MENSAGEM ao LEITOR
CONHEÇA QUEM ESCREVE

BEM-vindo ao Fatos & Fotos de Viagens, um blog sem jabá e não vulgar

        EXISTE no viajar e no escrever relatos de viagens um terreno fértil para demonstrações de arrogância. É algo simplesmente disseminado. Tanto no mundo virtual quanto na literatura. Mas o que o maravihoso mundo da viagens precisa é de mais viajantes humildes, não de "especialistas" caga-regras que determinam de tudo: desde como arrumar sua mala ao único tipo que você deve comprar, do lugar que você tem que ir, caso contrário sua viagem será uma merda. Nunca tão maravilhosa como a dele. As classificações dos lugares também. Tem sobrado superficialidade a egocentrismo. Autores assim não percebem que tudo é muito subjetivo e pessoal, que a experiência e o prazer de alguém não será necessariamente igual ao de outro.  Sobretudo as necessidades.

      A blogosfera "profissional e "monetizada" vulgarizou-se e tornou-se banal. Carecemos de gente que escreva para motivar e inspirar, para alargar horizontes, de viajantes que "mostrem" os lugares em vez de "ensinarem" a viajar. Moderadamente, ponderadamente, sem afetação típica de deslumbrados que viajam pela primeira vez em classe executiva e precisam espalhar para o mundo em resenhas risíveis. Ao contrário, a blogosfera

       ESTE blog, ao contrário, não fez concessões à vulgarização dos blogs depois da "profissionalização" e da monetização de alguns. Ao contrário, este é um blog singelo, simples, pequeno, inexpressivo na blogosfera, não despesperado por audiência nem seu autor se dedica mais à sua divulgação nas redes sociais do que à escrita. Tento dar graça à leitura e consolidar algo que prezo muito: confiabilidade, credibilidade.

        COMECEI a viajar tarde, você sabe. Por falta de dinheiro. Até que um dia viajei pela primeira vez ao exterior. Eu tinha 35 anos. Fui assim apresentado ao então desconhecido mas fabuloso mundo das viagens. Jamais, todavia, pensaria visitar mais de 60 países, alguns muito improváveis à época. Irã, Uzbequistão, Myanmar, Etiópia, Quirguistão entre eles. Mas foi recentemente que compreendi que as viagens ficam pra sempre, não as coisas. E que é por esse mundo ser tão diverso, por cada país ser tão diferente, que me parece tão atraente e divertido.

       NÃO sou escritor profissional. Tampouco jornalista. Mas invejo esses profissionais por dominarem o idioma, a gramática e as palavras.  Ainda assim, faço meu melhor, meu caro, estimado, raro e precioso leitor. Então, peço-lhe que considere algo: que mesmo escrevendo com sensibilidade e responsabilidade, incorro em erros. Se quiser, aponte-os. Tanto gramaticais quanto de digitação. Como tenho revisor profissional, antes de publicar dou curso a incansáveis revisões. E também submeto-os ao crivo de minha esposa. Ainda assim, alguns nos escapam.

      SOU brasileiro, empresário e casado com a Emília do blog "A Turista Acidental" e desde que a conheci (e antes mesmo de nos casarmos), tornou-se a "mais-que-perfeita" companheira de vida, de idéias, de projetos e ideais, sobretudo encantadora, adorável e inspiradora companhia de viagens e de aventuras. Com ela compreendi o que significa "prazer de viajar". Foi (e continua sendo) minha melhor fonte de inspirações e de motivações. Tanto que qualifico minhas viagens como "antes e depois" da Emília e "antes e depois" da Índia. Foi com ela que percebi o que quis dizer Érico Veríssimo com "Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado certamente chegará mais longe." Somos pais de gêmeos - uma menina e um menino - nascidos em julho de 2015, e de um filho de 34 anos do meu primeiro casamento, em quem o gosto pelas viagens pareceincorporado. Não sou avô, mas as coisas estão bem encaminhadas neste sentido.

       HOJE com 64 anos (boa parte deles dedicados à família e ao trabalho), foi apenas aos 35 que pude começar a viajar internacionalmente. Desde então visitei 61 países, entre os quais alguns dos mais fascinantes e com os sítios mais admiráveis do planeta. Felizmente, para alguns deles ainda a salvo do turismo de massa, cujos excessos arruinam qualquer lugar. Em março de 2006, quando iniciei este blog, o fiz como meio de comunicação com a família e amigos. Anos mais tarde eu descobri o poder de contar histórias em textos e fotografias, e logo ele tomou outro rumo, provavelmente porque os leitores gostavam dos textos e das fotos, ou então porque na época havia pouquíssimos blogs.

