ver, além das pessoas de outros costumes, têm me oferecido quando chego a seus lados, ás suas frentes! Se minha fôrça foi suficiente pr'eu vencer mil barreiras pra me formar em Paisagismo, ela é suficiente pr'eu continuar sendo aquele menino brincalhão no meu modo adulto de expressar um profundo conteúdo, como foi o Chapplin!!!
Muito! Muitíssimo grato, Arnaldo!!!
Zanini

Encontrei o seu blogue por acaso. Tenho de lhe dar os parabéns. Gostei do que li sobre algumas das suas viagens.
Contrariamente ao que diz eu também tenho um blogue e não estou minimamente interessada na audiência. Aliás ele é tão restrito que apenas escrevo para os amigos e para meia dúzia de bloguistas que felizmente têm os gostos muito parecidos aos meus. Tomei a liberdade de no meu último post divulgar o seu blogue, através de algumas fotografias sobre a sua viagem ao Quirguistão, bem como indicando o nome do seu site, porque o achei excelente e porque penso que deve ser conhecido.

Agradeço imensamente a visita, o comentário e sobretudo a indicação de meu blogue no seu. Irei já visitá-lo!

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.