       FIZ cerca de 90 viagens internacionais, voei por 40 cias. aéreas diferentes (algumas extintas) em 391 vôos para fora do Brasil e dentro de outros países e em todas as classes possíveis. Segundo Haroldo Castro - jornalista-fotógrafo-escritor que já esteve em 160 países -, o maior viajante que conheço, em seu teste "Viajologia" que se pode fazer em seu site, que considera não apenas a quantidade de países visitados, mas lugares, monumentos e patrimônios, além de transportes, experiências e situações difícieis porque passam os viajantes, alcancei "Mestrado em Viajologia". Mas isso não é nada diante de gente que lá já "graduou-se" em pós-doutorado.

Escrevo este blog sob uma perspectiva lúcida e sem concessões à monetização sem critérios

        Eliminei o contador de visitas deste blog quando marcava mais de 6 milhões. Audiência hoje em blog é decadente. Viajar, escrever e publicar algo que inspire e icentive o leitor é o que mais me motiva. NUNCA como blogueiro interventor nas viagens alheias, ou caga-regras dizendo como alguém deve viajar e que tipo de mala usar e essas chatices que definem as pessoas homogeneamente.Parece ser o que traz os leitores até aqui. Ou porque gostem de fotografia, para além da leitura odepórica, como eu. E por este blog não ter captulado à ambição e vaidade que levou tantos autores de blogs à monetização sem critérios, sobretudo enganando leitores, cada dia torna-se menorzinho e menos importante. Se continuarem assim, os blogs precisarão ser reinventados. Este aqui nasceu livre e assim será até morrer. Por enquanto estou sempre por aqui. Nem que seja em pensamento. Só não sei até quando.

         Agradeço a visita e os comentários e desejo boa viagem aos leitores.

Em tempo: este blog não integra nenhuma associação disfarçada de incentivos à monetização. Mas se um dia fundarem a ABBLI (Associação Brasileira de Blogs Livres e Independentes), por favor, me convidem!

#blogsemjaba

COMENTÁRIOS
RSS - Quer subscrever?
AddThis Feed Button

Share/Bookmark

VIAJE neste blog

Fotos de viagens
PROCURA
Quer ler outras viagens?
De onde chegam os visitantes
« ESCAPADA à África do Sul | Main | YELLOWSTONE - Um gigante adormecido »
Terça-feira
Jul302013

ETIÓPIA, o próximo destino 

"Olá Arnaldo,

 Já tenho datas reservadas para minha viagem à Etiópia: iremos fotografar a Fasika, a Páscoa ortodoxa, em meados de abril de 2014. Estive também durante o Timkat, em janeiro, mas prefiro levar meu grupo para a Páscoa mesmo. Vocês vão vir comigo? Seria uma boa experiência!

 Abraços, Haroldo."

                 Haroldo Castro, o jornalista, escritor e fotógrafo, autor de "Luzes da África" e colunista da Revista Época, mandara este e mail em resposta ao meu, que lhe dizia sobre nossa intenção de visitar a Etiópia em janeiro. Curiosamente, um dos capítulos que mais gostei de seu livro foi justamente sobre aquele país. Ele mencionou o Timkat em sua resposta porque nossa intenção era visitar Lalibela justamente na época do festival, que em 2014 ocorrerá nos dias 18 e 19 de janeiro. Ainda que eu desejasse muito ir com o grupo do Haroldo, compromissos profissionais inadiáveis em abril próximo tornaram o convite inaceitável. Imaginem só minha vontade de ir com eles!

                  Nove de janeiro era o dia do aniversário de meu falecido pai. Estaremos na Etiópia neste dia. Mera curiosidade, mas ao lembrar-me da coincidência fui levado para trás no tempo, precisamente a 1973. Entre outros tantos países incomuns que meu pai visitara, lembro-me de que trouxe uma foto de sua viagem à Etiópia naquele ano. A foto que tirou era do Rei Hailê Selassiê, ladeado por dois de seus leões vivos, de pé na escadaria de seu palácio em Adis Ababa. A pose era incrível, de um monarca, apesar de corporalmente esmirrado, parecendo não ter mais do que 1,60 m (na verdade media 1,62 m),  na foto aparentava ser um gigante. Hailê Selassiê, uma das figuras mais emblemáticas de toda a África, na foto que meu pai tirou, 40 anos atrás. Então seu país jamais me saiu da cabeça. E aquela foto despertou-me o desejo de conhecer seu país. Agradeço ao meu pai por ter viajado tanto, e sem saber ter me despertado iguais desejos. Em nove de janeiro de 2014 estaremos na Etiópia...

                 Enquanto esperávamos na fila de embarque de nossa última viagem aos Estados Unidos, em julho último, onde visitamos o Grand Teton National Park e o Yellowstone National Park, no Wyoming, notamos um novo stand de uma nova cia. aérea. Ele estava todo decorado com balões de gás coloridos, expondo a belíssima logomarca da empresa: Ethiopian Airlines, que no dia anterior havia feito seu vôo inaugural para o Brasil, para o qual o próprio Haroldo Castro fora convidado e escrevera um belo post em seu blog: "Novo Boeing 787 chega ao país unindo mais a África ao Brasil".

                 Desembarcamos no aeroporto internacional de Dallas/Fort Worth no dia 4 de julho, feriado nacional que comemora a Independência dos Estados Unidos do Brasil. Encontramos muito dificuldade para tomar um taxi para um giro pela cidade, porque entre as 8 da manhã, hora que chegamos do Brasil, e 5 da tarde, hora de nosso vôo para Jackson Hole, tínhamos umas sete horas para visitar Dallas. Depois de muita espera, surge a primeira opção de taxi, que prontamente sinalizamos. O motorista era etíope. Não me recordo de seu nome, mas certamente minha querida esposa sim. Uma das pessoas mais incríveis que já conhecemos em viagens. Apaixonado por brasileiros, tornou-se ainda mais receptivo quando lhe dissemos que também éramos pelos etíopes e que em janeiro visitaríamos seu país. Mostrei-lhe a foto que fizera do stand da cia. aérea de seu país pelo celular na noite anterior. O sujeito era tão receptivo e simpático que nos levou a conhecer sua comunidade, ficou conosco muito mais do que precisávamos, levou-nos onde queríamos e nos seviu de guia turístico. Convidou-nos a um café da manhã com donuts e café etíope numa 7 Eleven de propriedade de um compatriota seu, amigo que saiu de trás do balcão da caixa registradora para cumprimentarnos com simpatia. Ao final de nosso roteiro, de volta ao aeroporto, recusou-se terminantemente a receber mais do que o valor de duas corridas, ida e volta ao aeroporto de Dallas. Além de nossa imensa e sincera gratidão, ofereceu-nos seu e-mail, o número de seu telefone e só pude retribuir-lhe com um grande abraço, a única coisa que eu tinha do Brasil para oferecer-lhe.

                 Minha doce Emília, em seu "A Turista Acidental", especificamente no post "Sobre encontros e pessoas", relata sobre esses encontros que costumam marcar tão positivamente nossas viagens, mas um especialmente se relaciona com a Etiópia:

 "Além dos incríveis uzbeques, pudemos conhecer viajantes de várias partes do mundo, algumas vezes encontrando os mesmos em várias cidades, já que o melhor circuito é um pouco óbvio e quase todo mundo o segue. Em especial, tivemos a sorte de conhecer a Karin e o Wolff, um casal de senhores alemães: nós duas acabamos engatando uma conversa enquanto eu fotografava, esperando o almoço na yurta de Ayaz-Kala. Chegaram os maridos e a conversa continuou a fluir. O assunto: viagens, claro. Especialmente à Etiópia, que tinham acabado de visitar. Acabamos nos encontrando por acaso no outro dia em Bukhara e jantamos juntos nas duas noites, nos despedindo já com saudades."

                 Com tantas coincidências e referências à Etiópia, comemoro aqui o fato de terminarmos de definir nosso roteiro pelo país, e nossa viagem para lá em janeiro próximo. Montamos o roteiro individual e personalizado com a operadora Highland(*) e isitaremos Adis Ababa, iremos a Debre Libanos, Arbaminch, Turmi, Murulle (no Vale do Omo) visitaremos o Hammer market, voaremos de volta a Adis, depois iremos a Omorate, Diredawa, Harrar, Arba Minch, faremos um passeio de barco pelo Lake Chamo, visitaremos Bahirdar, Gondar, voaremos a Axum, depois iremos a Lalibela para o festival Timkat , voltaremos a Adis (nos hospedaremos na periferia da cidade, em Debrezeit) e voltaremos ao Brasil.

_________________________

(*)Todos os produtos e serviços aqui mencionados não têm o conhecimento dos mesmos e não são recompensados de qualquer forma, anterior ou posteriormente à sua publicação, estão descritos por liberalidade minha. Nossas viagens são escolhas pessoais. Pagas com recursos próprios e a preços de mercado. Viajamos independentemente. Assim como com independência emito opiniões e faço escolhas. Seja de um hotel, cia. aérea, atração. Cada link citado ou produto mencionado é feito com a suposição de que o leitor já saiba identificar os objetivos do blog. Sobretudo que as verificará com o fabricante, fornecedor ou prestador do serviço em questão. 

 

 

Reader Comments (2)

Alguns destinos são assim: vão nos cercando, nos cercando, nos cercando... até que nos pegam. =) Acompanharei bem de perto essa viagem, que pretendo fazer também em 2014. E viva a Etiópia!

O nome do taxista é Ak :-) Uma feliz coincidência junto a tantas outras que tivemos que nos fez decidir por ir à Etiópia. Quanto mais eu pesquiso sobre o país fico impressionada pela sua história, diversidade humana, arquitetura, natureza. Os relatos sobre quem já foi nos faz esperar uma ótima acolhida, o que sempre duplica o prazer de viajar. Ainda mais na tua companhia :-)
Um beijo, meu querido.

14:51 | Unregistered CommenterEmília

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
All HTML will be escaped. Textile formatting is allowed.